quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

QUERO FAZER A DIFERENÇA


Sempre fui diferente da maioria dos jovens de minha idade. Sempre fui apaixonado pela Bíblia, a Palavra de Deus. Desde pequeno, devido às injustiças e covardias que presenciei comigo e com outras pessoas, adquiri um senso de justiça muito forte. Sempre quis aprender a lutar e a combater para proteger os fracos, e nunca para afligi-los. Apesar de ser jovem (sou muito desprezado por velhos soberbos e arrogantes por causa de minha idade), tenho muito mais conhecimento acadêmico, histórico e teológico do que muitos "doutores" arrogantes que se acham por aí. Eu posso ter TEA (Transtorno do Espectro do Autismo), mas sou diferente dos "autistas clássicos", ou seja, a minha inteligência é acima da média. Odeio hipocrisia religiosa e falso moralismo. Nunca suportei a falsidade das pessoas. Não quero ser mais um jovem fútil que vive nas "baladinhas paquerando as gatinhas", tampouco, quero ir a Igreja só para paquerar as "menininhas". Quero fazer o que os crentes não têm peito para fazer. Quero fazer o que os evangélicos não querem fazer (porque preferem viver suas vidinhas medíocres somente olhando para o seu próprio umbigo). As pessoas somente costumam se revoltar com as injustiças que elas mesmas sofrem, mas nunca se importam com a dor dos outros. As pessoas geralmente são tão mesquinhas que são incapazes de se colocarem no lugar do outro (só sabem pensar nelas mesmas). Precisamos de homens e mulheres que sejam mais altruístas e que se importem mais com os seus semelhantes (não só com os bandidos, mas com os inocentes também). O mundo e a Igreja precisam de pessoas que estejam dispostas a viver e a morrer lutando por causas justas e motivos nobres. Tenho formação acadêmica em História. Pensam que quero apenas fazer História? História, não. Eu quero fazer a diferença. (Filipe Levi)

Nenhum comentário: