quarta-feira, 6 de junho de 2012

POLÍCIA PARA QUEM PRECISA



“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho. Dêem a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra”. (Romanos 13:1-7)

Há muita polêmica entre os evangélicos sobre a obrigação do Estado, pois muitos cristãos demonizam as autoridades constituídas. O apóstolo Paulo foi bem claro quando afirmou que as autoridades governamentais são estabelecidas por Deus, ou seja, os políticos, os magistrados, os militares, e os policiais, são agentes da justiça divina para castigar os que praticam o mal. Os políticos (do Legislativo) criam leis; os magistrados julgam; e os militares e policiais prendem ou matam quando realmente é necessário. A função do Estado é punir os malfeitores e enaltecer os cidadãos de bem. Neste texto, pretendo principalmente defender a polícia, porque não somente os evangélicos, mas também inúmeros incrédulos questionam a necessidade de sua existência. Quero mostrar alguns argumentos que provam que a polícia é realmente necessária, pois a polícia sendo boa ou ruim, ela precisa existir.

“Então, alguns soldados lhe perguntaram: E nós, o que devemos fazer? Ele respondeu: Não pratiquem extorsão, nem acusem ninguém falsamente, e contentem-se com o seu salário”. (Lucas 3:14)

João Batista era o precursor do Messias; e foi o maior de todos os profetas. Ele foi o homem mais justo que já existiu sobre a Terra. João Batista quando batizou alguns soldados, ele não recriminou os combatentes, pelo contrário, esse grande profeta lhes incentivou a continuarem sendo soldados, portanto, que eles exercessem a sua função com honestidade. João Batista ensinou como os militares e policiais devem agir. Os policiais (principalmente os que são cristãos) devem seguir os conselhos de João Batista para serem bons policiais.

Se a polícia não existisse, freqüentar espaços públicos, como, por exemplo, praças e praias seria mais perigoso. O convívio social seria muito limitado. Quando houve greves policiais na Bahia, o movimento nos bares caiu muito. Até as cidades seriam menores e cercadas, como já foram no passado.

A insegurança faria surgir mercenários e milícias. Em 1997, a paralisação da polícia em Pernambuco, levou a criação de milícias de vigilantes ilegais. Dificilmente esses vigilantes ilegais respeitariam as leis e a regulamentação dos serviços de segurança. 

A segurança ficaria nas mãos de empresas de segurança que competiriam entre si na disputa pelo poder. As maiores usariam agentes equipados com armas potentes e modernas. Essas empresas estariam entre as forças mais influentes da sociedade.

Na falta de equipes de perícia, não haveria nenhum banco de dados unificado. Assim, certamente a justiça seria mais lenta. Detetives particulares poderiam cumprir em parte esse papel, mas não seriam tão eficazes quanto os policiais peritos da área.

Sem a existência da polícia, os bandidos dominariam mais do que já dominam. O caos e a desordem tomariam conta da sociedade. Quase todos criticam a polícia, mas todos quando precisam a chamam. As pessoas falam muito mal da polícia, mas mesmo assim os policiais arriscam as suas vidas por uma mixaria de salário para poder protegê-las.

Eu sempre sonhei em ser policial, pois eu admiro muito a polícia. Para mim, os policiais são verdadeiros heróis. Quando fiz um curso de vigilante, eu conheci instrutores maravilhosos que são policiais. Eu conheço a polícia bem de perto. Muitos dos argumentos que usei neste texto foram tirados da revista “Super Interessante” de março de 2012. Espero ter sido objetivo.

Nenhum comentário: