quinta-feira, 6 de agosto de 2015

A DEMONIZAÇÃO DA SEXUALIDADE


“As curvas dos seus quadris são como jóias, são trabalhos de um artista... Você é tão graciosa como uma palmeira; os seus seios são como cedros e tâmaras. Vou subir na palmeira e colher os seus frutos. Os seus seios são para mim cachos de uvas. A sua boca têm o perfume das maçãs, e os seus beijos são como vinho delicioso”. (Cantares 7:1-9)
O maior tabu de toda a História do Cristianismo que assola a Igreja de Cristo é a sexualidade, ou seja, o sexo. Quero já avisar que serei extremamente sincero e claro no que eu irei escrever. Se você é um daqueles religiosos tapados que adoram ver o Diabo em todo o lugar, nem se dê ao trabalho de ler este artigo. Tentarei ser justo e correto nos meus argumentos. Também tentarei não me expor demais neste texto, mas eu realmente preciso contar a minha experiência pessoal, porque, talvez, assim, eu possa ajudar a confortar alguém.
            Em artigos anteriores, eu cometi o mesmo erro que muita gente comete, ou seja, joguei toda a culpa na Igreja Católica. Realmente, o Catolicismo da Idade Média reprimiu demais a sexualidade dos cristãos, mas na verdade, esse erro herético, isto é, essa distorção das Escrituras, começou na época da Igreja Primitiva.
            Por causa da influência das filosofias gregas, como, por exemplo, o Estoicismo e o Platonismo, muitos Pais da Igreja (que eram filósofos) passaram a demonizar a sexualidade, pregando que o sexo deve ser praticado apenas para a procriação. Serei justo nos meus argumentos. O lado positivo da filosofia grega ter sido introduzida no Cristianismo Primitivo é que os primeiros cristãos passaram a enxergar o Estado (que é instituído por Deus) e a prática do esporte com bons olhos. Devido a uma má interpretação das Escrituras, os cristãos primitivos começaram a endiabrar o serviço militar, a política e a prática de esportes (coisas que a Bíblia, a Palavra de Deus, nunca condenou, pelo contrário, o apóstolo Paulo sempre se referiu ao serviço militar e aos esportes como bons exemplos a serem seguidos pelos cristãos na sua vida cristã).
            Clemente de Alexandria é um dos Pais da Igreja que eu mais admiro, pois concordo com quase tudo o que ele ensinava. Tito Flávio Clemente foi um grande filósofo e também um grande teólogo do século II. Clemente de Alexandria defendia a prática de esportes entre os cristãos, pois ele considerava os esportes muito úteis para cuidar da saúde física, mental e espiritual dos cristãos. Clemente também era totalmente a favor do serviço militar e ensinava que todos os cristãos tinham o dever cívico de pagarem os seus tributos e impostos. Porém, ele demonizava a sexualidade devido à influência negativa da filosofia grega.
            Outros Pais da Igreja, como Agostinho de Hipona, Ambrósio de Milão, Jerônimo de Strídon e outros Doutores, também tinham uma imagem negativa da sexualidade devido à má influência da filosofia grega. Agostinho levava uma vida devassa e promiscua antes de se converter, e isso também explica a sua repulsa pela sexualidade. Ele abominava tudo o que lembrasse o seu passado pecaminoso e depravado. Os Doutores da Igreja além de teólogos costumavam também a estudar a filosofia. Veja bem, eu não estou dizendo que a filosofia grega não presta, não é isso. Mas, apenas me refiro ao lado negativo da filosofia que influenciou o Cristianismo em relação à sexualidade dos cristãos. Como já falei, a filosofia além de abrir os olhos dos cristãos sobre o Estado e o esporte, também ajudou nas apologias.
A Igreja Católica sempre demonizou o sexo, dizendo que sentir prazer sexual é coisa do Demônio. A repressão sexual é algo realmente extremamente diabólico, porque se existem padres pedófilos e pastores adúlteros, é porque há muita repressão na sexualidade dos cristãos. A Igreja Católica sempre pregou que o sexo é somente para a procriação, e que é um pecado hediondo sentir prazer no ato sexual. Muitas igrejas evangélicas pregam esse mesmo absurdo. Os cristãos precisam entender que o sexo é uma coisa de Deus, e não do Diabo. Realmente, a vontade de Deus é que os seus servos transem apenas depois do casamento, mas se por acaso os cristãos caírem em tentação, eles não perderão a Salvação, e nem serão desprezados por Deus por causa disso. Os cristãos precisam aprender a não confundir conversão com o medo de irem para o Inferno. Os evangélicos precisam entender de uma vez por todas que a Salvação é pela Graça, e não pelas obras. Com certeza, há as conseqüências do pecado, mas isso não significa que se o cristão cair em pecado ele será excluído da Graça de Deus. A propósito, a Bíblia fala bem do beijo, portanto, beijar não é pecado.
A Igreja Católica também demoniza a camisinha e as pílulas anticoncepcionais, afirmando também que o sexo é somente para a reprodução. Não há pecado algum os casais (pessoas realmente casadas) usarem camisinhas ou pílulas anticoncepcionais, porque o sexo pode ser apenas para o prazer. Os cristãos não são obrigados a terem filhos, porque os casais têm a benção de Deus para se satisfazerem somente sexualmente se quiserem.
Outro tabu é a masturbação, porque muitos cristãos usam versículos bíblicos fora de contexto para demonizarem a atração e o desejo sexual. Na minha humilde opinião, para mim a masturbação é apenas uma válvula de escape para evitar coisa pior. Não enxergo mais a masturbação como algo do Demônio, mas isso é apenas algo normal entre os jovens. O casal de noivos do Livro de Cantares tinham fantasias sexuais um com o outro (detalhe, antes, mesmo, de eles se casarem).
Inúmeros cristãos demonizam o sexo oral e o sexo anal inventando coisas que não têm na Bíblia. Eu desafio os cristãos que demonizam esses atos sexuais a me mostrarem na Palavra de Deus onde esses atos sexuais são coisas do Diabo. O que a Bíblia ensina é que o sexo deve ser feito depois do casamento entre um homem e uma mulher, mas a Palavra de Deus em nenhum lugar especifica como isso deve ser feito. Na Bíblia não existe um manual do que os homens e as mulheres podem fazer ou não depois do casamento. Acho muito feio os cristãos colocarem palavras na boca de Deus, coisas que Deus nunca disse. Eu, particularmente, não tenho interesse no sexo oral e no sexo anal, mas se eu estiver casado e a minha esposa desejar praticar esses atos sexuais, eu a satisfarei com o maior prazer. Só para esclarecer uma coisa aos fariseus legalistas, Sodomia é sexo anal entre dois homens, e não entre um homem e uma mulher. A Bíblia também em nem um versículo sequer proíbe o sexo oral.
“Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: Qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração já adulterou com ela. Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no Inferno. E se a tua mão direita te faz tropeçar; corta-a e lança-a de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros e não vá todo o teu corpo para o Inferno”. (Mateus 5:27-30)
            Em relação à mentira diabólica e satânica de que sentir tesão e atração física é pecado, não é sobre isso o que Jesus disse. Cristo não se referiu a sentir atração física e nem tesão. Sentir atração física e tesão é bem diferente de olhar impuramente.
Sobre cortar a mão direita e arrancar o olho direito, é exatamente como “se te baterem na face direita ter que oferecer a outra” é puro simbolismo. Cristo não falou para os cristãos se mutilarem e nem para serem sacos de pancadas dos outros.
“As mulheres sejam submissas a seus próprios maridos, como ao Senhor; porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo Salvador do corpo. Como, porém, a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submissas a seus maridos. Maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem cousa semelhante, porém santa e sem defeito. Assim também os maridos devem amar as suas mulheres como a seus próprios corpos. Quem ama a sua esposa, a si mesmo se ama. Porque ninguém jamais odiou a sua própria carne, antes a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja, porque somos membros do seu corpo”. (Efésios 5:22-30)
            A Bíblia sempre mostra os dois lados da história, isto é, a Palavra de Deus mostra as obrigações dos filhos e das esposas, mas também mostra as obrigações dos pais e dos maridos. (É incrível como os cristãos machistas e opressores não enxergam isso na Bíblia)!
A Palavra de Deus ensina que o marido deve respeitar e honrar a sua esposa (e não descer o cassete nela), portanto, o marido não deve dar porrada na sua mulher, mas, sim, tratá-la com bastante amor e carinho. O marido deve ser fiel e amoroso com sua esposa, porque essa é a vontade de Deus. A esposa não é escrava do marido (nem escrava sexual e nem empregada), menos ainda, saco de pancada. A obrigação do homem é cuidar da sua mulher e protegê-la, porque ela precisa de seu respeito e de seu amor. A mulher precisa de carinho e de proteção.
“Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a Terra. E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor”. (Efésios 6:1-4)
A Bíblia também ensina que os pais devem cuidar dos seus filhos e protegê-los (não estuprá-los e espancá-los). Não é porque os filhos devem honrar pai e mãe, que os pais têm o direito de abusar sexualmente de seus filhos e de espancá-los. Como falei anteriormente, a Palavra de Deus sempre mostra os dois lados da história.
Na época da Reforma, com o Puritanismo, os protestantes continuaram com a tradição de demonizar a sexualidade, pois os puritanos cometeram o mesmo erro que os cristãos primitivos e cristãos medievais, demonizar algo que é de Deus.
Quero agora contar algo íntimo meu, mas não contarei nos mínimos detalhes, até porque eu não quero me expor demais, mas, talvez, eu possa ajudar alguém. Eu sou obcecado por mordidas, isto é, eu adoro morder, e, principalmente, eu adoro ser mordido pelas mulheres. Eu descobri que isso faz parte da minha sexualidade, e eu não preciso me reprimir, porque isso é normal. É obvio que eu não irei sair beijando, mordendo e transando com todo mundo. Em relação ao ato sexual mesmo, me esforçarei para me guardar até o casamento. Não devo satisfação nenhuma para os evangélicos, mas devo satisfação somente para Deus. Decidi escrever este artigo para mostrar que o sexo é uma benção, quando ele é feito dentro da vontade de Deus. O sexo é uma dádiva, não uma maldição. Sentir prazer não é pecado. O sexo é de Deus.

Nenhum comentário: