sexta-feira, 15 de novembro de 2019

EXÉRCITO DE DEUS (SOLDADOS DE CRISTO)



Filipe Levi 15/11/19
EXÉRCITO DE DEUS (SOLDADOS DE CRISTO)


INTRODUÇÃO:

“A definição final do amor, para os tais, não está na Bíblia toda, mas apenas no Novo Testamento, interpretado por eles mesmos. Se esquecem que o Novo está latente no Velho Testamento e o Velho está patente no Novo”. (Agostinho de Hipona)

Os cristãos sempre tiveram esse “fetiche” pelo Pacifismo, como se ser a favor da paz ou ser pacificador tivesse algo a ver com essa ideologia diabólica e demoníaca. A Bíblia, a Palavra de Deus, nunca proibiu os cristãos de se defenderem e nem de protegerem as pessoas que ama. O Pacifismo é uma ideologia antibíblica e satânica que nunca esteve no Novo Testamento, mas que os cristãos, com esse seu “fetiche” doentio, sempre quiseram que estivesse na Bíblia.

As mulheres, os adolescentes e as crianças precisam de proteção. Quem irá protegê-los? Quem defenderá nossas mulheres? Quem salvará nossos jovens? Seja você a Terceira Barreira. Seja você Aquele Que Protege. Seja você o Protetor dos fracos e indefesos. Alguém tem que ficar e lutar. Alguém tem que fazer a diferença. Alguém tem que fazer.

A Bíblia, a Palavra de Deus, sempre reprovou e condenou a omissão diante do mal, ou seja, quando nos calamos, nos silenciamos e nos omitimos diante da opressão, nós somos cúmplices do opressor. Portanto, devemos combater o mal e os malfeitores tanto com duras palavras quanto com armas bélicas e com os nossos punhos mesmo.

SAQUEADORES DO INFERNO (ORAÇÃO DE GUERRA):

“Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos”. (Tiago 5:16)

A própria Palavra de Deus nos ensina que há muito poder na oração. Os intercessores são guerreiros de Deus que oram em favor das outras pessoas. Infelizmente, eu não tenho mais o ânimo para orar que eu tinha antigamente, mas ainda continuo orando a favor de muitas pessoas. Oro principalmente para que Deus salve, abençoe e proteja os meus amigos e todas as pessoas que considero importantes na minha vida. Na verdade, como eu não posso fazer muita coisa para ajudar os outros, o mínimo que posso fazer é orar em favor deles.

“E acontecia que, quando Moisés levantava a sua mão, Israel prevalecia; mas quando ele abaixava a sua mão, Amaleque prevalecia”. (Êxodo 17:11)

Em certa ocasião, o povo de Deus enfrentou os seus inimigos, os amalequitas, e Moisés intercedeu a favor de Israel para que o seu povo triunfasse. Enquanto Moisés estendia as suas mãos e orava, os hebreus prevaleciam; mas quando ele abaixava as suas mãos, os amalequitas prevaleciam. Essa parte da Bíblia nos mostra novamente o verdadeiro poder da oração.

Eu gosto muito do anime “Saint Seiya”, mais conhecido como “Os Cavaleiros do Zodíaco”. Neste maravilhoso desenho japonês, eu vi um episódio em que a Shunrei intercedeu em favor do Shiryu de Dragão. A Shunrei orou, ou seja, ela pediu diversas vezes para o Deus judaico-cristão proteger o seu amado Shiryu do cavaleiro de ouro Máscara da Morte de Câncer. Foi esse episódio que me inspirou a escrever este texto. O próprio anime Saint Seiya, que não é um desenho cristão, mostra o poder da oração. O vilão, Máscara da Morte, ficou muito incomodado com a oração da Shunrei; e foi a intercessão dessa garota que salvou Shiryu. Até esse anime ensina princípios e valores cristãos. Eu aprendi muito com esse magnífico desenho japonês. Apesar da idolatria e da Astrologia envolvidas nesse anime, têm muitas coisas boas para se reter nesse desenho que marcou a minha geração.

Creio que estou vivo graças às orações de algumas pessoas que realmente gostam de mim. Em muitas ocasiões era para eu ter morrido, mas ainda continuo vivo. Há pouco tempo atrás, eu desejava ardentemente morrer, mas resolvi buscar mais a Deus e lutar contra a minha depressão. No passado, eu amaldiçoei o infeliz dia do meu nascimento, mas hoje louvo a Deus por ter nascido na mesma época que os meus amigos. Nós partilhamos da mesma época e lutamos pelo mesmo objetivo. Nós queremos fazer a diferença nesse mundo. Eu sou grato a Deus e aos meus amigos por eu ainda viver. A minha vida não é mais minha, mas pertence a Deus e aos meus amigos. Se eu estou vivo, é graças à misericórdia de Deus e ao carinho de algumas pessoas. Eu posso até desejar morrer, mas enquanto o fogo da minha vida permanecer aceso, eu lutarei. Mesmo, que eu perca os meus cinco sentidos, continuarei lutando. Preciso viver para continuar orando pelas pessoas e para fazer a diferença. Orando e intercedendo. Pregando o Evangelho sempre. Assim, talvez, eu possa fazer a diferença neste mundo.

Os homens por meio da oração se comunicam com Deus; e podem mudar o destino das outras pessoas (até o seu próprio destino). Eu converso constantemente com Deus, porque desejo ter intimidade com Ele. Quero muito ser amigo de Deus e andar segundo o seu coração. Eu sempre continuarei orando e intercedendo pelos outros, porque desejo mudar o destino das pessoas através das minhas orações.

"A única preocupação do Diabo é impedir os cristãos de alcançarem o território da oração. Satanás não teme estudos bíblicos separados da oração, labor cristão sem oração e vida religiosa distante da oração. Ele até ri da nossa labuta, zomba da nossa sabedoria, mas treme quando oramos." (Leonard Ravenhill)

A maior arma que temos contra Satanás, o Diabo, é a oração. A vida é uma guerra e precisamos da oração para nos fortalecer e nos preparar para as lutas diárias. Satanás costuma brincar com a lógica da inteligência das pessoas, portanto, intelectualidade e sabedoria humanas não amedrontam o Diabo. Apenas a oração, quando nos comunicamos e nos relacionamos com Deus, é que faz Satanás tremer e se sentir realmente ameaçado. O crente que ora e estuda profundamente a Bíblia, é quem Satanás realmente teme. Busque a Deus em oração e se dedique a estudar as Escrituras, assim, você será um valoroso soldado do Senhor. Não demonstre medo diante de seu Inimigo. Seja forte e corajoso. Por meio da oração, do Nome de Jesus e do poder de sua Palavra, você pode bater de frente com o Diabo e seus anjos. Assim, você sairá vitorioso na batalha, porque o Senhor dos Exércitos, o Deus dos Exércitos, está contigo.

"A oração é a mais poderosa de todas as armas que as criaturas humanas podem empunhar." 
(Martinho Lutero)

Orar e interceder pelas pessoas, lutar em prol dos outros. Essa tem sido a minha batalha, a minha guerra. Não tenho medo de ser morto ou ferido, portanto, que eu consiga ajudar alguém. Além de ser um estudioso da Bíblia, também me dedico à oração todos os dias. Mais oro e intercedo pelos outros do que por mim mesmo. Falo isso com toda a humildade do meu coração, eu me importo mesmo com a Salvação dessas pessoas. Satanás, o Diabo, já tentou me matar várias vezes, mas eu sobrevivi. Não conheço os propósitos de Deus, mas mesmo assim, confiarei. Eu escolho morrer lutando.

"A minha maior ambição na vida é estar na lista dos mais procurados do Diabo". (Leonard Ravenhill)

O Adversário sempre irá procurar atacar as suas fraquezas e onde está ferido. O Inimigo sempre atacará primeiro uma necessidade física sua ou a sua saúde. Ele conhece os seus pontos fracos e os seus pontos fortes. Não subestime o seu Oponente. Ele têm milhares de anos de experiência em combate e soube aproveitar muito bem esses anos de experiência. Revista-se com a Armadura de Deus e fique firme diante dos ataques do seu Inimigo. Nunca abaixe a guarda, senão ele vai acertar a sua cara. Dedique-se a oração e estude profundamente as Escrituras. Ore e interceda pelas pessoas. Lute em prol dos outros. Seja um verdadeiro herói.

"Que o seu nome seja conhecido no Céu e temido no Inferno". 
(Leonard Ravenhill)

Assim, como Satanás tentou exterminar as crianças no Egito e também por meio de Herodes, logo, quando Jesus nasceu, o Diabo ainda atua tendo como alvo principal as crianças e os jovens. Exterminando as crianças e os jovens, Satanás destruirá, assim, as gerações futuras, eliminando, assim, toda a resistência. Satanás, o Diabo, quer destruir a instituição chamada família, quer destruir os casamentos, e, principalmente, quer usar e depois descartar todas as crianças e todos os jovens. Cuidem de suas crianças e dos seus jovens. Protejam as crianças e os jovens. Não vacilem, o Diabo não perdoa.

"Eu não acredito que haja qualquer coisa que o Diabo odeie mais do que homens e mulheres de oração". (Leonard Ravenhill)

Os Adoradores do Diabo além de lutar fisicamente, também invocam exércitos espirituais contra aqueles que os atrapalham. Não se pode evitar o mal, praticando o mal. Devemos vencer o mal com o bem. O Movimento Batalha Espiritual (Magia Branca Gospel) é uma distorção e deturpação da verdadeira Batalha Espiritual relatada em Efésios 6. Somente o Nome de Jesus e o poder de sua Palavra (Bíblia) representam alguma ameaça para o Diabo e seus anjos. Apenas o Escudo da fé e a Espada (A Palavra de Deus), e o poderoso Nome de Jesus podem vencer Satanás e seus anjos.

"Uma pessoa se torna muito forte quando seu objetivo é proteger algo ou alguém."

A Bíblia, a Palavra de Deus, relata que existem dois tipos de guerras, dois tipos de batalhas que os homens devem travar (principalmente, os cristãos, os servos de Deus). A guerra de Romanos 13 e a guerra de Efésios 6, ou seja, a Guerra Física e a Guerra Espiritual. Nós, jovens cristãos, somos os Guerreiros dos Sonhos, os Guerreiros do Futuro; e, em Nome do Senhor dos Exércitos, devemos combater Satanás, o Diabo (o Mestre dos Pesadelos) para poder salvar e libertar as vidas e as almas que estão acorrentadas por meio da opressão do pecado. A nossa missão é pregar o Evangelho; orar e interceder por essas pessoas para poder libertá-las das garras de Satanás, o Diabo. Esse é o nosso chamado, esse é o nosso destino. 

O DIABO DEVE SER COMBATIDO (ELE NÃO DEVE SER TEMIDO):

O Diabo não deve ser temido, ele deve ser combatido. O medo que as pessoas têm dele resultou na Inquisição e depois na covardia das pessoas em insistir em ignorar a sua existência. O maior trunfo do Diabo foi convencer o mundo de que ele não existe. Satanás costuma distorcer as coisas, tornando a mentira em verdade, o feio em bonito, o errado em certo e o mal em bem. Desde o princípio, Lúcifer, distorce a Palavra de Deus para enganar os tolos. Se os cristãos não se unirem na Verdade das Escrituras para se opor ao seu domínio, o Rei do Mal ainda ceifará muitas vidas, destruirá casamentos e famílias, e a culpa será da Igreja, que se omite diante dessa barbárie e carnificina.

A FORÇA PARA COMBATER A VIOLÊNCIA INJUSTA:

Eu preciso ter a força para combater a violência injusta. As novas eras não são criadas pelas espadas ou pelas armas, mas, sim, pelas pessoas que as manejam. A tática básica de combate é sempre atacar a fraqueza do seu inimigo. Proteja as pessoas que você ama. Quando você está em combate, se você perder e morrer, aqueles que você está protegendo também morrerão. Você não tem a opção de perder. Seja um protetor. Seja um defensor. Seja Aquele Que Protege. Fale por aqueles que não têm voz. Seja a voz daqueles que não podem falar. Lute pela verdade e pela justiça. Lute pelos direitos dos outros. Seja diferente, faça a diferença, seja a diferença.

EM DEFESA DO MAIS FRACO:

Com certeza, a ideia de que o forte deve sobreviver e o fraco deve morrer é uma ideia equivocada. Nós devemos lutar em defesa do mais fraco. Nós devemos usar os nossos punhos e nossas armas para proteger os inocentes. Os indefesos precisam de alguém que os proteja e os defenda. Se na era atual estamos certos ou errados, as gerações futuras decidirão. Mas, com certeza, lutar pelo mais fraco é o correto. Ser honesto e íntegro é o certo. Proteger os fracos e os inocentes é a coisa certa a se fazer. Proteger os oprimidos e nunca abusar dos fracos é o que devemos fazer. Libertar os oprimidos e acorrentados das correntes da opressão. Ajudar os desamparados e defender os indefesos. Isso é o que todos nós deveríamos fazer. É nisso que eu acredito. Esse é o meu sonho, uma sociedade que aprenda a proteger os mais fracos.

A VIDA É UMA GUERRA (PREPARE-SE PARA A BATALHA):

A vida é uma guerra. Esse mundo é um campo de batalha e não uma colônia de férias. Então, pegue as suas armas e fique em posição de combate. Um guerreiro não deve morrer em batalha sem antes ter usado as suas armas. Lute pela verdade e pela justiça. Lute pelos direitos dos outros. Lute por aqueles que não podem lutar por si mesmos. O que todo bom soldado quer? O bom soldado luta não porque ele odeia o que está enfrentando, mas, sim, porque ele ama o que está defendendo. O dever de um soldado é salvar vidas. O dever dos fortes é proteger os fracos. O dever do combatente é combater em prol da justiça. O que um bom soldado mais deseja? O que um grande guerreiro mais almeja? O que um herói mais procura? Proteger o que ama e ter uma morte honrada.

SOBRE A OMISSÃO DIANTE DO MAL (O MAIOR PECADO DA “IGREJA”):

“Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem, mal; que fazem da escuridão luz, e da luz escuridão; põem o amargo por doce, e o doce por amargo”! (Isaías 5:20)

Infelizmente, muitos cristãos consideram o que é mau, bom, e o que é bom, mau. Muitos crentes consideram o errado, certo, e o certo, errado.

A omissão diante do mal é pecado e sempre será pecado. Passar a mão na cabeça dos bandidos e dos terroristas não acabará com a maldade no mundo, pelo contrário, aumentará ainda mais a violência. Onde diz na Bíblia que eu devo encobrir os erros dos outros e ser conivente com o pecado?

“Erga a voz em favor dos que não podem defender-se, seja o defensor de todos os desamparados. Erga a voz e julgue com justiça; defenda os direitos dos pobres e dos necessitados”. (Provérbios 31:8-9)

Para mim, a omissão diante do mal é um pecado hediondo, porque quem se omite perante o mal é tão culpado quanto aquele que o pratica. Os cristãos costumam se omitir diante das coisas erradas alegando um falso amor e uma falsa paz, mas Deus nunca aprovou a omissão perante as coisas erradas. A vontade de Deus é que nós, cristãos, defendamos os fracos e oprimidos. O Altíssimo quer que nós lutemos em favor dos indefesos. É nossa obrigação proteger os inocentes.

"Há duas injustiças que o SENHOR abomina: que o inocente seja condenado e que o culpado seja colocado em plena liberdade como justo". (Provérbios 17:15)

O Livro de Provérbios critica muito a injustiça e a omissão diante do mal, portanto, o conformismo perante as coisas erradas não é bíblico. Deus, o Altíssimo, deseja que nós pelejemos em favor dos fracos e necessitados, porque é da vontade d’Ele, que nós defendamos os indefesos e desamparados.

“Não te furtes a fazer o bem a quem de direito, estando na tua mão o poder de fazê-lo”. (Provérbios 3:27)

Se estiver em nossas mãos o poder de ajudar os outros, nós devemos fazê-lo, porque essa é a vontade de Deus, que nós, cristãos, defendamos os direitos dos fracos e oprimidos. Nós temos a obrigação de lutar pelos direitos dos órfãos e das viúvas.

“Ai dos que decretam leis injustas, dos que escrevem leis de opressão, para negarem justiça aos pobres, para arrebatarem o direito aos aflitos do meu povo, a fim de despojarem as viúvas e roubarem os órfãos”! (Isaías 10:1-2)

Deus estabeleceu o Estado (governo) para ser um servo de Deus (ministro de Deus). A função e o dever do governo é servir o povo, e não explorá-lo e oprimi-lo. A vontade de Deus é que o Estado castigue os malfeitores e louve os homens que praticam o bem.

"Aprendam a fazer o bem! Busquem a justiça, acabem com a opressão. Lutem pelos direitos do órfão, defendam a causa da viúva".
(Isaías 1:17)

Desejar ser herói (proteger os fracos e indefesos) não é coisa de “criança e de gente infantil”, mas é o que a Bíblia manda. As Escrituras ordenam que todos os servos de Deus sejam heróis (protetores e defensores). A vontade de Deus é que os fortes protejam e defendam os fracos.

“Portanto, aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz, nisso está pecando”. (Tiago 4:17)

Omitir-se diante do mal é um pecado hediondo, porque quem se omite perante a maldade é tão ruim e perverso quanto quem a pratica. Os pecados de omissão são tão graves quanto os pecados de comissão. Portanto, se omitir também é pecado.

O opressor covarde sempre oprimirá quem é mais fraco ou quem não reage, porque assim é mais fácil e não terá grande resistência. Mesmo, que o fraco não tenha condições de resistir por muito tempo, se ele ousar se opor a opressão, o opressor provavelmente sentirá medo e procurará outro para oprimir. Quando o forte oprime o fraco, ele também acaba se tornando fraco, porque assim não se adquire experiência de luta e outro forte pode subjugá-lo.

Jesus Cristo, Mahatma Gandhi, Dietrich Bonhoeffer, Desmond Doss, Martin Luther King e Albert Einstein nunca pregaram a omissão diante do mal, pelo contrário, eles sempre pregaram contra isso. Esses homens nunca pregaram que ser da "paz" e "amar" é se omitir perante as coisas erradas. Eles nunca foram pacifistas, mas, sim, pacificadores. Há diferença entre ser pacificador e ser pacifista. Há diferença entre ser justo e ser idiota. Há diferença entre ser correto e ser retardado. Há diferença entre ser da paz e ser covarde. Há diferença entre amar e se omitir. Há diferença entre amor e omissão. Há diferença entre lutar pelo que é certo e acobertar os erros dos malfeitores. Há diferença entre ser “paz e amor” e ter compaixão pelos inocentes. Há diferença entre pregar a verdadeira paz e se omitir diante do mal por ser covarde mesmo.

OS AGENTES DO ESTADO (INSTRUMENTOS DA JUSTIÇA DE DEUS):

“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho. Dêem a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra”. (Romanos 13:1-7)

No Novo Testamento (Nova Aliança), o apóstolo Paulo ensinou, claramente, que as autoridades governamentais são estabelecidas por Deus (colocadas por Deus no poder) para punir os maus e louvar os bons. A função e o dever das autoridades legalmente constituídas é reprimir o mal e louvar o bem. O Estado tem o poder da espada para punir criminosos e malfeitores dentro de sua jurisdição, e também para defender a sua nação de invasores externos (homens maus) que ameacem a segurança de seu país. Paulo pregou, claramente, que os agentes do Estado (magistrados, governantes e soldados) são ministros de Deus, ou seja, estão a serviço de Deus para castigar os malfeitores e para proteger os cidadãos de bem. Deus não apenas permitiu as autoridades governamentais, mas as instituiu (colocou no poder) para fazer justiça. As autoridades legalmente constituídas são instituídas por Deus para reprimir o mal, ou seja, os magistrados, soldados e policiais são instrumentos da justiça de Deus. O sentido bíblico de liderança é “servir e proteger”. O governante deve servir ao seu povo. Os soldados e magistrados devem proteger os cidadãos de bem e reprimir o crime. A palavra usada para espada é “Machaira”, que é um símbolo da pena capital (espada que era usada para combater nas guerras e para executar criminosos perigosos). Paulo não só legitimava o uso da força bruta (combate físico), mas também o uso de armas letais (matar os malfeitores). 

“Por causa do Senhor, sujeitem-se a toda autoridade constituída entre os homens; seja ao rei, como autoridade suprema, seja aos governantes, como por ele enviados para punir os que praticam o mal e honrar os que praticam o bem. Pois é da vontade de Deus que, praticando o bem, vocês silenciem a ignorância dos insensatos. Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como desculpa para fazer o mal; vivam como servos de Deus. Tratem a todos com o devido respeito: amem os irmãos, temam a Deus e honrem o rei”. (1 Pedro 2:13-17)

O apóstolo Pedro era a favor da lei e da ordem, assim, como o apóstolo Paulo, pois até ele reconhecia que era necessário que os agentes do Estado (ministros de Deus) usassem a força bruta (castigos físicos) para castigar os criminosos. Além de Paulo, Pedro também defendia o uso da força (combate bélico) por parte do Estado para se fazer justiça. Os apóstolos, Pedro e Paulo, reconheciam que as autoridades governamentais são estabelecidas por Deus para o bem-estar da sociedade.

“Então, alguns soldados lhe perguntaram: E nós, o que devemos fazer? Ele respondeu: Não pratiquem extorsão, nem acusem ninguém falsamente, e contentem-se com o seu salário”. (Lucas 3:14)

O grande e poderoso profeta, João Batista, quando batizou alguns soldados, ele não lhes condenou por serem combatentes, pelo contrário, esse grande e extraordinário profeta lhes aconselhou a serem militares, portanto, que exercessem a sua função (o seu trabalho) com honestidade e integridade. João Batista foi o maior de todos os profetas e o homem mais justo que existiu sobre a Terra (além de Jesus, obviamente).

REFUTANDO O PACIFISMO (HERESIA DIABÓLICA):

“No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do Diabo; porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes”. (Efésios 6:10-13)

A luta da Igreja é a Guerra Espiritual (Efésios 6) e a luta do Estado é a Guerra Física (Romanos 13). O Estado não pode ter uma igreja; e a Igreja não pode ter uma milícia. Paulo não era pacifista, pois ele é o autor de ambas as Cartas. Paulo defendia tanto o combate físico quanto o combate espiritual. O autor de Efésios 6 é também o autor de Romanos 13. Seria muito incoerente Paulo pregar o Pacifismo em Efésios 6 e depois pregar a Guerra Justa e a punição de criminosos em Romanos 13. Existem duas guerras que os cristãos devem lutar, a Guerra Física e a Guerra Espiritual. O Estado, que tem o poder da espada (Machaira), só deve se engajar na luta física. A Igreja (instituição religiosa) só deve se engajar na luta espiritual. Satanás, o Diabo, também atua usando os bandidos e os terroristas para fazer o mal. Paulo nunca pregou o Pacifismo, ou seja, a omissão diante do mal, mas apenas ensinou que a luta da Igreja é a Batalha Espiritual (Efésios 6), mas isso não invalida a luta do Estado, a Batalha Física (Romanos 13). Tanto os guerreiros da Igreja quanto os guerreiros do Estado são ministros de Deus.

“Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas;”. (2 Coríntios 10:3-4)

Esse trecho da Bíblia é muito deturpado pelos “cristãos” pacifistas, pois o verdadeiro contexto não se refere às armas bélicas (serviço militar), mas, sim, a capacidade humana e as vãs filosofias (conhecimento humano). Os cristãos, servos de Deus, para poderem combater os Anjos do Inferno e as heresias dos falsos profetas precisam das armas espirituais dadas por Deus, pois eles são incapazes de vencer Satanás e os seus demônios sozinhos. Para se combater os falsos ensinos e as heresias, os cristãos, precisam da sabedoria vinda de Deus e do poder de sua Palavra (a Bíblia). Em nenhum momento, Paulo, está pregando a omissão diante do mal. O Estado tem o poder da espada (Machaira) para reprimir os bandidos, terroristas e malfeitores. Assim, como a Igreja não pode ter uma milícia, o Estado não pode ter uma igreja. Cada ministro de Deus deve exercer a sua função, seja como guerreiro físico ou como guerreiro espiritual.

“Ouvistes que foi dito: Olho por olho e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;”. (Mateus 5:38-39)

Sobre se te baterem na "face direita" ter que oferecer a outra, isso é simbólico. Tanto arrancar o "olho direito" quanto cortar a "mão direita" também é simbólico. É óbvio que tudo isso é uma simbologia (Alegorismo). Jesus não está mandando ninguém ser saco de pancadas, mas apenas ensinou que a vingança é errada, mas em nenhum momento Ele condenou a legítima defesa ou a defesa pessoal. Para se bater na “face direita” é preciso bater com as “costas da mão”, se o agressor for destro (que é o mais comum). Esse tipo de agressão é conhecido como “tapa cortês”, ou seja, está se referindo a humilhação moral e não a agressão física. Esse trecho da Bíblia é muito deturpado para poder pregar à apatia e a omissão diante do mal. A obrigação dos fortes é defender os fracos e proteger os indefesos. Não é pecado se defender de agressões injustas e nem proteger as pessoas que ama.

“Então, Jesus lhe disse: Embainha a tua espada; pois todos os que lançam mão da espada, à espada perecerão”. (Mateus 26:52)

Quando Pedro cortou a "orelha direita" de Malco, Jesus não mandou Pedro jogar a espada fora, mas apenas para guardar a espada (Machaira). O próprio Jesus Cristo ordenou a Pedro comprar aquela espada (arma usada para matar mesmo). Se alguém viver atacando os outros acabará sendo atacado. Viver pela espada é viver praticando a violência por ser violento, e não se defender de agressões injustas. O apóstolo tentou impedir que a profecia sobre Jesus se cumprisse, por isso, houve essa repreensão de Cristo sobre o mau uso da espada (Jesus nunca condenou a defesa legítima e a correta justiça). A profecia não era para que Pedro salva-se Jesus; não era essa a profecia. O apóstolo Paulo ensinou que Deus estabeleceu o governo e de que o Estado tem o poder da espada (Machaira) para punir os malfeitores (algo concedido e autorizado por Deus).

“E saberá toda esta congregação que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do Senhor é a guerra, e ele vos entregará na nossa mão”. (Samuel 17:47)

Quando Davi afirmou que do Senhor é a guerra, ou seja, de que a batalha pertence ao Senhor, ele quis dizer que nós, guerreiros de Deus, seguidores de Cristo, devemos confiar no Deus de Israel e não em nossa própria força ou em armas bélicas. Entretanto, em nenhum momento, Davi hesitou lutar contra Golias por causa disso, porque ele confiava no Senhor dos Exércitos.

DEUS NUNCA CONDENOU JURAMENTOS MILITARES (O QUE A BÍBLIA ENSINA DE FATO SOBRE ISSO):

Sobre os juramentos (como o Juramento à Bandeira), Jesus Cristo não condenou totalmente os juramentos. O que Jesus condenou foi o juramento de homens que não têm palavra (pessoas mentirosas), e que precisam se garantir em juramentos para os outros acreditarem que eles estão falando a verdade. Algumas Confissões de Fé protestantes explicam bem sobre isso. Não há problema algum em fazer juramentos honrados em nome da paz, da justiça e do amor. Além dos militares, os médicos também fazem juramentos. O casamento também é um juramento de lealdade ao seu cônjuge.

O VERDADEIRO CONTEXTO DO SEXTO MANDAMENTO “NÃO MATARÁS” (NÃO ASSASSINARÁS):

O Mandamento “Não Matarás” em sua tradução correta é “Não Assassinarás”. Isso não implica em matar para se defender (legítima defesa) e a matar na guerra (soldados cumprindo com o seu dever). O Sexto Mandamento sempre se referiu ao assassinato criminoso e não a matar quando realmente há necessidade. O verbo hebraico “ratsach” usado nesse Mandamento no Antigo Testamento, e o verbo grego “foneuo” usado nesse Mandamento no Novo Testamento, sempre são usados para se referir ao assassinato criminoso, e nunca a legítima defesa e a pena capital (Machaira). Tanto o verbo hebraico “ratsach” quanto o verbo grego “foneuo” se referem ao homicídio ilícito. Portanto, matar para se defender ou para proteger alguém não é pecado. O Sexto Mandamento “Lo Tirsah” em hebraico e “Ou Foneuseis” em grego se refere ao assassinato e não a matar por uma causa justa. A violência deve ser usada enquanto uma contingência (para defesa própria ou para proteger os outros) e não como objetivo. Seria uma grande incoerência Deus mandar os hebreus matarem nas guerras sendo que Ele mesmo disse “Não Matarás” (Não Assassinarás), se no Sexto Mandamento Deus não se referisse somente ao homicídio criminoso (Deus não é bipolar). O guerreiro que não respeita a lâmina de sua espada (lâmina cortante, arma de fogo ou Bíblia) não é digno de sua espada. As armas do cristão só devem ser disparadas em nome da justiça. Não justiça para si mesmo, mas justiça para aqueles a quem o cristão jurou proteger. O cristão não deve usar a sua arma (Machaira) por motivos ou razões pessoais, mas apenas para promover a justiça e a paz. Matar sem nenhum fundamento moral não é nada além de assassinato. Matar por uma causa justa é apenas justiça. Portanto, o cristão só deve usar os seus punhos e suas armas em prol da justiça (para defesa própria e proteção dos outros).

A VERDADE SOBRE O ENSINAMENTO “OLHO POR OLHO E DENTE POR DENTE” (O QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA):

As pessoas tem uma “visão” distorcida sobre o ensinamento “olho por olho e dente por dente”. Em primeiro lugar, esse ensinamento nunca foi sobre ódio e vingança. O verdadeiro ensinamento sobre “olho por olho e dente por dente” nunca foi um incentivo a vingança, ao ódio ou a retaliação, mas, pelo contrário, era justamente para que os criminosos (bandidos e malfeitores) fossem punidos de uma forma justa, e não de uma maneira exagerada. Em segundo lugar, o próprio Moisés ensinou que devemos amar os nossos inimigos e que a vingança pertence a Deus. Há diferença entre vingança e justiça. Em terceiro lugar, os criminosos, bandidos, corruptos e malfeitores devem mesmo ser punidos severamente, mas dentro da legalidade (dentro da lei). A vingança pertence a Deus e a justiça deve ser aplicada somente pelas autoridades legalmente constituídas (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17).

JESUS E O PORTE DE ARMA (AS DUAS ESPADAS):

“E disse-lhes: Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos porventura alguma coisa? Eles responderam: Nada.
Disse-lhes, pois: Mas agora, aquele que tiver bolsa, tome-a, como também o alforje; e, o que não tem espada, venda a sua capa e compre-a; Porquanto vos digo que importa que em mim se cumpra aquilo que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Porque o que está escrito de mim terá cumprimento.
E eles disseram: Senhor, eis aqui duas espadas. E ele lhes disse: Basta”. (Lucas 22:35-38)

Seria muito incoerente a Bíblia ensinar em (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17) que as autoridades tem o dever e a obrigação de castigar os malfeitores, se o próprio Jesus fosse um “pacifista”. Muitos alegam que Jesus usou uma figura de linguagem e que os discípulos não entenderam que quando Cristo mandou comprar espadas, Ele se referia a Palavra de Deus. A palavra grega “Rikkannon” usada na Bíblia original para “basta” significa bastante ou suficiente, ou seja, quando Jesus disse “basta”, eles quis dizer que duas espadas eram o suficiente. A palavra grega “Rikkannon” é sempre usada para se referir a uma quantia suficiente ou bastante. Esse trecho da Bíblia deixa bem claro que Cristo realmente ordenou aos seus discípulos para que eles comprassem armas (espadas). Quando Pedro cortou a orelha de Malco, Jesus repreendeu o mau uso da espada, e não o seu porte em si. Cristo mandou Pedro guardar a espada, e não jogá-la fora. A espada mencionada em Romanos 13 é escrita em grego “Machaira”, que era uma espada usada para executar criminosos perigosos e para se combater nas guerras. O Pacifismo é antibíblico, pois a Bíblia nunca ensinou tal ideologia.

O MITO DE QUE TODOS OS CRISTÃOS PRIMITIVOS ERAM CONTRA A GUERRA JUSTA E O SERVIÇO MILITAR (OS SANTOS DA CASA DE CÉSAR):

“Quero ainda, irmãos, cientificar-vos de que as cousas que me aconteceram têm antes contribuído para o progresso do Evangelho; de maneira que as minhas cadeias, em Cristo, se tornaram conhecidas de toda a Guarda Pretoriana e de todos os demais; e a maioria dos irmãos, estimulados no Senhor por minhas algemas, ousam falar com mais desassombro a Palavra de Deus”. (Filipenses 1:12-14)

Esse mito (mentira diabólica) de que os cristãos primitivos eram contra o Estado e as autoridades não está de acordo com a Bíblia. Os apóstolos, Paulo (Romanos 13:1-7) e Pedro (1 Pedro 2:13-17), e também João Batista (Lucas 3:14) reconheciam que é necessária a existência das autoridades governamentais e de que não é errado combater (lutar mesmo). O centurião Cornélio foi batizado ainda sendo um oficial romano. O Carcereiro de Filipos permaneceu em sua profissão (portando a sua espada), porque foi esse carcereiro que libertou Paulo e Silas no dia seguinte após a sua conversão. Os reis, Abgaro de Edessa da Síria e Polímio da Armênia, eram reis cristãos (do primeiro século). Os cônsules, Mânio Acílio Glabrio e Tito Flávio Clemente, ocuparam cargos públicos durante o século I. O procônsul Lúcio Sérgio Paulo (ou Quinto Sérgio Paulo) governou Chipre durante três anos enquanto era um cristão. Paulo se refere aos guardas pretorianos que evangelizou como “santos e irmãos”, ou seja, isso indica que os Santos da Casa de César (Filipenses 4:22) eram mesmo esses guardas pretorianos que se converteram ao Cristianismo. Os Pais da Igreja, Clemente de Alexandria, Ireneu de Lyon e Eusébio de Cesaréia defendiam abertamente o serviço militar e a Guerra Justa. Essas são provas inquestionáveis.

Segundo Agostinho de Hipona, o maior teólogo da Igreja, não há problema nenhum em um cristão trabalhar no governo e nem em participar de uma Guerra Justa se for para promover a justiça. Nós, protestantes, não devemos ser pacifistas hipócritas antissociais que se desligam da realidade, mas devemos fazer a diferença em todos os setores da sociedade dando bom testemunho.

NUNCA PERCA A SUA INTEGRIDADE (FAÇA A DIFERENÇA, SEJA A DIFERENÇA):

“Quando os jovens tentarem ser como você. Quando os preguiçosos se incomodarem com você. Quando os poderosos olharem por cima dos ombros para você. Quando os covardes tramarem nas suas costas. Quando os corruptos desejarem que você desapareça e os bandidos desejarem você morto; somente aí, você terá feito a sua parte”. (Phil Messina)

O verdadeiro contexto de (Romanos 13:1-7) é justamente esse, o trabalho da Polícia no combate ao crime. Deus nunca foi e nem será pacifista. Os “cristãos” banalizaram e vulgarizaram “a paz, o amor e o perdão”. No primeiro século, no Império Romano, quem fazia o trabalho da Polícia atual, era o Exército (a Polícia é uma instituição do Estado Moderno). Hoje, a Segurança Privada é uma extensão da Segurança Pública. Os apóstolos, Pedro e Paulo, legitimaram o uso da força bruta e de armas letais para se combater o crime e para castigar os malfeitores (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17). O grande profeta, João Batista, que segundo o próprio Cristo, foi o maior profeta que já existiu, quando batizou alguns soldados, ele incentivou os militares a continuarem sendo combatentes, portanto, que esses guerreiros fossem honestos e justos (Lucas 3:14). O amor não folga com a injustiça, mas defende a verdade. O marido tem o dever e a obrigação de honrar e proteger a sua esposa. Os pais têm a obrigação e o dever de cuidar e de proteger os seus filhos. A obrigação daqueles que tem poder é salvar aqueles que não tem poder. O Estado (Romanos 13:1-7) tem a autorização de Deus para usar a espada (Machaira) para combater os malfeitores e corruptos, porque o dever do governo é louvar e proteger os bons, ou seja, os cidadãos de bem.

AS TRÊS REGRAS BÁSICAS DE SEGURANÇA (O CORRETO MANUSEIO COM AS ARMAS DE FOGO):

As três regras básicas de segurança para o correto manuseio com armas de fogo são estas. Primeiro, o atirador sempre deve deixar o dedo fora do gatilho para evitar que o gatilho seja acionado por acidente e ferir algum inocente. Só se deve colocar o dedo no gatilho quando você estiver preparado para disparar. Segundo, o atirador deve tratar toda arma como se esta arma estivesse carregada, portanto, sempre verifique (verifique sempre) se a arma está carregada ou não. Terceiro, nunca aponte o cano da arma para ninguém (a não ser que seja para um bandido ou um terrorista), para evitar acertar algum disparo acidental em alguma pessoa inocente. Sempre, aponte o cano da arma para algum local seguro e nunca mire em algo que você não tenha a intenção de destruir.

O BÁSICO DA ESTRATÉGIA MILITAR:

Você sempre deve conhecer o terreno do seu inimigo. Procure explorar as fraquezas de seu adversário. Procure destruir a economia (riquezas) de seus adversários (o dinheiro, a renda de organizações criminosas ou de exércitos inimigos). A ira entorpece a sua espada, portanto, nunca ataque com raiva (tenha técnica). Seja estratégico. Seja tático. A coragem é forjada no campo de batalha. Adquirindo experiência nas pelejas, você melhora os seus reflexos e aguça os seus sentidos. Os cangaceiros tinham vantagem sobre os policiais e soldados, porque conheciam a caatinga. Os vietnamitas tinham vantagem sobre os militares norte-americanos, porque conheciam a sua terra natal como ninguém. Os soldados norte-americanos somente conseguiram derrotar o Talibã, porque tiveram a ajuda dos combatentes da Aliança do Norte (que conheciam a região e o território). O básico da estratégia militar é sempre eliminar os líderes primeiro para que os seus subordinados fiquem confusos e comecem a disputar pelo poder. Cortar a luz elétrica e as linhas telefônicas para que os seus inimigos fiquem sem comunicação e desorientados na escuridão. Antecipe os passos de seu inimigo. Coloque-se em seu lugar para pensar exatamente como ele, porque assim você saberá qual será o seu próximo ataque. Cerque seus inimigos, destrua as suas plantações e os privem de água e de alimento, assim, você terá mais probabilidade de derrotá-los. O opressor só respeita a força que é maior do que a dele. Os violentos só conhecem a linguagem da violência. Negociar e argumentar com estupradores, torturadores e assassinos cruéis é perda de tempo, porque eles nem se darão ao trabalho de te ouvir. A resposta tem que ser rápida. O disparo tem que ser certeiro. Tenha foco de tiro. Use o fator surpresa, pois assim você surpreenderá o seu inimigo. Nunca implore por sua vida ou por misericórdia, pois isso apenas aumentará a sensação de poder e atiçará o sadismo dos malfeitores. Você escolhe se quer ser vítima ou inimigo dos bandidos. Você escolhe se quer ser vítima ou inimigo dos opressores. Você escolhe se quer ser vítima ou inimigo dos malfeitores. Você escolhe se quer ser apenas uma vítima indefesa ou um inimigo a altura.


CÓDIGO DO GUERREIRO (A HONRA DA GUERRA):

“A consciência de uma alma justa se firma na busca constante em livrar da opressão as almas injustiçadas”.
(Anísio Ferreira Souza)

O mal sempre existirá neste mundo decaído, mas, mesmo, assim, os homens bons sempre devem estar prontos para combatê-lo. Quando os bons se omitem, os maus vencem. O Pacifismo é diabólico, porque a omissão também é pecado. Deus abomina a injustiça, a impunidade e a opressão. Quando os homens se omitem em situações de injustiça, eles escolhem o lado do opressor. Assim, como os militares e policiais honestos combatem os bandidos do Crime Organizado. Assim, como os Yazidis e Peshmergas combatem os terroristas do EI (Estado Islâmico), nós, cristãos, e demais homens bons, devemos estar dispostos a viver e a morrer combatendo o mal. Quando uma organização criminosa ou terrorista é derrotada e destruída, assim, como um reino ou governo opressor é destituído do poder, outra organização ou outro governo, inescrupulosos, pode ocupar o seu lugar. É, por isso, que sempre quando as forças do mal se levantarem para oprimir e escravizar, os heróis devem surgir, para combater a maldade até o último suspiro de suas vidas. Onde houver repressão, haverá resistência. A resistência contra a injustiça, à impunidade e a opressão.

"Covarde não é aquele que evita um combate, covarde é aquele que mesmo sabendo que é superior luta e fere o mais fraco". (Bruce Lee)

Na cultura das tribos indígenas que praticavam a antropofagia (canibalismo), esses índios não devoravam as pessoas, porque passavam fome, mas, sim, era um ritual de guerra. Na verdade, era uma honra para os guerreiros inimigos serem devorados por esses indígenas, porque esses “índios canibais” somente devoravam os guerreiros que eles admiravam e respeitavam, porque acreditavam que os comendo (principalmente, o coração) ganhariam a sua força, sua coragem e suas habilidades. Nos filmes do “Predador”, os Predadores somente caçam e matam os inimigos que eles respeitam e admiram. Os Predadores somente atacam aqueles que estão armados e que tem algum treinamento militar. O Predador é um caçador, e onde faz muito calor e há conflitos armados, ele estará lá. Para o Predador, arrancar o crânio e a espinha dorsal de seu inimigo, é uma forma de respeitar o seu adversário, pois o Predador somente faz esse ritual com os oponentes que ele considera verdadeiros desafios. Até na cultura da guerra e das batalhas, se encontra honra. Os verdadeiros guerreiros não atacam os mais fracos e indefesos, mas, sim, eles querem enfrentar e combater inimigos que sejam verdadeiros desafios, ou seja, inimigos que estejam a sua altura. Isso é ser um guerreiro de verdade.


CONCLUSÃO:

"A coragem é contagiosa. Quando um homem valente permanece firme, os outros também endurecem.” (Billy Graham)

A luta de Romanos 13 é a Guerra Física e a luta de Efésios 6 é a Guerra Espiritual. Assim, como o Estado não pode ter uma igreja, a Igreja não pode ter uma milícia. O Estado deve se dedicar a luta militar e a Igreja deve se dedicar a luta espiritual. Os Adoradores do Diabo além de lutar fisicamente, também invocam exércitos espirituais contra aqueles que os atrapalham. A luta militar é função dos agentes do Estado, mas a luta espiritual é função da Igreja. Os agentes do Estado (que também são ministros de Deus) devem usar e combater com armas bélicas sim, mas os ministros da Igreja devem lutar e combater no campo da oração. O mesmo autor de Efésios 6, também é o autor de Romanos 13. Efésios 6 não invalida Romanos 13. Simplesmente, Romanos 13 retrata a luta do Estado (luta militar) e Efésios 6 retrata a luta da Igreja (luta espiritual).

AUTOR: Filipe Levi Viasoni da Silva, historiador e professor de História.

O PRINCIPAL MINISTÉRIO DO HOMEM


No meio evangélico, o casamento foi banalizado a uma simples licença para transar. Ou seja, os crentes só casam para fazer sexo e depois se divorciam na primeira crise, porque se casaram pela motivação errada. É óbvio que o tesão, o prazer sexual é de Deus, e não do Diabo (como é pregado desde a Igreja Primitiva por muitos Pais da Igreja). Deus criou a sexualidade e o sexo, e não Satanás. Mas, casamento não se resume só a isso. Casamento, segundo a Bíblia, não é só para compartilhar uma paixão emocional ou para se satisfazer sexualmente, mas é para compartilhar uma missão, um ministério. O principal ministério do homem é a sua mulher. O marido deve tratar a sua esposa com dignidade e respeito, ele deve honrar a sua mulher. O marido deve amar a sua esposa como Cristo amou a Igreja, dando a sua própria vida por ela. O principal ministério do marido é a sua esposa. (Filipe Levi)

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

DESCONSTRUINDO AS MENTIRAS DE SATANÁS (AS TRADIÇÕES SATÂNICAS DO CRISTIANISMO)



Filipe Levi 11/11/19
DESCONSTRUINDO AS MENTIRAS DE SATANÁS (AS TRADIÇÕES SATÂNICAS DO CRISTIANISMO)



INTRODUÇÃO:

Desde o primeiro século, durante o Cristianismo Primitivo, algumas mentiras diabólicas foram introduzidas na Igreja Cristã. Construções ideológicas muito bem trabalhadas e construídas por Satanás, o Diabo, assombram a Igreja de Cristo desde tempos remotos. O Pacifismo, a repressão sexual e o Antissemitismo são as maiores mentiras do Diabo que se enraizaram e fizeram morada nos alicerces da Igreja, assim, deteriorando e corrompendo o Cristianismo. Existem muitas distorções de versículos das Escrituras sendo usados fora de seus verdadeiros contextos que se tornaram em doutrinas de demônios, mas me atentarem somente ao Pacifismo, a repressão sexual e o Antissemitismo.

AS HERESIAS DOS PRIMEIROS CRISTÃOS (A IGREJA PRIMITIVA NÃO ERA PERFEITA E TAMBÉM COMETEU ERROS):

Desde o século I, a Igreja Cristã se envolveu com a hipocrisia e os cristãos primitivos pregavam ensinamentos que Jesus e seus apóstolos nunca pregaram, como, por exemplo, a demonização das autoridades governamentais, o Antissemitismo e a satanização da sexualidade e do sexo. Os cristãos e os hebreus não se davam bem e se odiavam, e a maioria dos seguidores de Cristo não se alistava no Exército e nem ocupava cargos públicos, pois acreditava que as instituições humanas eram demoníacas. O apóstolo Paulo disse que as autoridades governamentais são instituídas (estabelecidas, colocadas no poder) por Deus e que são ministros de Deus para castigar os malfeitores e louvar os cidadãos de bem (Romanos 13:1-7), mas os “cristãos pacifistas” ignoraram isso descaradamente. Pedro ensinou exatamente a mesma coisa (1 Pedro 2:13-17). João Batista apoiava o serviço militar, portanto, que os soldados exercessem a sua função e dever com honestidade (Lucas 3:14). O próprio Jesus reconheceu que a autoridade que Pilatos tinha fora concedida por Deus, e Ele mesmo ensinou que é para dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.

A Igreja Primitiva se auto-intitulava “Ekklesia”, e esse nome em sua origem significava “assembléia popular”, formada por cidadãos, que se reuniam para discutir sobre política, em Atenas, na Grécia. O apóstolo Paulo constantemente usava o serviço militar como bom exemplo para a vida cristã. Então, será mesmo que as autoridades constituídas são do Diabo ou elas foram instituídas por Deus como as Escrituras Sagradas ensinam?

AS HERESIAS DOS PAIS DA IGREJA:

Agora, eu contarei os podres de alguns “santos” Pais da Igreja, homens que se diziam “ungidos de Deus”, mas que pregavam heresias.

Tertuliano de Cartago no começo realmente combatia ensinamentos heréticos, e em seu livro “APOLOGÉTICUM”, ele usava como bons exemplos os cristãos que eram soldados e políticos; mas, quando Tertuliano aderiu uma seita chamada Montanismo (a seita do “ungido” do Montano), ele passou a endiabrar as autoridades instituídas pelo próprio Deus e a satanizar o casamento, a sexualidade e o sexo, e até escreveu um livro chamado “A COROA DOS MILITARES” em que o Exército é demonizado. Os montanistas, assim, como os gnósticos (Gnosticismo), satanizavam o casamento e o serviço militar, sem nenhum embasamento bíblico sequer.

Hipólito de Roma era um encrenqueiro que caluniava todo mundo e ele criou uma lista ridícula de profissões proibidas em que certos ofícios eram endiabrados. Em sua “lista santa” os cristãos que exerciam cargos nas Forças Armadas, no magistrado civil, ou na política tinham que ser expulsos das igrejas, porque exerciam profissões profanas. Eu gostaria de saber onde esse “santo” viu isso na Bíblia ou será que ele teve uma revelação extra-bíblica? Os apóstolos, Pedro e Paulo, discordariam do Hipólito (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17).

Orígenes de Alexandria acreditava na reencarnação e no Universalismo (teoria em que até Satanás e seus demônios serão salvos). Apesar dele não concordar com as guerras que o Império Romano promovia, ele não endiabrava o serviço militar em si, mas esse “santo” também cometeu a burrice de satanizar a sexualidade e o sexo, porque ele chegou ao ponto insano de se castrar (cortar a piroca fora mesmo).

Cipriano de Cartago ensinava que o Diabo é o pai dos judeus e era outro que também adorava demonizar as autoridades constituídas. Ele odiava os hebreus como muitos outros Pais da Igreja também odiavam. Se os judeus não prestam, então, Jesus não devia prestar, pois Ele também era judeu. Sem contar, que o “santo e ungido” do Cipriano também pregava que quem salva é a Igreja e não o sacrifício de Jesus. Quanta incoerência!

Lactâncio era apologista do imperador Constantino, porém, foi outro que também endiabrou o Exército, algo que eu acho um tremendo absurdo, porque na sua época o culto imperial foi abolido e o próprio Constantino era simpatizante do Cristianismo, portanto, não havia mais perseguições e nem práticas idolátricas no serviço militar.

Inácio de Antioquia foi o precursor do louvor pelo martírio (até antes de Montano). Esse Pai da Igreja rejeitou a oportunidade de ser salvo de seu martírio preferindo ser devorado vivo por leões. Um dos maiores erros da Igreja Primitiva foi esse louvor insano e bizarro pelo martírio. Os cristãos de hoje costumam enxergar e exaltar os erros dos primeiros cristãos como se fossem acertos.

Clemente de Roma, ou Clemente Romano, ensinou os cristãos a orarem e intercederem pelos governantes e elogiou o trabalho dos soldados (algo realmente muito louvável da parte dele). Porém, Clemente de Roma cometeu o erro de exaltar a virgindade (pureza sexual) mais do que o casamento (para Clemente quem era virgem era mais “santo” do que quem era casado). Eu até acredito que a sua intenção foi boa ao ensinar isso, mas isso resultou no que seria mais para frente na satanização da sexualidade e do sexo na Igreja. 

A IGREJA CRISTÃ E O PRAZER SEXUAL (O CRISTIANISMO E O SEXO):

“As curvas dos seus quadris são como jóias, são trabalhos de um artista... Você é tão graciosa como uma palmeira; os seus seios são como cedros e tâmaras. Vou subir na palmeira e colher os seus frutos. Os seus seios são para mim cachos de uvas. A sua boca têm o perfume das maçãs, e os seus beijos são como vinho delicioso”. (Cantares 7:1-9)


“A Igreja Cristã tem problemas com a área sexual, mesmo quando o assunto é tratado na esfera conjugal, porque desde os Pais da Igreja (líderes cristãos dos primeiros séculos) o ensino eclesiástico associou a vida sexual ao pecado. Muitos Pais da Igreja, nos primeiros séculos (e mesmo mais tarde na época medieval) se equivocaram e imprimiram nos cristãos uma intensa culpa. Para eles, o sexo era uma força infernal que se opunha à busca pela santidade. Por isso, boa parte da liderança pastoral pregou abertamente uma conduta de vida contrária ao prazer sexual. Quanto menos sexo, mais santo se era. Logo, as pessoas mais virtuosas e santas eram as castas. Quem espontaneamente decidia não se casar era vista como uma santa alma cristã, alguém que se dedicou a buscar a Deus, e não os seus desejos próprios, alguém que abriu mão de suas paixões para viver para Deus. Por isso, os bons religiosos da época mantinham-se castos. Por isso, também, as prostitutas eram vistas como o último degrau de uma vida pecaminosa; ninguém estava mais abaixo delas na escala do afastamento de Deus”. (Samuel Costa)

O maior tabu de toda a História do Cristianismo que assola a Igreja de Cristo é a sexualidade, ou seja, o sexo. Quero já avisar que serei extremamente sincero e claro no que eu irei escrever. Se você é um daqueles religiosos tapados que adoram ver o Diabo em todo o lugar, nem se dê ao trabalho de ler este artigo. Tentarei ser justo e correto nos meus argumentos.

O JESUS HISTÓRICO, O JESUS DA BÍBLIA (O VERDADEIRO JESUS):

O próprio Jesus (O AMIGO DOS PECADORES) disse que os publicanos e as prostitutas eram mais dignos do Céu do que os fariseus (religiosos hipócritas e falsos moralistas). Cristo está mais próximo da prostituta que sabe que é pecadora do que do religioso que pensa que é “santo” e vive “arrotando santidade”. O Catolicismo da Idade Média reprimiu demais a sexualidade dos cristãos, mas na verdade, esse erro herético, isto é, essa distorção das Escrituras, começou na época da Igreja Primitiva. Os primeiros cristãos se tornaram naquilo que Jesus sempre combateu, em religiosos hipócritas e legalistas que cobravam uma “santidade” dos outros que o próprio Deus nunca cobrou de ninguém.

A INFLUÊNCIA DA FILOSOFIA GREGA NO CRISTIANISMO PRIMITIVO:

Por causa da influência das filosofias gregas, como, por exemplo, o Estoicismo (Zenão) e o Platonismo (Platão), muitos Pais da Igreja (que eram filósofos) passaram a demonizar a sexualidade, pregando que o sexo deve ser praticado apenas para a procriação. Serei justo nos meus argumentos. O lado positivo da filosofia grega ter sido introduzida no Cristianismo Primitivo é que os primeiros cristãos passaram a enxergar o Estado (Romanos 13:1-7) e a prática do esporte com bons olhos. Devido a uma má interpretação das Escrituras, os cristãos primitivos começaram a endiabrar o serviço militar (Lucas 3:14), a política (Daniel 2:20-21 e Daniel 5:20-21) e a prática de esportes (coisas que a Bíblia, a Palavra de Deus, nunca condenou, pelo contrário, o apóstolo Paulo sempre se referiu ao serviço militar e aos esportes como bons exemplos a serem seguidos pelos cristãos na sua vida cristã).

A SATANIZAÇÃO DA SEXUALIDADE NA IGREJA CRISTÃ:

“Conquanto os Pais da Igreja buscassem consagração a todo custo, tiveram uma visão equivocada a respeito da santidade sexual. Aliás, a vida sexual na perspectiva patrística, em si mesma era um pecado diante de Deus. Para boa parte dos líderes cristãos dos primeiros séculos da Era Cristã, o sexo era entendido como uma afronta a Deus”.

“A atitude imperativa da Igreja durante toda a Idade Média era de que o amor sexual era mau em si mesmo, e não diminuía a sua malignidade, mesmo quando usufruído pelos cônjuges no casamento. Nos primeiros séculos da Igreja Cristã, a tendência anti-sexual e anticonjugal pregada por alguns líderes foi se tornando tão crescente que o imperador Domiciano Cesar decretou ser crime aqueles que defendessem a antisexualização da pessoa. Mais tarde, o imperador Adriano estendenderia essa proibição também aos que voluntariamente concordavam em ser castrados. Estes seriam punidos com a pena de morte, bem como os médicos que fizessem esse tipo de operação mutilatória. Mesmo assim, Orígenes de Alexandria, alguns anos mais tarde, tomou o texto de Mateus 19.12 tão literalmente que se castrou antes de ser ordenado, acreditando que a extirpação de seu órgão genital eliminaria o desejo sexual e, consequentemente, as tentações que o afligiam nessa área”.

“Tertuliano de Cartago, considerado o Pai da Igreja latina, declarava sua repulsa ao sexo feminino ao afirmar que a mulher era a causa de toda a derrota humana e, como tal, deveria ser frontalmente combatida. Para ele, a mulher era a responsável pela queda em pecado”.

“Vós sois a porta do Demônio; vós sois quem rompeu o lacre daquela árvore (proibida); vós sois a primeira desertora da lei divina; vós sois quem persuadiu aquele que o Diabo não era bastante valente para atacar. Vós destruístes muito facilmente a imagem de Deus, o homem. Em virtude da vossa deserção – isto é a morte – até mesmo o Filho de Deus teve de morrer”. (Samuel Costa)

No Concílio de Nicéia, em 325, os bispos (líderes da Igreja Cristã) tiveram que proibir os cristãos de se castrarem por causa da satanização da sexualidade no meio da Igreja. Séculos depois, por causa de um erro de tradução da Bíblia, na Igreja Russa, os cristãos russos passaram a se castrar quando se convertiam, porque confundiram o Cristo, o Redentor, com o Cristo, o Castrador.

Clemente de Alexandria é um dos Pais da Igreja que eu mais admiro, pois concordo com quase tudo o que ele ensinava. Tito Flávio Clemente foi um grande filósofo e também um grande teólogo do século II. Clemente de Alexandria defendia a prática de esportes entre os cristãos, pois ele considerava os esportes muito úteis para cuidar da saúde física, mental e espiritual dos cristãos. Clemente também era totalmente a favor do serviço militar (Lucas 3:14) e ensinava que todos os cristãos tinham o dever cívico de pagarem os seus tributos e impostos. Porém, ele demonizava a sexualidade devido à influência negativa da filosofia grega.

Outros Pais da Igreja, como Agostinho de Hipona, Ambrósio de Milão, Jerônimo de Strídon e outros Doutores, também tinham uma imagem negativa da sexualidade devido à má influência da filosofia grega. Agostinho levava uma vida devassa e promiscua antes de se converter, e isso também explica a sua repulsa pela sexualidade. Ele abominava tudo o que lembrasse o seu passado pecaminoso e depravado. Os Doutores da Igreja além de teólogos costumavam também a estudar a filosofia. Veja bem, eu não estou dizendo que a filosofia grega não presta, não é isso. Mas, apenas me refiro ao lado negativo da filosofia que influenciou o Cristianismo em relação à sexualidade dos cristãos. Como já falei, a filosofia além de abrir os olhos dos cristãos sobre o Estado (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17) e o esporte, também ajudou nas apologias.

OS ERROS DAS IGREJAS, CATÓLICA E EVANGÉLICA, EM RELAÇÃO À ÁREA SEXUAL:

A Igreja Católica sempre demonizou o sexo, dizendo que sentir prazer sexual é coisa do Demônio. A repressão sexual é algo realmente extremamente diabólico, porque se existem padres pedófilos (que abusam sexualmente dos coroinhas em Nome de Deus) e pastores adúlteros (que estupram as irmãs evangélicas em Nome de Deus), é porque há muita repressão na sexualidade dos cristãos. A Igreja Católica sempre pregou que o sexo é somente para a procriação, e que é um pecado hediondo sentir prazer no ato sexual. Muitas igrejas evangélicas pregam esse mesmo absurdo. Os cristãos precisam entender que o sexo é uma coisa de Deus, e não do Diabo. Realmente, a vontade de Deus é que os seus servos transem apenas depois do casamento, mas se por acaso os cristãos caírem em tentação, eles não perderão a Salvação, e nem serão desprezados por Deus por causa disso. Os cristãos precisam aprender a não confundir conversão com o medo de irem para o Inferno. Os evangélicos precisam entender de uma vez por todas que a Salvação é pela Graça, e não pelas obras. Com certeza, há as conseqüências do pecado, mas isso não significa que se o cristão cair em pecado ele será excluído da Graça de Deus. A propósito, a Bíblia fala bem do beijo, portanto, beijar não é pecado. A Palavra de Deus identifica o beijo como uma coisa e o sexo como outra coisa. Isso deixa claro que a Palavra de Deus nunca ensinou e nem afirmou que beijar na boca antes do casamento é fornicação ou algo parecido (portanto, que o homem beije na boca a mulher com quem ele pretende se casar). Se um homem namora uma mulher com quem ele não pretende se casar, então, esse homem está namorando a mulher de outro homem.

A Igreja Católica também demoniza a camisinha e as pílulas anticoncepcionais, afirmando também que o sexo é somente para a reprodução. Não há pecado algum os casais (pessoas realmente casadas) usarem camisinhas ou pílulas anticoncepcionais, porque o sexo pode ser apenas para o prazer. Os cristãos não são obrigados a terem filhos, porque os casais têm a benção de Deus para se satisfazerem somente sexualmente se quiserem.

Outro tabu é a masturbação, porque muitos cristãos usam versículos bíblicos fora de contexto para demonizarem a atração e o desejo sexual. A masturbação é apenas uma válvula de escape para evitar coisa pior (melhor é se masturbar do que abusar sexualmente dos outros às escondidas). Não enxergo mais a masturbação como algo do Demônio, mas isso é apenas algo normal entre os jovens. O casal de noivos do Livro de Cantares (Cântico dos Cânticos) tinham fantasias sexuais um com o outro (detalhe, antes, mesmo, de eles se casarem).

“Veio mais a mim a palavra do SENHOR, dizendo:
Filho do homem, houve duas mulheres, filhas de uma mesma mãe.
Estas se prostituíram no Egito; prostituíram-se na sua mocidade; ali foram apertados os seus seios, e ali foram apalpados os seios da sua virgindade”. (Ezequiel 23:1-3)

No contexto do Antigo Testamento, a prostituição, geralmente, era associada à idolatria e a feitiçaria, e não a promiscuidade sexual. A Bíblia aconselha os casais (que ainda não são casados) a evitarem tocar nas partes íntimas, porque isso também é considerado prostituição segundo a Bíblia. Claro, que se algum cristão cometer esse erro (cair em tentação) ele não perderá a Salvação por causa disso (a Salvação é pela Graça e não pelas obras, mas parece que até hoje os evangélicos ainda não aprenderam isso). Se o crente quiser fazer a vontade de Deus, ele deve respeitar o seu conjugue até o casamento. Se o que sustenta o seu namoro é o pecado, provavelmente, será o pecado também que sustentará o seu casamento.

Inúmeros cristãos demonizam o sexo oral e o sexo anal inventando coisas que não têm na Bíblia. Eu desafio os cristãos que demonizam esses atos sexuais a me mostrarem na Palavra de Deus onde esses atos sexuais são coisas do Diabo. O que a Bíblia ensina é que o sexo deve ser feito depois do casamento entre um homem e uma mulher, mas a Palavra de Deus em nenhum lugar especifica como isso deve ser feito. Na Bíblia não existe um manual do que os homens e as mulheres podem fazer ou não depois do casamento. Acho muito feio os cristãos colocarem palavras na boca de Deus, coisas que Deus nunca disse. Eu, particularmente, não tenho interesse no sexo oral e no sexo anal, mas se eu estiver casado e a minha esposa desejar praticar esses atos sexuais, eu a satisfarei com o maior prazer. Só para esclarecer uma coisa aos fariseus legalistas, Sodomia é sexo anal entre dois homens, e não entre um homem e uma mulher. A Bíblia também em nem um versículo sequer proíbe o sexo oral.

“Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: Qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração já adulterou com ela. Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no Inferno. E se a tua mão direita te faz tropeçar; corta-a e lança-a de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros e não vá todo o teu corpo para o Inferno”. (Mateus 5:27-30)

Em relação à mentira diabólica e satânica de que sentir tesão e atração física é pecado, não é sobre isso o que Jesus disse. Cristo não se referiu a sentir atração física e nem tesão. Sentir atração física e tesão é bem diferente de olhar impuramente.

Sobre cortar a mão direita e arrancar o olho direito, é exatamente como “se te baterem na face direita ter que oferecer a outra” é puro simbolismo (Alegorismo). Cristo não falou para os cristãos se mutilarem e nem para serem sacos de pancadas dos outros.

OS DEVERES DOS MARIDOS E DOS PAIS (O SENTIDO BÍBLICO DE LIDERANÇA É SERVIR):

“As mulheres sejam submissas a seus próprios maridos, como ao Senhor; porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo Salvador do corpo. Como, porém, a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submissas a seus maridos. Maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem cousa semelhante, porém santa e sem defeito. Assim também os maridos devem amar as suas mulheres como a seus próprios corpos. Quem ama a sua esposa, a si mesmo se ama. Porque ninguém jamais odiou a sua própria carne, antes a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja, porque somos membros do seu corpo”. (Efésios 5:22-30)

A Bíblia sempre mostra os dois lados da história, isto é, a Palavra de Deus mostra as obrigações dos filhos e das esposas, mas também mostra as obrigações dos pais e dos maridos. (É incrível como os cristãos machistas e opressores não enxergam isso na Bíblia)!

A Palavra de Deus ensina que o marido deve respeitar e honrar a sua esposa (e não descer o cassete nela), portanto, o marido não deve dar porrada na sua mulher, mas, sim, tratá-la com bastante amor e carinho. O marido deve ser fiel e amoroso com sua esposa, porque essa é a vontade de Deus. A esposa não é escrava do marido (nem escrava sexual e nem empregada), menos ainda, saco de pancada. A obrigação do homem é cuidar da sua mulher e protegê-la, porque ela precisa de seu respeito e de seu amor. A mulher precisa de carinho e de proteção. A mulher é um tesouro que o marido deve honrar e proteger. Além de Paulo, Pedro, também ensinou que o marido deve tratar a sua esposa com dignidade e respeito, portanto, o marido deve honrar a sua mulher e tratá-la com muito amor.

“Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a Terra. E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor”. (Efésios 6:1-4)

A Bíblia também ensina que os pais devem cuidar dos seus filhos e protegê-los (não estuprá-los e espancá-los). Os pais tem a guarda dos filhos no sentido do cuidado e da proteção (e não no sentido do espancamento e da humilhação). Não é porque os filhos devem honrar pai e mãe, que os pais têm o direito de abusar sexualmente de seus filhos e de espancá-los. Os pais não devem provocar os filhos à ira, e nem usar como argumento o fato do dever dos filhos honrá-los para legitimar e justificar a opressão. Há diferença entre honrar os pais e lamber as botas do pai e da mãe. Como falei anteriormente, a Palavra de Deus sempre mostra os dois lados da história.

DEUS E O SEXO (A SEXUALIDADE E O PRAZER SEXUAL):

Na época da Reforma, com o Puritanismo, os protestantes continuaram com a tradição de demonizar a sexualidade, pois muitos puritanos (não todos) cometeram o mesmo erro que os cristãos primitivos e cristãos medievais, satanizar algo que é de Deus.

“Quando o assunto é casamento, o Espírito Santo nos diz nas Escrituras: "Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade, corça de amores e gazela graciosa. Saciem-te os seus seios em todo o tempo; e embriaga-te sempre com as suas carícias" (Provérbios 5.18-19). Observe que o saciar dos seios é "em todo o tempo" e o embriagar-se com as carícias deve ser realizado "sempre", e não uma vez ou outra. Deus é a favor do prazer sexual”.

“Que você e o seu amor, firmados numa aliança de casamento, se deliciem com os prazeres sexuais que Deus colocou à sua disposição. Não perca tempo: compartilhe seus desejos sexuais com o seu amor, diga ao seu cônjuge suas fantasias mais secretas, sejam cúmplices do prazer. Relacionem-se sexualmente com exclusividade e intensidade. O Senhor, certamente, abençoará a alegria realizada em sua cama. Vivam sob o prazeroso plano original de seu Criador”. (Samuel Costa)
Deus sempre foi a favor da sexualidade, porque o sexo é um presente de Deus para a humanidade. O Altíssimo sempre apoiará o prazer sexual, portanto, que tudo seja feito dentro da sua vontade. O sexo é de Deus.

A MULHER VIRTUOSA CONJUGA BELEZA COM CARÁTER (NÃO É PECADO SER BONITA):

"Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada".
(Provérbios 31:30)

Muitos cristãos distorcem o contexto desse versículo para pregar que homem gostar de mulher bonita é pecado, mas isso não é verdade. O verdadeiro contexto desse versículo conta que não adianta a mulher só ser bela e formosa e não ter caráter e não ser temente a Deus. Em várias partes da Bíblia, a beleza das mulheres é elogiada e exaltada. A Bíblia nunca pregou que homem gostar de mulher bonita é do Diabo, porque não é esse o contexto desse versículo. A mulher virtuosa conjuga beleza com caráter. A Sarah (esposa de Abraão), Raquel (esposa de Jacó), Azenate (esposa de José) e a Rainha Ester (esposa de Assuero) eram belas e formosas, e em nenhum momento a Bíblia recriminou a beleza dessas mulheres virtuosas e tementes a Deus.

SOBRE O COMBATE (A LEGÍTIMA DEFESA E A GUERRA JUSTA):

Os cristãos sempre tiveram esse “fetiche” pelo Pacifismo, como se ser a favor da paz ou ser pacificador tivesse algo a ver com essa ideologia diabólica e demoníaca. A Bíblia, a Palavra de Deus, nunca proibiu os cristãos de se defenderem e nem de protegerem as pessoas que ama. O Pacifismo é uma ideologia antibíblica e satânica que nunca esteve no Novo Testamento, mas que os cristãos, com esse seu “fetiche” doentio, sempre quiseram que estivesse na Bíblia.

OS AGENTES DO ESTADO (INSTRUMENTOS DA JUSTIÇA DE DEUS):

“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho. Dêem a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra”. (Romanos 13:1-7)

No Novo Testamento (Nova Aliança), o apóstolo Paulo ensinou, claramente, que as autoridades governamentais são estabelecidas por Deus (colocadas por Deus no poder) para punir os maus e louvar os bons. A função e o dever das autoridades legalmente constituídas é reprimir o mal e louvar o bem. O Estado tem o poder da espada para punir criminosos e malfeitores dentro de sua jurisdição, e também para defender a sua nação de invasores externos (homens maus) que ameacem a segurança de seu país. Paulo pregou, claramente, que os agentes do Estado (magistrados, governantes e soldados) são ministros de Deus, ou seja, estão a serviço de Deus para castigar os malfeitores e para proteger os cidadãos de bem. Deus não apenas permitiu as autoridades governamentais, mas as instituiu (colocou no poder) para fazer justiça. As autoridades legalmente constituídas são instituídas por Deus para reprimir o mal, ou seja, os magistrados, soldados e policiais são instrumentos da justiça de Deus. O sentido bíblico de liderança é “servir e proteger”. O governante deve servir ao seu povo. Os soldados e magistrados devem proteger os cidadãos de bem e reprimir o crime. A palavra usada para espada é “Machaira”, que é um símbolo da pena capital (espada que era usada para combater nas guerras e para executar criminosos perigosos). Paulo não só legitimava o uso da força bruta (combate físico), mas também o uso de armas letais (matar os malfeitores). 

“Por causa do Senhor, sujeitem-se a toda autoridade constituída entre os homens; seja ao rei, como autoridade suprema, seja aos governantes, como por ele enviados para punir os que praticam o mal e honrar os que praticam o bem. Pois é da vontade de Deus que, praticando o bem, vocês silenciem a ignorância dos insensatos. Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como desculpa para fazer o mal; vivam como servos de Deus. Tratem a todos com o devido respeito: amem os irmãos, temam a Deus e honrem o rei”. (1 Pedro 2:13-17)

O apóstolo Pedro era a favor da lei e da ordem, assim, como o apóstolo Paulo, pois até ele reconhecia que era necessário que os agentes do Estado (ministros de Deus) usassem a força bruta (castigos físicos) para castigar os criminosos. Além de Paulo, Pedro também defendia o uso da força (combate bélico) por parte do Estado para se fazer justiça. Os apóstolos, Pedro e Paulo, reconheciam que as autoridades governamentais são estabelecidas por Deus para o bem-estar da sociedade.

“Então, alguns soldados lhe perguntaram: E nós, o que devemos fazer? Ele respondeu: Não pratiquem extorsão, nem acusem ninguém falsamente, e contentem-se com o seu salário”. (Lucas 3:14)

O grande e poderoso profeta, João Batista, quando batizou alguns soldados, ele não lhes condenou por serem combatentes, pelo contrário, esse grande e extraordinário profeta lhes aconselhou a serem militares, portanto, que exercessem a sua função (o seu trabalho) com honestidade e integridade. João Batista foi o maior de todos os profetas e o homem mais justo que existiu sobre a Terra (além de Jesus, obviamente).

REFUTANDO O PACIFISMO (HERESIA DIABÓLICA):

“No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do Diabo; porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes”. (Efésios 6:10-13)

A luta da Igreja é a Guerra Espiritual (Efésios 6) e a luta do Estado é a Guerra Física (Romanos 13). O Estado não pode ter uma igreja; e a Igreja não pode ter uma milícia. Paulo não era pacifista, pois ele é o autor de ambas as Cartas. Paulo defendia tanto o combate físico quanto o combate espiritual. O autor de Efésios 6 é também o autor de Romanos 13. Seria muito incoerente Paulo pregar o Pacifismo em Efésios 6 e depois pregar a Guerra Justa e a punição de criminosos em Romanos 13. Existem duas guerras que os cristãos devem lutar, a Guerra Física e a Guerra Espiritual. O Estado, que tem o poder da espada (Machaira), só deve se engajar na luta física. A Igreja (instituição religiosa) só deve se engajar na luta espiritual. Satanás, o Diabo, também atua usando os bandidos e os terroristas para fazer o mal. Paulo nunca pregou o Pacifismo, ou seja, a omissão diante do mal, mas apenas ensinou que a luta da Igreja é a Batalha Espiritual (Efésios 6), mas isso não invalida a luta do Estado, a Batalha Física (Romanos 13). Tanto os guerreiros da Igreja quanto os guerreiros do Estado são ministros de Deus.

“Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas;”. (2 Coríntios 10:3-4)

Esse trecho da Bíblia é muito deturpado pelos “cristãos” pacifistas, pois o verdadeiro contexto não se refere às armas bélicas (serviço militar), mas, sim, a capacidade humana e as vãs filosofias (conhecimento humano). Os cristãos, servos de Deus, para poderem combater os Anjos do Inferno e as heresias dos falsos profetas precisam das armas espirituais dadas por Deus, pois eles são incapazes de vencer Satanás e os seus demônios sozinhos. Para se combater os falsos ensinos e as heresias, os cristãos, precisam da sabedoria vinda de Deus e do poder de sua Palavra (a Bíblia). Em nenhum momento, Paulo, está pregando a omissão diante do mal. O Estado tem o poder da espada (Machaira) para reprimir os bandidos, terroristas e malfeitores. Assim, como a Igreja não pode ter uma milícia, o Estado não pode ter uma igreja. Cada ministro de Deus deve exercer a sua função, seja como guerreiro físico ou como guerreiro espiritual.

“Ouvistes que foi dito: Olho por olho e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;”. (Mateus 5:38-39)

Sobre se te baterem na "face direita" ter que oferecer a outra, isso é simbólico. Tanto arrancar o "olho direito" quanto cortar a "mão direita" também é simbólico. É óbvio que tudo isso é uma simbologia (Alegorismo). Jesus não está mandando ninguém ser saco de pancadas, mas apenas ensinou que a vingança é errada, mas em nenhum momento Ele condenou a legítima defesa ou a defesa pessoal. Para se bater na “face direita” é preciso bater com as “costas da mão”, se o agressor for destro (que é o mais comum). Esse tipo de agressão é conhecido como “tapa cortês”, ou seja, está se referindo a humilhação moral e não a agressão física. Esse trecho da Bíblia é muito deturpado para poder pregar à apatia e a omissão diante do mal. A obrigação dos fortes é defender os fracos e proteger os indefesos. Não é pecado se defender de agressões injustas e nem proteger as pessoas que ama.

“Então, Jesus lhe disse: Embainha a tua espada; pois todos os que lançam mão da espada, à espada perecerão”. (Mateus 26:52)

Quando Pedro cortou a "orelha direita" de Malco, Jesus não mandou Pedro jogar a espada fora, mas apenas para guardar a espada (Machaira). O próprio Jesus Cristo ordenou a Pedro comprar aquela espada (arma usada para matar mesmo). Se alguém viver atacando os outros acabará sendo atacado. Viver pela espada é viver praticando a violência por ser violento, e não se defender de agressões injustas. O apóstolo tentou impedir que a profecia sobre Jesus se cumprisse, por isso, houve essa repreensão de Cristo sobre o mau uso da espada (Jesus nunca condenou a defesa legítima e a correta justiça). A profecia não era para que Pedro salva-se Jesus; não era essa a profecia. O apóstolo Paulo ensinou que Deus estabeleceu o governo e de que o Estado tem o poder da espada (Machaira) para punir os malfeitores (algo concedido e autorizado por Deus).

“E saberá toda esta congregação que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do Senhor é a guerra, e ele vos entregará na nossa mão”. (Samuel 17:47)

Quando Davi afirmou que do Senhor é a guerra, ou seja, de que a batalha pertence ao Senhor, ele quis dizer que nós, guerreiros de Deus, seguidores de Cristo, devemos confiar no Deus de Israel e não em nossa própria força ou em armas bélicas. Entretanto, em nenhum momento, Davi hesitou lutar contra Golias por causa disso, porque ele confiava no Senhor dos Exércitos.

DEUS NUNCA CONDENOU JURAMENTOS MILITARES (O QUE A BÍBLIA ENSINA DE FATO SOBRE ISSO):

Sobre os juramentos (como o Juramento à Bandeira), Jesus Cristo não condenou totalmente os juramentos. O que Jesus condenou foi o juramento de homens que não têm palavra (pessoas mentirosas), e que precisam se garantir em juramentos para os outros acreditarem que eles estão falando a verdade. Algumas Confissões de Fé protestantes explicam bem sobre isso. Não há problema algum em fazer juramentos honrados em nome da paz, da justiça e do amor. Além dos militares, os médicos também fazem juramentos. O casamento também é um juramento de lealdade ao seu cônjuge.

O VERDADEIRO CONTEXTO DO SEXTO MANDAMENTO “NÃO MATARÁS” (NÃO ASSASSINARÁS):

O Mandamento “Não Matarás” em sua tradução correta é “Não Assassinarás”. Isso não implica em matar para se defender (legítima defesa) e a matar na guerra (soldados cumprindo com o seu dever). O Sexto Mandamento sempre se referiu ao assassinato criminoso e não a matar quando realmente há necessidade. O verbo hebraico “ratsach” usado nesse Mandamento no Antigo Testamento, e o verbo grego “foneuo” usado nesse Mandamento no Novo Testamento, sempre são usados para se referir ao assassinato criminoso, e nunca a legítima defesa e a pena capital (Machaira). Tanto o verbo hebraico “ratsach” quanto o verbo grego “foneuo” se referem ao homicídio ilícito. Portanto, matar para se defender ou para proteger alguém não é pecado. O Sexto Mandamento “Lo Tirsah” em hebraico e “Ou Foneuseis” em grego se refere ao assassinato e não a matar por uma causa justa. A violência deve ser usada enquanto uma contingência (para defesa própria ou para proteger os outros) e não como objetivo. Seria uma grande incoerência Deus mandar os hebreus matarem nas guerras sendo que Ele mesmo disse “Não Matarás” (Não Assassinarás), se no Sexto Mandamento Deus não se referisse somente ao homicídio criminoso (Deus não é bipolar). O guerreiro que não respeita a lâmina de sua espada (lâmina cortante, arma de fogo ou Bíblia) não é digno de sua espada. As armas do cristão só devem ser disparadas em nome da justiça. Não justiça para si mesmo, mas justiça para aqueles a quem o cristão jurou proteger. O cristão não deve usar a sua arma (Machaira) por motivos ou razões pessoais, mas apenas para promover a justiça e a paz. Matar sem nenhum fundamento moral não é nada além de assassinato. Matar por uma causa justa é apenas justiça. Portanto, o cristão só deve usar os seus punhos e suas armas em prol da justiça (para defesa própria e proteção dos outros).

A VERDADE SOBRE O ENSINAMENTO “OLHO POR OLHO E DENTE POR DENTE” (O QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA):

As pessoas tem uma “visão” distorcida sobre o ensinamento “olho por olho e dente por dente”. Em primeiro lugar, esse ensinamento nunca foi sobre ódio e vingança. O verdadeiro ensinamento sobre “olho por olho e dente por dente” nunca foi um incentivo a vingança, ao ódio ou a retaliação, mas, pelo contrário, era justamente para que os criminosos (bandidos e malfeitores) fossem punidos de uma forma justa, e não de uma maneira exagerada. Em segundo lugar, o próprio Moisés ensinou que devemos amar os nossos inimigos e que a vingança pertence a Deus. Há diferença entre vingança e justiça. Em terceiro lugar, os criminosos, bandidos, corruptos e malfeitores devem mesmo ser punidos severamente, mas dentro da legalidade (dentro da lei). A vingança pertence a Deus e a justiça deve ser aplicada somente pelas autoridades legalmente constituídas (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17).

JESUS E O PORTE DE ARMA (AS DUAS ESPADAS):

“E disse-lhes: Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos porventura alguma coisa? Eles responderam: Nada.
Disse-lhes, pois: Mas agora, aquele que tiver bolsa, tome-a, como também o alforje; e, o que não tem espada, venda a sua capa e compre-a; Porquanto vos digo que importa que em mim se cumpra aquilo que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Porque o que está escrito de mim terá cumprimento.
E eles disseram: Senhor, eis aqui duas espadas. E ele lhes disse: Basta”. (Lucas 22:35-38)

Seria muito incoerente a Bíblia ensinar em (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17) que as autoridades tem o dever e a obrigação de castigar os malfeitores, se o próprio Jesus fosse um “pacifista”. Muitos alegam que Jesus usou uma figura de linguagem e que os discípulos não entenderam que quando Cristo mandou comprar espadas, Ele se referia a Palavra de Deus. A palavra grega “Rikkannon” usada na Bíblia original para “basta” significa bastante ou suficiente, ou seja, quando Jesus disse “basta”, eles quis dizer que duas espadas eram o suficiente. A palavra grega “Rikkannon” é sempre usada para se referir a uma quantia suficiente ou bastante. Esse trecho da Bíblia deixa bem claro que Cristo realmente ordenou aos seus discípulos para que eles comprassem armas (espadas). Quando Pedro cortou a orelha de Malco, Jesus repreendeu o mau uso da espada, e não o seu porte em si. Cristo mandou Pedro guardar a espada, e não jogá-la fora. A espada mencionada em Romanos 13 é escrita em grego “Machaira”, que era uma espada usada para executar criminosos perigosos e para se combater nas guerras. O Pacifismo é antibíblico, pois a Bíblia nunca ensinou tal ideologia.

O MITO DE QUE TODOS OS CRISTÃOS PRIMITIVOS ERAM CONTRA A GUERRA JUSTA E O SERVIÇO MILITAR (OS SANTOS DA CASA DE CÉSAR):

“Quero ainda, irmãos, cientificar-vos de que as cousas que me aconteceram têm antes contribuído para o progresso do Evangelho; de maneira que as minhas cadeias, em Cristo, se tornaram conhecidas de toda a Guarda Pretoriana e de todos os demais; e a maioria dos irmãos, estimulados no Senhor por minhas algemas, ousam falar com mais desassombro a Palavra de Deus”. (Filipenses 1:12-14)

Esse mito (mentira diabólica) de que os cristãos primitivos eram contra o Estado e as autoridades não está de acordo com a Bíblia. Os apóstolos, Paulo (Romanos 13:1-7) e Pedro (1 Pedro 2:13-17), e também João Batista (Lucas 3:14) reconheciam que é necessária a existência das autoridades governamentais e de que não é errado combater (lutar mesmo). O centurião Cornélio foi batizado ainda sendo um oficial romano. O Carcereiro de Filipos permaneceu em sua profissão (portando a sua espada), porque foi esse carcereiro que libertou Paulo e Silas no dia seguinte após a sua conversão. Os reis, Abgaro de Edessa da Síria e Polímio da Armênia, eram reis cristãos (do primeiro século). Os cônsules, Mânio Acílio Glabrio e Tito Flávio Clemente, ocuparam cargos públicos durante o século I. O procônsul Lúcio Sérgio Paulo (ou Quinto Sérgio Paulo) governou Chipre durante três anos enquanto era um cristão. Paulo se refere aos guardas pretorianos que evangelizou como “santos e irmãos”, ou seja, isso indica que os Santos da Casa de César (Filipenses 4:22) eram mesmo esses guardas pretorianos que se converteram ao Cristianismo. Os Pais da Igreja, Clemente de Alexandria, Ireneu de Lyon e Eusébio de Cesaréia defendiam abertamente o serviço militar e a Guerra Justa. Essas são provas inquestionáveis.

Segundo Agostinho de Hipona, o maior teólogo da Igreja, não há problema nenhum em um cristão trabalhar no governo e nem em participar de uma Guerra Justa se for para promover a justiça. Nós, protestantes, não devemos ser pacifistas hipócritas antissociais que se desligam da realidade, mas devemos fazer a diferença em todos os setores da sociedade dando bom testemunho.

CONCLUSÃO:

A Bíblia, a Palavra de Deus, sempre defendeu a sexualidade, o sexo e o prazer sexual (TESÃO MESMO). No Novo Testamento tem dois capítulos que defendem o serviço militar e a política (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17), já a sexualidade e o sexo tem vários capítulos no Antigo Testamento e no Novo Testamento, e ainda um Livro inteiro (Cantares – Cântico dos Cânticos) que mostram, claramente, que Deus apoia a área sexual dos cristãos (no contexto do casamento, óbvio). A Bíblia sempre defendeu a Guerra Justa, o serviço militar, a política e a legítima defesa, mas sempre enfatizou o apoio de Deus muito mais em relação ao sexo e a sexualidade.

AUTOR: Filipe Levi Viasoni da Silva, historiador e professor de História.