quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

MENSAGEIROS DE DEUS


Neste texto, pretendo contar sobre os homens que me inspiram a fazer a vontade de Deus, e divulgar as mensagens do Altíssimo para o seu povo, a Igreja. No Antigo Testamento, muitos homens foram levantados por Deus para alertar o seu povo sobre os pecados da idolatria e da prostituição, ou seja, o sincretismo religioso e a imoralidade que muitas vezes dominaram Israel (Reino do Norte) e Judá (Reino do Sul). Quero cumprir o meu papel de emissário de Deus, que é alertar a Igreja sobre os seus pecados, isto é, a sua desobediência a Deus. Ser profeta de verdade não é dar “profetadas”, mas é alertar o povo de Deus sobre os seus pecados que tanto o afastam d’Ele.

Os profetas mais famosos e que mais gosto são Samuel, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel, Elias, e Eliseu. Neste artigo, pretendo contar os pontos principais das vidas desses grandes homens de Deus, que não apenas fizeram a diferença, mas foram à diferença. Os antigos profetas exortavam o povo de Deus, e nós, cristãos, devemos fazer o mesmo nos dias de hoje.

Samuel foi um homem muito digno e honrado, que ao contrário dos filhos de Eli (sumo sacerdote do Templo), Hofni e Fineias, que desagradaram o coração de Deus, ele obedecia todos os Mandamentos do Senhor. Deus se revelou a Samuel, quando ele ainda era muito novo, para mostrar qual seria o fim de Eli e sua casa. Samuel ungiu os dois primeiros reis de Israel, Saul e Davi. O primeiro se corrompeu e teve um fim trágico (ele se suicidou depois de ser derrotado numa batalha). O segundo serviu ao Senhor até o fim dos seus dias. Davi andou segundo o coração de Deus, e foi o maior rei da história de Israel. Jesus Cristo é descendente de Davi, e um dia, Ele retornará, e estabelecerá o seu Reino de paz e de justiça na Terra. Samuel foi o último dos Juízes e o primeiro dos profetas.

Isaías foi um grande profeta que profetizou sobre grandes impérios como a Assíria e a Babilônia. Israel se aliou a Síria para resistirem ao domínio da Assíria, mas os assírios os derrotaram. O Reino do Norte foi destruído e muitos israelitas foram levados cativos. A Assíria foi derrotada pela Babilônia, que depois se tornou a maior potência militar da época. Isaías profetizou sobre a libertação dos judeus que sofreriam com o cativeiro babilônico que duraria setenta anos. Deus revelou para esse profeta que Ciro, o Grande, nasceria, cresceria, e reinaria sobre os medos e os persas. Ciro, liderando os medos e os persas, derrotou os babilônios, libertando os judeus do cativeiro. Isaías havia profetizado sobre Ciro muito tempo antes dele nascer. Ciro quase foi morto quando criança pelo seu avô, mas ele foi salvo por um pastor de ovelhas. O filho da união de duas nações derrotaria a Babilônia e libertaria o povo de Deus da opressão. Isaías realizou muitas profecias e foi usado grandemente por Deus. Provavelmente, Isaías foi martirizado sendo serrado ao meio.

 Jeremias é o profeta da Bíblia com quem eu mais me identifico, pois ele era melancólico e depressivo (além de não ter se casado), assim, como eu. Jeremias tentou alertar os judeus sobre o julgamento divino que viria através do exército de Nabucodonosor, rei dos caldeus. O rei Zedequias, viu os seus filhos serem assassinados diante dos seus olhos, e depois foi cegado. Os príncipes, que tanto perseguiam Jeremias, foram castigados e depois mortos. Jeremias amava o seu povo, mas o seu povo o desprezou, preferindo dar ouvidos aos falsos profetas que pregavam o que o povo queria ouvir. O Templo de Jerusalém foi saqueado, e inúmeros judeus foram levados cativos.

Ezequiel também foi um grande profeta que deu esperança para os cativos dizendo que um dia eles seriam libertados e teriam o seu reino restaurado. Ezequiel estava cativo, mas tinha esperança de que o seu povo um dia voltaria a ser livre.

Depois da queda do império assírio, o Egito, governado pelo Faraó Neco, e as forças babilônicas, disputavam por territórios. Ezequiel viveu durante esse período. Israel e Judá pecaram, porque preferiram confiar em outros reinos do que em Deus, e o Altíssimo usou a Assíria para punir o Reino do Norte, e a Babilônia para castigar o Reino do Sul. O povo de Deus deve depositar a sua confiança somente n’Ele.

Ezequiel teve a visão do Vale de Ossos Secos, que gosto muito. Esse profeta apesar de ter sido levado cativo pelos babilônios, não perdeu a esperança. Ezequiel teve intimidade com Deus, assim, como os outros profetas tiveram.

Daniel e seus amigos, Hananias, Misael, e Azarias, foram levados cativos ainda jovens para a Babilônia. Eles se tornaram grandes políticos, que eram honestos e íntegros (bem que os políticos brasileiros poderiam seguir o mesmo exemplo).

Os amigos de Daniel foram lançados numa fornalha ardente, porque se recusaram a adorar a estátua de Nabucodonosor. O rei da Babilônia ordenou que se esquentasse o fogo da fornalha sete vezes mais, depois que esses políticos de Deus o afrontaram, se negando a adorar a estátua. Os melhores soldados do exército babilônico amarraram os amigos de Daniel, e os jogaram na fornalha ardente. Deus matou os guerreiros que lançaram Hananias, Misael, e Azarias na fornalha, e os livrou milagrosamente. Daniel interpretou os sonhos de Nabucodonosor, e prosperou muito no seu reino.

Quando Nabonido estava reinando no lugar de Nabucodonosor, ele decidiu estudar História e religião em outra nação, e Belsazar, seu filho, reinou em seu lugar. Belsazar profanou os cálices e objetos do Templo de Deus que tinham sido levados pelo seu avô para a Babilônia, e, por isso, Deus decretou a derrota dos babilônios através dos medos e dos persas. Uma mão descarnada escreveu defronte do candeeiro, a condenação do reino babilônico. Daniel interpretou o que estava escrito, e naquela mesma noite, os medos e os persas invadiram o reino, e Belsazar, o rei dos caldeus, foi assassinado.

Daniel se tornou o governador-geral da Babilônia, e por inveja de seus inimigos políticos, o rei Dario, o Medo (talvez, fosse um tio de Ciro, o Persa, ou Gobrias, um general babilônico que desertou e se aliou a Ciro), foi obrigado pelas leis dos medos e dos persas, que não podiam ser revogadas, a condenar Daniel à morte (contra a sua própria vontade). Deus livrou Daniel dos leões, e os seus inimigos políticos e suas famílias, foram jogados na cova dos leões em seu lugar, e as feras os destroçaram. Daniel prosperou nos reinados de Dario, o Medo, e de Ciro, o Persa.

Elias foi um grandioso profeta que profetizava nas épocas dos reinados de Acabe e de Jorão. Jezabel, a rainha, esposa de Acabe, mãe de Jorão, era a sua maior inimiga. Elias desafiou os profetas de Baal, e os envergonhou, exaltando o Nome do Deus Vivo. Elias profetizou o fim da casa de Acabe e a morte de Jezabel. A parte que mais me emociona na Bíblia (além da sarça ardente, quando Deus falou com Moisés) é quando Deus fala com Elias no Monte Horebe. Elias havia se escondido dentro de uma caverna, e desejava ardentemente morrer, porque estava deprimido (outro profeta com quem eu me identifico bastante). Elias, como todos os verdadeiros profetas, era amigo de Deus. Elias criticava muito o sincretismo religioso que predominava em Israel (o povo queria adorar a Deus e a Baal ao mesmo tempo. Em outras épocas, o povo queria cultuar a Deus e a Moloque ao mesmo tempo também). Os israelitas somente ouviam os falsos profetas que pregavam o que eles queriam ouvir. Elias foi arrebatado sem conhecer a morte, mas antes, ele ungiu Eliseu, profeta em seu lugar.

Eliseu também foi grandemente usado por Deus. Naamã, o comandante do exército da Síria, foi curado da lepra. Os soldados sírios foram cegados. Pessoas foram curadas e ressuscitadas. Pessoas que zombaram do profeta foram estraçalhadas por ursos. Jorão, rei de Israel, e Acazias, rei de Judá, assim, como Jezabel, foram mortos. Eliseu, assim, como todos os profetas, exortaram o povo de Deus. Nós devemos fazer o mesmo. 

Nenhum comentário: