terça-feira, 27 de novembro de 2018

LEI E ORDEM (OS VINGADORES DE DEUS)



Filipe Levi 27/11/18
LEI E ORDEM (OS VINGADORES DE DEUS)



INTRODUÇÃO:


“A definição final do amor, para os tais, não está na Bíblia toda, mas apenas no Novo Testamento, interpretado por eles mesmos. Se esquecem que o Novo está latente no Velho Testamento e o Velho está patente no Novo”. (Agostinho de Hipona)


Inúmeros cristãos pregam que Deus é pacifista, porque Jesus é “paz e amor” e por causa disso, os servos de Deus não podem se defender de agressões injustas e nem proteger os indefesos. Será mesmo que é isso o que as Escrituras ensinam? Não importa o que você acha ou deixa de achar. Não interessa o que você pensa ou deixa de pensar. Deus não está nem aí para o que você quer acreditar. A única coisa que interessa e importa é o que as Escrituras ensinam, e não o seu achismo. Primeiro, o que a Bíblia ensina, depois, talvez, quem sabe, a sua opinião pessoal.


LUTAR EM NOME DA VERDADE E EM NOME DA JUSTIÇA:


“Com armas os homens conquistam terras. Nas terras conquistadas nasce a lei. A lei se defende com armas. Só existe paz em terras onde há lei. Onde houver terra, haverá homens e onde houver homens, se imporá leis e, para impor a lei, haverá armas. Portanto, nunca vá desarmado para uma terra onde não há lei”.


Desde criança sempre tive o sonho de ser herói. Devido às injustiças e impunidade que presenciei na minha vida, este desejo ficou ainda mais latente em meu coração. Pratiquei Kung Fu e Jiu-Jitsu, mas fui obrigado a reconhecer que não tenho nenhum talento para praticar artes marciais. Mas, Deus me compensou. Descobri que tenho talento para o Boxe (Pugilismo) e que tenho muita habilidade com armas de fogo (sou bom de tiro). O revólver calibre 38, a pistola calibre 380 e a espingarda calibre 12 eu aprendi a manusear faz tempo (tive treinamento bélico na Segurança Privada). O fuzil calibre 7.62 (FAL – Fuzil Automático Leve) aprendi a manusear recentemente, mas não contarei como (não fiz nada ilegal). Tudo o que aprendi sobre combate, sempre foi com a intenção sincera de querer lutar por aqueles que não podem lutar por si mesmos. Eu sempre quis ser policial ou soldado com a intenção de proteger os fracos e de salvar vidas. Eu sempre quis ajudar o oprimido e proteger os indefesos. Eu sempre quis ser herói.


NUNCA PERCA A SUA INTEGRIDADE (FAÇA A DIFERENÇA, SEJA A DIFERENÇA):


“Quando os jovens tentarem ser como você. Quando os preguiçosos se incomodarem com você. Quando os poderosos olharem por cima dos ombros para você. Quando os covardes tramarem nas suas costas. Quando os corruptos desejarem que você desapareça e os bandidos desejarem você morto; somente aí, você terá feito a sua parte”. (Phil Messina)


O verdadeiro contexto de (Romanos 13:1-7) é justamente esse, o trabalho da Polícia no combate ao crime. Deus nunca foi e nem será pacifista. Os “cristãos” banalizaram e vulgarizaram “a paz, o amor e o perdão”. No primeiro século, no Império Romano, quem fazia o trabalho da Polícia atual, era o Exército (a Polícia é uma instituição do Estado Moderno). Hoje, a Segurança Privada é uma extensão da Segurança Pública. Os apóstolos, Pedro e Paulo, legitimaram o uso da força bruta e de armas letais para se combater o crime e para castigar os malfeitores (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17). O grande profeta, João Batista, que segundo o próprio Cristo, foi o maior profeta que já existiu, quando batizou alguns soldados, ele incentivou os militares a continuarem sendo combatentes, portanto, que esses guerreiros fossem honestos e justos (Lucas 3:14). O amor não folga com a injustiça, mas defende a verdade. O marido tem o dever e a obrigação de honrar e proteger a sua esposa. Os pais têm a obrigação e o dever de cuidar e de proteger os seus filhos. A obrigação daqueles que tem poder é salvar aqueles que não tem poder. O Estado (Romanos 13:1-7) tem a autorização de Deus para usar a espada (Machaira) para combater os malfeitores e corruptos, porque o dever do governo é louvar e proteger os bons, ou seja, os cidadãos de bem.


CAVALEIROS E SAMURAIS (CÓDIGO DE HONRA):


Eu sempre admirei a nobreza dos cavaleiros (honra e coragem) e o forte código de honra dos samurais (Bushido). Princípios de coragem e de valentia. Princípios de honra e de integridade. Princípios de altruísmo e de bondade. Podem me chamar de criança e de infantil, mas acredito mesmo nesses princípios. Acredito que devemos fazer o bem sem esperar nada em troca. Acredito que é o dever dos fortes proteger os fracos. Acredito que a obrigação daqueles que tem poder é salvar aqueles que não tem poder. Acredito que os heróis existem sim, porque da mesma forma que existem bandidos, também existem heróis. Se existe o mal, também existe o bem. Se existe o Inferno, também existe o Céu. Se existe o Diabo, também existe Deus. Se existe o ódio, também existe o amor.


O TIGRE E O DRAGÃO (A ESTUPIDEZ E A SABEDORIA):


“Como a cidade com seus muros derrubados, assim é quem não sabe dominar-se”. (Provérbios 25:28)


O Tigre é um animal irracional, uma fera, que somente age por instinto. O Tigre não pensa nas consequências dos seus atos, e sai matando e destruindo tudo o que encontra pelo caminho. O Dragão (no contexto oriental, e não no contexto do Apocalipse, seus crentes burros) representa a Sabedoria, porque o Dragão é sábio e teme pelo poder de sua força, porque ele tem consciência de que o seu poder pode causar dano nos outros. Os nossos punhos e as nossas armas somente devem ser usados em Nome da Justiça. Não Justiça para nós mesmos, mas Justiça para aqueles a quem nós juramos proteger. Não devemos usar os nossos punhos em causa própria e as nossas armas devem ser usadas em prol da Justiça.


A ENERGIA DA VIDA (A VITÓRIA DA VIDA SOBRE A MORTE):

A fonte do poder do vilão Mister Bison é a morte e a fonte do poder dos heróis, Ryu e Ken, é a vida. A luta entre o bem e o mal. A luta entre a vida e a morte. A energia da vida contra a energia da morte. O poder da vida se sobressaindo sobre o poder da morte. O símbolo da faca na caveira, ao contrário, do que a maioria pensa, não é uma representação da morte, pelo contrário, representa a vitória da vida sobre a morte. A Cruz vazia simboliza a vitória da vida sobre a morte, mas o símbolo de uma faca encravada numa caveira tem praticamente o mesmo significado. Quando fiz um curso de vigilante, um dos instrutores, o Cícero, que é policial da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), contou a história da origem do símbolo da faca encravada no crânio humano. Na Segunda Guerra Mundial, os exércitos da Inglaterra e da Alemanha se enfrentaram; e um general britânico matou um general nazista dentro da fortaleza inimiga, e, logo, em seguida, encravou uma faca num crânio de um judeu que estava em cima da mesa do general nazista, e declarou que essa era a vitória da vida sobre a morte. Depois desse episódio, os nazistas começaram a serem massacrados pelos Aliados.


AS OPINIÕES DOS APÓSTOLOS SOBRE AS AUTORIDADES GOVERNAMENTAIS (ESTADO - GOVERNO):


AS TRADUÇÕES DE ROMANOS 13:1-7:


“Obedeçam às autoridades governamentais, porque Deus foi quem estabeleceu todas elas. Não há governo, em parte alguma, que Deus não tenha colocado no poder. Portanto, aqueles que se recusam a obedecer às autoridades estão se recusando a obedecer a Deus, e o castigo virá sobre eles. Pois os governantes devem ser temidos apenas por aqueles que praticam o mal. Assim, se você não quiser ter medo da autoridade, guarde as leis e pratique o bem e tudo irá bem. Pois a autoridade é enviada por Deus para o seu bem. Mas, se você estiver fazendo algo errado, é natural que deve ter medo, pois ela terá de castigá-lo. Ela é serva de Deus, agente da justiça para castigar quem pratica o mal. Assim, vocês precisam obedecer às autoridades por duas razões: para evitar o castigo e por uma questão de consciência. Paguem também seus impostos, por essas mesmas razões. Porque as autoridades do governo estão a serviço de Deus, dedicadas a continuar a fazer essa obra. Dêem a cada um o que lhe é devido; paguem seus impostos e tributos, obedeçam aos seus superiores, e honrem e respeitem a todos aqueles a quem isso for devido”. (Romanos 13:1-7)


“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade, resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação. Porque os magistrados não são para temor quando se faz o bem, e, sim, quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela; visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal. É necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa do temor da punição, mas também por dever de consciência. Por esse motivo também pagais tributos: porque são ministros de Deus, atendendo constantemente a este serviço. Pagai a todos o que lhes é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra”. (Romanos 13:1-7)

“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho. Dêem a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra”. (Romanos 13:1-7)

“Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são motivo de temor para os que fazem o bem, mas para os que fazem o mal. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela; porquanto ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador em ira contra aquele que pratica o mal. Pelo que é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa da ira, mas também por causa da consciência. Por esta razão também pagais tributo; porque são ministros de Deus, para atenderem a isso mesmo. Dai a cada um o que lhe é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra”. (Romanos 13:1-7)


“Todos devem sujeitar-se às autoridades superiores; porquanto, não, há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Ele. Portanto, quem se recusa a submeter-se à autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Porque os governantes não podem ser motivo de temor para os que praticam o bem, mas para os que fazem o mal. Não queres sentir-se ameaçado pela autoridade? Faze o bem, e ela o honrará. Pois ela serve a Deus para o teu bem. Mas, se fizerdes o mal, teme, pois não é sem razão que traz a espada. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é imprescindível que sejamos submissos às autoridades, não apenas devido à possibilidade de uma punição, mas também por causa da consciência. Por esta razão, igualmente pagais impostos; porque as autoridades estão a serviço de Deus, e seu trabalho é zelar continuamente pela sociedade. Dai a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra”. (Romanos 13:1-7)

O apóstolo Paulo foi muito claro quando escreveu o capítulo 13 da Carta aos Romanos (uma grande pedra no sapato dos cristãos pacifistas e anarquistas). Paulo reconheceu que as autoridades governamentais são instituídas por Deus, isto é, Deus coloca no poder os governantes da Terra. Os magistrados, os soldados, os policiais e os políticos são estabelecidos por Deus para zelarem pelo bem-estar da sociedade. O Estado é servo de Deus, ministro de Deus, para castigar os malfeitores e louvar os homens que praticam o bem. As Testemunhas de Jeová e os evangélicos pacifistas podem negar isso até a morte, mas o capítulo 13 da Carta aos Romanos não sumirá da Bíblia por causa disso (para o azar deles). Paulo ensinou que os cristãos devem se submeter às autoridades em várias de suas Cartas (ele insistiu bastante nesse assunto). Paulo vivia usando o serviço militar como bom exemplo para a vida cristã. Claro, que se o governo for injusto e opressor (ditatorial e corrupto) ou exigir que os cristãos façam coisas contrárias ao que a Bíblia ensina, nós, cristãos, devemos obedecer mais a Deus do que aos homens.


AS TRADUÇÕES DE 1 PEDRO 2:13-17:


“Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor; quer seja ao rei, como soberano; quer às autoridades como enviadas por ele, tanto para castigo dos malfeitores, como para louvor dos que praticam o bem. Porque assim é a vontade de Deus, que, pela prática do bem, façais emudecer a ignorância dos insensatos; como livres que sois, não usando, todavia, a liberdade por pretexto da malícia, mas vivendo como servos de Deus. Tratai a todos com honra, amai aos irmãos, temei a Deus, honrai ao rei”. (1 Pedro 2:13-17)

“Sujeitai-vos, pois, a toda a ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior; quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem. Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo bem, tapeis a boca à ignorância dos homens insensatos; como livres, e não tendo a liberdade por cobertura da malícia, mas como servos de Deus. Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai ao rei”. (1 Pedro 2:13-17)

“Por causa do Senhor, sujeitem-se a toda autoridade constituída entre os homens; seja ao rei, como autoridade suprema, seja aos governantes, como por ele enviados para punir os que praticam o mal e honrar os que praticam o bem. Pois é da vontade de Deus que, praticando o bem, vocês silenciem a ignorância dos insensatos. Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como desculpa para fazer o mal; vivam como servos de Deus. Tratem a todos com o devido respeito: amem os irmãos, temam a Deus e honrem o rei”. (1 Pedro 2:13-17)

“Pelo amor que vocês têm ao Senhor, obedeçam a todas as leis do governo; sejam as do rei, como a autoridade maior, sejam as que são dos oficiais do rei, pois ele os enviou para castigar todos os que fazem o mal e honrar aqueles que fazem o bem. É da vontade de Deus que a vida correta de vocês faça com que se calem aqueles que insensatamente condenam o Evangelho sem saberem o que ele pode fazer por eles, pois nunca experimentaram o seu poder. Vocês estão livres da lei, porém, isso não quer dizer que estão livres para fazer o mal. Vivam como aqueles que são livres para fazer somente a vontade de Deus em todas as ocasiões. Mostrem respeito para com todos. Amem os irmãos em toda parte. Temam a Deus e respeitem o governo”. (1 Pedro 2:13-17)


O apóstolo Pedro também reconheceu a legitimidade dos reis e das autoridades enviadas por eles (soldados e magistrados) para castigar os malfeitores e louvar os homens que praticam o bem. Paulo e Pedro ensinaram, claramente, que a função do Estado é punir os maus e louvar os bons.


ORAR E INTERCEDER EM FAVOR DAS AUTORIDADES:


“Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graça, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito. Isto é bom e aceitável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”. (1 Timóteo 2:1-4)

O apóstolo Paulo também ensinou que o dever de todos os cristãos é interceder em favor dos homens investidos de autoridade, porque é da vontade de Deus que, inclusive, os governantes e os soldados se convertam e sejam salvos. Paulo, mais uma vez, reconhece a legitimidade das autoridades.

O QUE A BÍBLIA (A PALAVRA DE DEUS) ENSINA REALMENTE DE FATO SOBRE O COMBATE E AS GUERRAS:


"O sentimento de luta não deve ser medido pela probabilidade de vitória, mas, sim, pelos valores em defesa dos quais a luta foi feita".


Matar sem nenhum fundamento moral não é nada além de assassinato. Matar por uma causa justa é apenas justiça. O Sexto Mandamento sempre se referiu ao homicídio ilícito, e não a matar por legítima defesa e a matar na guerra. O verbo hebraico “ratsach” usado nesse Mandamento no Antigo Testamento, e o verbo grego “foneuo” usado nesse Mandamento no Novo Testamento, sempre são usados para se referir ao assassinato criminoso, e nunca a legítima defesa e a pena capital. Tanto o verbo hebraico “ratsach” quanto o verbo grego “foneuo” se referem ao homicídio ilícito. Portanto, matar para se defender ou para proteger alguém não é pecado. Seria uma grande incoerência Deus mandar os hebreus matarem nas guerras sendo que Ele mesmo disse “Não Matarás”, se no Sexto Mandamento Deus não se referisse somente ao homicídio criminoso (Deus não é bipolar). O guerreiro que não respeita a lâmina de sua espada (Bíblia ou lâmina cortante) não é digno de sua espada. As flechas do cristão somente podem ser lançadas em nome da justiça. Não justiça para si mesmo, mas justiça para aqueles a quem o cristão jurou proteger. O cristão não deve usar a sua espada (Machaira) por motivos e razões pessoais, mas apenas para promover a justiça e a paz.


“Será que um marinheiro ficaria parado se ouvisse o clamor de um naufrago? Será que um médico permaneceria sentado comodamente, deixando seus pacientes morrerem? Será que um bombeiro, ao saber que alguém está perecendo no fogo, ficaria parado e não prestaria socorro? E você, conseguiria ficar à vontade em Sião vendo o mundo ao seu redor ser condenado”?
(Leonard Ravenhill)


O Pacifismo sempre foi muito pregado entre os cristãos desde a Igreja Primitiva, mas o próprio Jesus Cristo e os apóstolos nunca condenaram o serviço militar e nem o direito que todos os seres humanos têm de lutar por suas vidas. Os religiosos pacifistas costumam usar versículos bíblicos fora de contexto para sustentar o Pacifismo biblicamente, mas qualquer pessoa inteligente e sábia verá que a Bíblia nunca sustentou tal heresia.

“No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do Diabo; porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes”. (Efésios 6:10-13)

O interessante desse trecho bíblico é que ele foi escrito pelo mesmo autor da Carta aos Romanos, ou seja, o apóstolo Paulo. Em nenhum momento, na Carta aos Efésios, o apóstolo Paulo pregou o Pacifismo, até porque o contexto não fala de guerra física, mas, sim, de guerra espiritual. Na Carta aos Romanos, o apóstolo Paulo ensinou que as autoridades governamentais foram estabelecidas por Deus e que os magistrados e militares são seus ministros para castigar os malfeitores. Então, seria contraditório o autor da Carta aos Romanos pregar o Pacifismo na Carta aos Efésios. O apóstolo Paulo quis dizer que a função dos cristãos civis é se preocupar com a guerra espiritual, mas os cristãos que são magistrados e militares devem cumprir com o seu dever, que é castigar os que praticam o mal; porque eles são investidos de autoridade por Deus para essa função. (Eu sei que quem escreveu a Carta aos Romanos foi Tércio a mando de Paulo). A luta da Igreja é espiritual e a luta do Estado é física. Tanto os guerreiros da Igreja quanto os guerreiros do Estado são ministros de Deus.

“Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas;”. (2 Coríntios 10:3-4)

Por isso, as armas carnais e humanas, tais como argúcia, habilidade, riqueza, capacidade organizacional, eloqüência, persuasão, influência e personalidade são em si mesmas inadequadas para destruir as fortalezas de Satanás; porque as únicas armas adequadas para desmantelar os arraiais do Diabo, as injustiças e os falsos ensinos são as armas que Deus nos dá. Esse trecho não se refere às armas bélicas, mas, sim, a capacidade humana e as vãs filosofias; e para combater o Inferno precisamos das armas espirituais dadas por Deus, pois somos incapazes de vencermos Satanás e os seus demônios sozinhos.

“Ouvistes que foi dito: Olho por olho e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;”. (Mateus 5:38-39)

Os fariseus deturpavam as Leis do Antigo Testamento para incentivar as pessoas ao ódio e a retaliação, porque o ensinamento “olho por olho e dente por dente” era sobre as punições aplicadas pelas autoridades nos malfeitores (para que os criminosos não fossem punidos de forma exagerada) e não um incentivo a represália do indivíduo. Jesus condenou a vingança pessoal e não a legítima defesa, pois Ele usa muito simbolismo nas coisas em que ensina. Cristo, em outra parte da Bíblia, ensinou que se a sua mão direita te fizer pecar, se deve amputá-la. E se o seu olho direito te fizer pecar, se deve arrancá-lo. Oferecer a outra face está inserido no mesmo contexto. Jesus não falou para os cristãos se mutilarem e nem para serem sacos de pancadas dos outros. Tudo isso é puro simbolismo (Alegorismo).

“Então, Jesus lhe disse: Embainha a tua espada; pois todos os que lançam mão da espada, à espada perecerão”. (Mateus 26:52)

Cristo não fez apologia ao Pacifismo, mas, simplesmente, falou que os violentos sofrerão violência. Se Pedro tivesse matado Malco, ele seria punido com a morte pelo Estado Romano e Jesus quis impedir que isso acontecesse. O próprio Cristo ordenou a Pedro para que ele comprasse aquela espada. Jesus devia cumprir com a profecia a seu respeito e Pedro quis impedir o cumprimento dessa profecia. Jesus não disse para Pedro jogar a espada fora, mas apenas para guardá-la. Paulo reconhece que o Estado tem o poder da espada (Machaira) para castigar os malfeitores (algo concedido e autorizado por Deus).

“E saberá toda esta congregação que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do Senhor é a guerra, e ele vos entregará na nossa mão”. (Samuel 17:47)

Quando Davi afirmou que do Senhor é a guerra, ou seja, de que a batalha pertence ao Senhor, ele quis dizer que nós, servos de Deus, devemos confiar no Altíssimo e não em nossa própria força ou em armas bélicas; entretanto, em nenhum momento, ele hesitou lutar contra Golias por causa disso, porque ele confiava no Senhor dos Exércitos.

Sobre os juramentos (como o Juramento à Bandeira), Jesus Cristo não condenou totalmente os juramentos. O que Jesus condenou foram às pessoas que não têm palavra, e precisam se garantir em juramentos para os outros acreditarem que elas estão falando a verdade. Algumas Confissões de Fé protestantes explicam bem sobre isso. Não há problema algum em fazer juramentos honrados em nome da paz, da justiça e do amor.


A ESPADA DO ESPÍRITO:


"Os guerreiros também são feridos e chegam até ser derrotados, mas jamais largam a espada".
(Sid Aguiar)


“A frase "Espada do Espírito" é encontrada apenas uma vez nas Escrituras, em (Efésios 6:17). A espada é parte da armadura espiritual que Paulo diz aos cristãos para colocar a fim de poderem lutar eficazmente contra o mal (Efésios 6:13). A espada é uma arma tanto ofensiva quanto defensiva usada para se proteger do mal ou para atacar o inimigo e vencê-lo. Era necessário que um soldado tivesse um treinamento rígido sobre o uso correto de sua espada para obter dela o máximo benefício. Todos os soldados cristãos precisam do mesmo treinamento rígido para saberem como lidar corretamente com a Espada do Espírito, "que é a Palavra de Deus". Já que cada cristão encontra-se em uma batalha espiritual contra as forças satânicas deste mundo, precisamos saber como manusear a Palavra corretamente. Só, então, ela será uma defesa eficaz contra o mal e uma ofensa valiosa para "destruir fortalezas" do erro e da mentira (2 Coríntios 10:4-5). A Palavra também é chamada de espada em (Hebreus 4:12). Aqui, a Palavra é descrita como viva e eficaz e mais penetrante que uma espada de dois gumes. A espada romana era comumente de dois gumes, tornando-a melhor para perfurar e cortar em ambos os sentidos. A ideia das Escrituras penetrando significa que a Palavra de Deus atinge o "coração", o centro de ação, e traz à tona os motivos e sentimentos daqueles em quem ela toca. O propósito da Espada do Espírito -- a Bíblia -- é nos fortificar e capacitar a suportar os ataques de Satanás (Salmo 119:11; 119:33-40; 119:99-105). O Espírito Santo usa o poder da Palavra para salvar almas e dar-lhes força espiritual para serem soldados maduros para o Senhor. Quanto melhor conhecermos e compreendermos a Palavra de Deus, mais úteis seremos em fazer a vontade de Deus e mais eficazes em enfrentar o inimigo de nossas almas”.


O BÁSICO DA ESTRATÉGIA MILITAR:


Você sempre deve conhecer o terreno do seu inimigo. Procure explorar as fraquezas de seu adversário. Procure destruir a economia (riquezas) de seus adversários (o dinheiro, a renda de organizações criminosas ou de exércitos inimigos). A ira entorpece a sua espada, portanto, nunca ataque com raiva (tenha técnica). Seja estratégico. Seja tático. A coragem é forjada no campo de batalha. Adquirindo experiência nas pelejas, você melhora os seus reflexos e aguça os seus sentidos. Os cangaceiros tinham vantagem sobre os policiais e soldados, porque conheciam a caatinga. Os vietnamitas tinham vantagem sobre os militares norte-americanos, porque conheciam a sua terra natal como ninguém. Os soldados norte-americanos somente conseguiram derrotar o Talibã, porque tiveram a ajuda dos combatentes da Aliança do Norte (que conheciam a região e o território). O básico da estratégia militar é sempre eliminar os líderes primeiro para que os seus subordinados fiquem confusos e comecem a disputar pelo poder. Cortar a luz elétrica e as linhas telefônicas para que os seus inimigos fiquem sem comunicação e desorientados na escuridão. Antecipe os passos de seu inimigo. Coloque-se em seu lugar para pensar exatamente como ele, porque assim você saberá qual será o seu próximo ataque. Cerque seus inimigos, destrua as suas plantações e os privem de água e de alimento, assim, você terá mais probabilidade de derrotá-los. O opressor só respeita a força que é maior do que a dele. Os violentos só conhecem a linguagem da violência. Negociar e argumentar com estupradores, torturadores e assassinos cruéis é perda de tempo, porque eles nem se darão ao trabalho de te ouvir. A resposta tem que ser rápida. O disparo tem que ser certeiro. Tenha foco de tiro. Use o fator surpresa, pois assim você surpreenderá o seu inimigo. Nunca implore por sua vida ou por misericórdia, pois isso apenas aumentará a sensação de poder e atiçará o sadismo dos malfeitores. Você escolhe se quer ser vítima ou inimigo dos bandidos. Você escolhe se quer ser vítima ou inimigo dos opressores. Você escolhe se quer ser vítima ou inimigo dos malfeitores. Você escolhe se quer ser apenas uma vítima indefesa ou um inimigo a altura.


ASSUMA O SEU CHAMADO (NÃO FUJA DO SEU PROPÓSITO):


“A consciência de uma alma justa se firma na busca constante em livrar da opressão as almas injustiçadas”.
(Anísio Ferreira Souza)


Lembro-me quando Coronel Trautman (Rambo III) conversou seriamente com John Rambo sobre a sua missão aqui na Terra. O veterano de guerra (Rambo) não queria mais lutar, porque para ele, a sua guerra já havia acabado. Trautman o lembrou de que Rambo é um soldado nato, um guerreiro que nasceu e existe com o propósito de lutar (em prol da justiça). Trautman e os outros oficiais que o treinaram, não criaram Rambo, mas apenas o poliram (moldaram). Rambo não podia fugir do seu chamado (propósito). Lembro-me quando Dean Winchester (Supernatural) tentou fugir do seu destino, mas o anjo Zacarias foi conversar com Dean, para tentar convencê-lo de que o Caçador não podia abandonar o seu chamado, seu ministério. Dean, assim, como Rambo, não queria mais lutar e se envolver na guerra do bem contra o mal. Ichigo Kurosaki (Bleach) teve que decidir se assumiria o seu chamado como “Ceifeiro de Almas” ou não. Ichigo (Aquele Que Protege) não queria ser um herói a princípio, mas quando viu que os fracos e indefesos precisavam de sua ajuda e proteção, Ichigo desistiu de fugir de seu chamado e assumiu a sua postura de defensor e protetor dos inocentes. Uryuu Ishida, o Quincy, estava mais preocupado com sua guerra pessoal contra os Ceifeiros de Almas do que com o seu chamado de Quincy, mas Uryuu se lembrou dos ensinamentos de seu Mestre de que “As flechas do Quincy só devem ser lançadas em nome da justiça; não justiça para si mesmo, mas justiça para aqueles a quem o Quincy jurou proteger”. Assim, Uryuu Ishida, assumiu o seu chamado para ser um Quincy. O profeta Jonas tentou fugir de sua missão, e Deus usou um grande peixe para engoli-lo e vomita-lo bem no lugar de onde Jonas tentara fugir. O profeta Elias se escondeu em uma caverna (Monte Horebe), porque desejava morrer e tinha desistido de seu ministério, do seu chamado. Mas, o próprio Deus (O ETERNO) foi atrás de Elias. Deus tentou tirá-lo de dentro da caverna com o fogo, com o vento e com o terremoto, mas foi uma voz mansa e delicada que foi quem tirou Elias de dentro da caverna. Elias pensou que estava sozinho, mas mais sete mil profetas de Deus também se recusaram a se curvar diante de Baal e ousaram permanecer leais ao Deus de Israel, o Único Deus. Quando Pedro e Paulo estavam desanimados com sua missão, o próprio Jesus (Sol da Justiça) foi conversar com os seus apóstolos para poder confortá-los quando eles precisavam de consolo. Sempre quando os heróis tentam fugir de seu propósito, Deus vai até eles, para trazê-los de volta para a sua missão, para o seu ministério.


O DIABO DEVE SER COMBATIDO (ELE NÃO DEVE SER TEMIDO):


O Diabo não deve ser temido, ele deve ser combatido. O medo que as pessoas têm dele resultou na Inquisição e depois na covardia das pessoas em insistir em ignorar a sua existência. O maior trunfo do Diabo foi convencer o mundo de que ele não existe. Satanás costuma distorcer as coisas, tornando a mentira em verdade, o feio em bonito, o errado em certo e o mal em bem. Desde o princípio, Lúcifer, distorce a Palavra de Deus para enganar os tolos. Se os cristãos não se unirem na Verdade das Escrituras para se opor ao seu domínio, o Rei do Mal ainda ceifará muitas vidas, destruirá casamentos e famílias, e a culpa será da Igreja, que se omite diante dessa barbárie e carnificina.


O MEDO COMO ARMA (A MAIOR ARMA DOS BANDIDOS):


Quando os Incas enfrentaram os espanhóis, eles foram derrotados por causa do impacto psicológico, porque os Incas poderiam vencer a guerra, mas eles não conheciam as armas de fogo e nem os canhões, e com isso eles ficaram assustados, entraram em desespero e foram derrotados. Quando Hyoga de Cisne lutou contra o gigante Dócrates (irmão de Cássios), o cavaleiro de Cisne se lembrou do ensinamento de seu mestre (Mestre Cristal), que homens muito grandes têm pernas muito frágeis e com isso, Hyoga, causou um grande impacto psicológico em Dócrates e com a ajuda de Shun de Andrômeda e de Seiya de Pégaso, venceram o gigante. Saitou Hajime disse para Kenshin Himura que Makoto Shishio conquistou o espírito das pessoas (do povo), por isso, ninguém ousava desafiá-lo e se opor ao seu domínio. Os bandidos, os terroristas e os ditadores usam o medo e o terror como armas para poder subjugar e oprimir os mais fracos que tem o seu espírito, conquistado, subjugado e dominado por eles. Desde a Antiguidade que o Diabo e seus anjos usam o medo para conquistar o mundo. Durante a Idade Média, esse medo foi intensificado por meio dos horrores praticados pela Inquisição. Satanás, o Diabo, faz isso com a Igreja hoje também, ele a controla e a domina por meio do impacto psicológico. A maior arma dos bandidos, dos terroristas e dos ditadores sempre foi o medo.

OS PUNHOS DO CHAD E AS FLECHAS DO QUINCY (LUTAR EM PROL DOS OUTROS):

"Covarde não é aquele que evita um combate, covarde é aquele que mesmo sabendo que é superior luta e fere o mais fraco". (Bruce Lee)

Os punhos do Chad (Bleach) não podem ser usados em causa própria. As flechas do Quincy (Bleach) só devem ser lançadas em nome da justiça. Não justiça para si mesmo, mas justiça para aqueles a quem o Quincy jurou proteger. Yasutora Sado e Uryuu Ishida são heróis que sempre lutam em prol dos outros e não em causa própria. Assim, são o Boxe e as armas para mim. Eu quero usar os meus punhos e as armas para lutar em prol dos outros e não de mim mesmo.


CONCLUSÃO:


“Deus fixou a hora da nossa entrada no descanso, e ela não pode ser adiada pela habilidade do médico, nem apressada pela malícia do inimigo”. (Charles Spurgeon)

Todos nós fomos criados para um propósito. Todos nós temos uma missão. Tudo tem um motivo. Tudo tem um propósito. Tudo tem um por que. Nada é por acaso. Todos os heróis passam por eventos traumáticos. Se nos tornamos heróis ou vilões, isso depende da Soberania de Deus e também de nossas escolhas (Deus é Soberano, mas nós somos responsáveis por nossas obras). Muitas vezes, Deus nos coloca no deserto, para provar e forjar o nosso caráter e conhecer o que está no nosso coração. As provações são necessárias. As cicatrizes são como medalhas para nos lembrarmos que conseguimos sobreviver aquilo que tentou nos matar. Seja forte e corajoso! Não desista! O seu nascimento tem um propósito. A sua existência não é em vão. Tudo tem um por que. Nós seremos imortais até cumprirmos com o nosso propósito, até completarmos a nossa obra. Cabe a você descobrir qual é o seu propósito. Cabe a você descobrir qual é a sua missão. Tudo tem a sua hora. Tudo tem o seu tempo. Nós devemos cumprir a nossa missão. Nós devemos cumprir com o nosso propósito. Assim, poderemos entrar no descanso eterno. Até lá, nós seremos imortais.


AUTOR: Filipe Levi Viasoni da Silva, historiador e professor de História.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

O NOSSO PROPÓSITO (A NOSSA MISSÃO)


“Deus fixou a hora da nossa entrada no descanso, e ela não pode ser adiada pela habilidade do médico, nem apressada pela malícia do inimigo”. (Charles Spurgeon)

Todos nós fomos criados para um propósito. Todos nós temos uma missão. Tudo tem um motivo. Tudo tem um propósito. Tudo tem um por que. Nada é por acaso. Todos os heróis passam por eventos traumáticos. Se nos tornamos heróis ou vilões, isso depende da Soberania de Deus e também de nossas escolhas (Deus é Soberano, mas nós somos responsáveis por nossas obras). Muitas vezes, Deus nos coloca no deserto, para provar e forjar o nosso caráter e conhecer o que está no nosso coração. As provações são necessárias. As cicatrizes são como medalhas para nos lembrarmos que conseguimos sobreviver aquilo que tentou nos matar. Seja forte e corajoso! Não desista! O seu nascimento tem um propósito. A sua existência não é em vão. Tudo tem um por que. Nós seremos imortais até cumprirmos com o nosso propósito, até completarmos a nossa obra. Cabe a você descobrir qual é o seu propósito. Cabe a você descobrir qual é a sua missão. Tudo tem a sua hora. Tudo tem o seu tempo. Nós devemos cumprir a nossa missão. Nós devemos cumprir com o nosso propósito. Assim, poderemos entrar no descanso eterno. Até lá, nós seremos imortais. (Filipe Levi)

A PERFEIÇÃO (A BUSCA PELO INALCANÇÁVEL)


Não existe perfeição neste mundo. O nosso objetivo é superar aqueles que vieram antes de nós. A perfeição é uma meta inalcançável. Nós nunca seremos perfeitos aqui na Terra, mas devemos sempre procurar melhorar e nos aprimorar, sermos pessoas melhores. Nós devemos superar aqueles que vieram antes de nós, e não cometermos os seus mesmos erros. Devemos aprender com a História. Devemos aprender com o passado, para podermos criar um mundo melhor para os próximos que virão depois de nós. Devemos perpetuarmos os nossos nomes. Os nossos nomes devem ficar registrados na História, como aqueles que ousaram fazer a diferença quando todos queriam ser iguais. Nunca seremos perfeitos, mas devemos procurar chegar o mais próximo da perfeição. (Filipe Levi)

AS FILHAS DA ESPERANÇA (A INDIGNAÇÃO E A CORAGEM)


Segundo, Agostinho de Hipona (Santo Agostinho), a esperança tem duas filhas, a indignação e a coragem. A esperança é esperar aquilo que não podemos ver, mas que acreditamos que está lá. A indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão, e a coragem nos dá força e ousadia para mudá-las. Nunca se cale diante da injustiça! Jamais se omita diante da opressão. Sempre defenda a causa dos oprimidos. Não fique do lado do opressor. Faça a diferença! Proteja os fracos! Faça o bem sem esperar alguma recompensa em troca. Faça o certo, porque é o certo a se fazer. Faça a coisa certa. Lute por aqueles que não podem lutar por si mesmos. Seja a esperança dos perdidos. Seja a voz daqueles que não podem falar. Seja a mudança que deseja ver no mundo. Não se conforme com o que está errado. Concerte as coisas que estão erradas. Mude tudo aquilo que precisa ser mudado. Se não tem quem faça, faça você mesmo. Se todos são covardes, seja valente! Se todos se omitem, não se omita! Se todos são corruptos, seja honesto! Se todos são maus, seja bom! Se todos temem a morte, encare a morte! Se todos tem medo do Diabo, enfrente o Diabo! Faça o que ninguém mais quer fazer! Se ninguém quiser fazer o "trabalho sujo" faça você mesmo. Se omitir é a pior coisa que podemos fazer. Seja corajoso e indignado com as coisas erradas. Seja diferente, faça a diferença. (Filipe Levi)

O TIGRE E O DRAGÃO (A ESTUPIDEZ E A SABEDORIA)


“Como a cidade com seus muros derrubados, assim é quem não sabe dominar-se”. (Provérbios 25:28)

O Tigre é um animal irracional, uma fera, que somente age por instinto. O Tigre não pensa nas consequências dos seus atos, e sai matando e destruindo tudo o que encontra pelo caminho. O Dragão (no contexto oriental, e não no contexto do Apocalipse, seus crentes burros) representa a Sabedoria, porque o Dragão é sábio e teme pelo poder de sua força, porque ele tem consciência de que o seu poder pode causar dano nos outros. Os nossos punhos e as nossas armas somente devem ser usados em Nome da Justiça. Não Justiça para nós mesmos, mas Justiça para aqueles a quem nós juramos proteger. Não devemos usar os nossos punhos em causa própria e as nossas armas devem ser usadas em prol da Justiça. (Filipe Levi)

domingo, 25 de novembro de 2018

A ENERGIA DA VIDA CONTRA A ENERGIA DA MORTE (A VITÓRIA DA VIDA SOBRE A MORTE)


A fonte do poder do vilão Mister Bison é a morte e a fonte do poder dos heróis, Ryu e Ken, é a vida. A luta entre o bem e o mal. A luta entre a vida e a morte. A energia da vida contra a energia da morte. O poder da vida se sobressaindo sobre o poder da morte. O símbolo da faca na caveira, ao contrário, do que a maioria pensa, não é uma representação da morte, pelo contrário, representa a vitória da vida sobre a morte. A Cruz vazia simboliza a vitória da vida sobre a morte, mas o símbolo de uma faca encravada numa caveira tem praticamente o mesmo significado. Quando fiz um curso de vigilante, um dos instrutores, o Cícero, que é policial da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), contou a história da origem do símbolo da faca encravada no crânio humano. Na Segunda Guerra Mundial, os exércitos da Inglaterra e da Alemanha se enfrentaram; e um general britânico matou um general nazista dentro da fortaleza inimiga, e, logo, em seguida, encravou uma faca num crânio de um judeu que estava em cima da mesa do general nazista, e declarou que essa era a vitória da vida sobre a morte. Depois desse episódio, os nazistas começaram a serem massacrados pelos Aliados. (Filipe Levi)

O GRANDE LIBERTADOR (O SOL DA JUSTIÇA)


"Uma pessoa se torna muito forte quando seu objetivo é proteger algo ou alguém."

“Houve duas mulheres, filhas de uma mesma mãe. Estas se prostituíram no Egito; prostituíram-se na sua mocidade; ali foram apertados os seus seios, e ali foram apalpados os seios da sua virgindade. E os seus nomes eram: Aolá, a mais velha, e Aolibá, sua irmã; e foram minhas, e tiveram filhos e filhas; e, quanto aos seus nomes, Samaria é Aolá, e Jerusalém é Aolibá”. (Ezequiel 23)

“A consciência de uma alma justa se firma na busca constante em livrar da opressão as almas injustiçadas”.
(Anísio Ferreira Souza)

Como poderei salvar Israel e Judá de sua destruição? Como poderei salvar essas duas “prostitutas egípcias” (prostituição no contexto do Antigo Testamento – idolatria e feitiçaria)? Oro e intercedo por elas, dia e noite. Orar e interceder por essas duas me manteve vivo, me deu esperança. Lutar em prol dos outros me dignifica. Encarar uma batalha impossível em prol dos outros, me enche de vida. Eu era extremamente machista, depravado, egoísta e promiscuo, mas lutar por essas duas “prostitutas egípcias” mudou a minha natureza. Deus converteu o mal em benção. A pornografia e a lascívia se tornaram em compaixão e altruísmo. A minha oração nunca influenciou a Deus, mas mudou a minha natureza pecaminosa. A oração não é uma arma de guerra. A oração é a própria guerra. Se eu quisesse ajudá-las, eu tinha que me libertar da promiscuidade e da depravação. Eu sou o homem de Deus nessa história. Como poderei salvar Aolá e Aolibá? Como poderei salvar essas duas egípcias? O que posso fazer de fato para ajudá-las? Como poderei libertá-las das correntes infernais que as aprisionam? Eu sou apenas um instrumento nas mãos de Deus. Eu sou apenas uma ferramenta nas mãos de Yahweh, o Eterno. Eu sou apenas um profeta. Eu só sou uma arma. A minha oração é para que Deus tenha misericórdia delas. A minha intercessão é para que Jesus, o Sol da Justiça, tenha compaixão por elas e possa libertar essas duas mulheres acorrentadas das correntes de opressão e dos cordéis da morte que as aprisionam. (Filipe Levi)

"O sentimento de luta não deve ser medido pela probabilidade de vitória, mas, sim, pelos valores em defesa dos quais a luta foi feita".

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

CAUSA JUSTA (OS GUERREIROS DA JUSTIÇA)



Filipe Levi
CAUSA JUSTA (OS GUERREIROS DA JUSTIÇA)


Deus, o Criador do Universo, criou os céus e a Terra. Yahweh, o Eterno, criou o homem a sua imagem e semelhança, mas o pecado corrompeu o homem. A maldade se apoderou do coração humano e se espalhou sobre toda Terra. Satanás, o Diabo, passou a escravizar a humanidade por meio do pecado (vírus mortal). Tudo parecia estar perdido, mas havia uma esperança. Deus enviou o seu Único Filho, para morrer pelo seu povo. Deus salvaria e vingaria o seu povo. Jesus era o Grande Libertador do povo de Deus. O Cristo anunciado pelos profetas no passado. O homem que se assentava a mesa com prostitutas e ladrões. Ele comia e bebia com os pecadores. Os religiosos hipócritas o odiavam. Os falsos moralistas o detestavam. O Messias que veio quebrar as velhas tradições. As tradições dos velhos fariseus (Sinédrio). O profeta que andava com os mais humildes e com a escória da sociedade (os pecadores). Um agitador político? Seria Jesus um líder dos Zelotes (revolucionários que desafiavam o poder de Roma)? Um revolucionário que tentava derrubar o Império Romano? Não! Ele era o Messias (o Ungido de Deus) que veio instalar o Reino de Deus na Terra, mas não como os judeus esperavam.
Jesus, o Cristo, foi traído por um dos seus apóstolos, e crucificado. Ele sofreu terríveis torturas e dores intensas, por amor do seu povo. Cristo Jesus sofreu e morreu para que o seu sangue resgatasse os escolhidos de Deus da escuridão e das trevas. Satanás, o Diabo, não teria mais poder sobre eles, os predestinados para a Salvação antes da fundação do mundo. Jesus morreu, mas no terceiro dia ressuscitou, triunfando sobre a morte e o pecado. Jesus tem as chaves da morte e do Inferno. O Grande Salvador chegou para resgatar o seu povo e vencer Satanás de uma vez por todas.
No século XXI, o mundo se encontrava num verdadeiro caos. A desordem e a destruição assolavam o planeta Terra. Nação se levantava contra nação; e reino se levantava contra reino. Por causa da fome, os homens se matavam e se devoravam uns aos outros. Os crimes mais bárbaros eram cometidos pelos homens. Pais matavam os seus filhos; e filhos matavam os seus pais. Irmãos matavam irmãos. As mulheres e crianças eram espancadas e violentadas sem piedade. Os governos, ao invés de cumprirem com o seu dever de louvar os bons e castigar os maus (como os apóstolos, Pedro e Paulo, ensinaram), eles oprimiam e exploravam o povo. As autoridades governamentais que foram estabelecidas por Deus (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17) não cumpriam com o seu papel.
Paulo e Pedro afirmaram, claramente, que a função dos oficiais do rei é castigar os malfeitores e louvar os homens que praticam o bem (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17). Quando Paulo disse que “a nossa luta não é contra carne e sangue”, ele se referiu à luta da Igreja (instituição religiosa) e não a luta do Estado. O contexto de Efésios 6 é a luta da Igreja, mas o contexto de Romanos 13 é a luta do Estado (que é ministro de Deus). Quando Paulo falou que “as armas da nossa milícia não são carnais”, ele se referiu as vãs filosofias e a capacidade humana, pois o contexto em que ele disse isso nem é sobre armas bélicas. Quando Cristo ensinou que devemos oferecer a outra face, Ele quis dizer que não devemos ser vingativos, pois em nenhum momento (no contexto desse versículo), Jesus pregou contra a legítima defesa e disse que os cristãos devem ser sacos de pancadas dos outros. No mesmo capítulo, em que esse versículo está inserido, em outra parte Jesus fala que devemos arrancar o olho direito e decepar a mão direita se essas partes do nosso corpo nos fizerem pecar. Obviamente, Jesus usou puro simbolismo nessas passagens (Alegorismo). Cristo ordenou para Pedro comprar aquela espada que o apóstolo usou para decepar a orelha direita de Malco. Pedro tentou impedir que a profecia sobre Jesus se cumprisse e Cristo quis salvar Pedro da punição de morte que seria aplicada contra ele, se Malco morresse. Jesus não mandou Pedro jogar a espada fora, mas apenas para guardá-la. Paulo reconheceu que o Estado tem o poder da espada (Machaira) que foi concedido e autorizado pelo próprio Deus, para poder castigar os corruptos e os bandidos.
João Batista, o precursor do Messias, em uma ocasião, batizou alguns combatentes que lhe perguntaram o que eles deveriam fazer para agradar a Deus, e em nenhum momento, João Batista, lhes recriminou por serem militares, pelo contrário, ele lhes incentivou a permanecerem no serviço militar, portanto, que eles fossem soldados justos e honestos (Lucas 3:14). 
Quase todos os cristãos nunca compreenderam o Sexto Mandamento “Não Matarás”. A tradução correta do Sexto Mandamento é “Não Assassinarás”. Os religiosos alienados sempre usaram e abusaram da tradução errada desse Mandamento para ficarem atacando pedras nos guerreiros que matavam para se defenderem ou para protegerem os indefesos. O verbo hebraico “ratsach” usado nesse Mandamento no Antigo Testamento, e o verbo grego “foneuo” usado nesse Mandamento no Novo Testamento, sempre foram usados para se referir ao assassinato criminoso, e nunca a legítima defesa e a pena capital. Tanto o verbo hebraico “ratsach” quanto o verbo grego “foneuo” se referem ao homicídio ilícito. Portanto, matar para se defender ou para proteger alguém não é pecado. Seria uma grande incoerência Deus mandar os hebreus matarem nas guerras sendo que Ele mesmo disse “Não Matarás”, se no Sexto Mandamento Deus não se referisse somente ao homicídio criminoso (Deus não é bipolar).
Sobre os juramentos (como o Juramento à Bandeira), Jesus Cristo não condenou totalmente os juramentos. O que Jesus condenou foram às pessoas que não têm palavra, e precisam se garantir em juramentos para os outros acreditarem que elas estão falando a verdade. Algumas Confissões de Fé protestantes explicam bem sobre isso. Não há problema algum em fazer juramentos honrados em nome da paz, da justiça e do amor. Os médicos também (não somente os militares) faziam juramentos, mas sempre, com a intenção de fazer o bem.
Os homens se diziam civilizados, mas procuravam a sua própria destruição. Os homens buscavam a sua própria extinção, e ainda chamavam isso de civilização. Grupos extremistas como o ISIS (Estado Islâmico do Iraque e da Síria) e o Boko Haram sequestravam garotas jovens (principalmente, cristãs) e as tornavam em suas escravas sexuais. Elas eram violentadas todos os dias e eram obrigadas a recitar o Alcorão enquanto eram abusadas sexualmente. Mulheres cristãs adultas tinham os seus maridos assassinados e eram transformadas em escravas sexuais também. A barbárie era a lei nos países árabes. Até a rede terrorista Al-Qaeda, que era também vil e cruel, considerava os métodos do EI (Estado Islâmico) e do Boko Haram extremamente brutais. O Boko Haram era aliado do Estado Islâmico, enquanto a Al-Qaeda era rival desses grupos extremistas islâmicos. O Talibã, aliado da Al-Qaeda, também aterrorizava as pessoas (principalmente, as mulheres). Esses grupos extremistas proibiam as mulheres de estudarem e lhes privavam da sua liberdade, além de estuprá-las e espancá-las impiedosamente. Esses terroristas islâmicos deturpavam os ensinamentos de Maomé, assim, como os cristãos distorceram os ensinamentos de Jesus Cristo durante as Cruzadas e a Inquisição. Tanto Maomé quanto Jesus nunca ensinaram a assassinar, a torturar e a estuprar mulheres e crianças indefesas. Os religiosos hipócritas e falsos moralistas faziam isso por conta própria, porque Deus nunca teve nada a ver com isso. Deus jamais apoiou a barbárie.
Existiam muçulmanos moderados, que eram homens bons e guerreiros honrados, que não concordavam com os métodos sujos e brutais do Estado Islâmico, como os Peshmergas (Aqueles Que Enfrentam a Morte) e os Yazidis, que tinham a sua religião própria (existiam mulheres e até cristãos que se alistavam nos exércitos Peshmergas para poderem combater o Estado Islâmico). 
Muitas vezes, o Senhor esteve ao lado dos rejeitados e desprezados. O Altíssimo sempre se compadeceu com a dor dos desamparados e oprimidos. Deus, em sua Palavra (Bíblia), sempre ensinou aos seus servos que eles deveriam ser os defensores dos inocentes e indefesos. A vontade de Deus sempre foi que os fortes protegessem os fracos. O sentido bíblico de liderança sempre foi servir, e não oprimir. Deus sempre vingou a dignidade humana. O dever do governo sempre foi servir e proteger o seu povo. O dever dos pais sempre foi cuidar de sua prole e proteger os seus filhos. O dever do marido sempre foi honrar e proteger a sua esposa (o principal ministério do homem é a sua mulher), se entregando em sacrifício por ela se fosse preciso (como Cristo fez pela Igreja).
O Brasil foi convocado para participar da guerra contra o terror. A Coréia do Norte, a Rússia e a China declararam guerra contra os Estados Unidos da América e seus aliados. Foi uma guerra brutal. Armas nucleares foram usadas para destruir ainda mais a Terra. Bilhões de pessoas foram mortas nessa catástrofe mundial. Foi um grande cataclisma global. Por meio da Ciência, armas biológicas foram usadas nos campos de batalha. Aberrações genéticas e máquinas assassinas foram criadas para destruir os inimigos na guerra. A inteligência artificial ganhou autonomia e se voltou contra a humanidade. Monstros e máquinas eram usados para matar pessoas.
Com a hecatombe nuclear, nações foram destruídas. O planeta Terra se tornou num lugar insuportável para se viver. O mundo já era muito ruim, e se tornou ainda pior. Essa foi à consequência pelos homens terem se afastado de Deus. Os seres humanos se esqueceram de Deus e desobedeceram aos seus Santos Mandamentos. A prostituição, a idolatria, a feitiçaria, a mentira, a corrupção, a maldade, a vilania, a crueldade, a falsidade, o falso moralismo religioso, a depravação e a hipocrisia da sociedade, fizeram os homens colherem coisas muito desagradáveis, porque o que o homem semear, ele também ceifará. Essa é a Lei de Deus. Essa é a Lei da Bíblia. Essa é a Lei da História.
Animais pré-históricos foram ressuscitados através da clonagem. O primeiro animal pré-histórico a ser trazido de volta foi o Mamute. O primeiro espécime a ser clonado foi levado para viver em um parque na Sibéria. Depois do Mamute, outros mamíferos pré-históricos foram clonados e trazidos de volta à vida. Com o passar do tempo, dinossauros foram também ressuscitados, e levados para viverem em ilhas e parques, mas tudo ficou fora de controle. Os dinossauros carnívoros passaram a matar e a devorar os homens. A Ciência se multiplicou ao máximo, e essa foi a sua consequência. Foi um verdadeiro pesadelo.
Os cientistas conseguiram criar células-zumbis, e esse foi o primeiro passo para ressuscitar pessoas e animais, mas não perfeitamente. Uma epidemia viral tomou conta de várias cidades, e os mortos-vivos passaram a se alimentar dos vivos, e a contagiá-los os tornando em zumbis também. Com o vampirismo, pessoas se tornaram em vampiras. Os vampiros se alimentavam do sangue das pessoas, e as tornavam também em chupadores de sangue. Essas criaturas eram ávidas por sangue e mordiam as suas vítimas com muito prazer, se alimentando de suas vidas.
Os computadores e as máquinas ficaram muito inteligentes e ganharam autonomia para pensarem e agirem por si mesmas, e passaram a caçar a humanidade. Robôs e ciborgues com força sobre-humana e fortemente armados caçavam os homens e os que eram mantidos vivos se tornavam em escravos para trabalhar nos campos de concentração, para construírem mais máquinas. A inteligência artificial comandava tudo. Ela era intelectualmente superior aos seres humanos. Ela era muito mais inteligente do que os homens, e podia prever todos os seus passos e intenções. Os homens criaram um poder que não podiam controlar. A criatura se rebelou contra o seu criador, e passou a caçá-lo e a dominá-lo.
Vulcões que estavam inativos entraram em erupção. Terremotos e maremotos assolavam a Terra. Pestes e doenças dizimavam incontáveis pessoas. A fome assolava os homens e os tornavam em canibais e assassinos cruéis. Mulheres e crianças eram escravizadas e oprimidas pelos homens. Nunca a humanidade se tornou tão bárbara em sua História. Nunca houve tantas guerras como nesse período. Por causa da falta de água e de combustível, muitas guerras eram travadas. O que tinha em fartura, agora, era escasso. As coisas que, antes, os homens descartavam e desperdiçavam, agora, eram disputadas até a morte.
Os Illuminati e a Irmandade dominavam o mundo ocultamente (claro, que com a autorização de Deus, pois o próprio Deus era quem colocava os governantes no poder). Deus estabelecia os reis e removia os reis (Daniel 2:20-21). O Altíssimo tinha o domínio sobre todos os reinos dos homens e Ele mesmo escolhia quem queria para governá-los (Daniel 5:20-21). Os satanistas somente faziam o que Deus autorizava, porque o Todo-Poderoso tinha o total controle da situação, apesar de não parecer. Tudo ocorria de acordo com os propósitos de Deus. Nem homens, nem máquinas, nem animais pré-históricos, nem mortos-vivos, nem mutantes, estavam fora do domínio de Deus. Deus era Soberano do mesmo jeito. Mesmo assim, Deus ainda tinha o controle da situação, pois Ele é Adonai, o Soberano Senhor. Ele é o Eterno, que realizou proezas e maravilhas no passado, e que ainda realizaria muito mais. Jesus tem o poder sobre a morte, portanto, nem os mortos-vivos podiam diante do seu grandioso poder. Os homens podiam conhecer a morte, mas Jesus Cristo sempre conheceu a vida. O Messias, o Único Caminho para se chegar até Deus, ainda era fiel aos seus eleitos que foram escolhidos antes da fundação do mundo. Jesus era o Libertador do seu povo. Deus salvaria e vingaria o seu povo.
Existiam homens bons que faziam a diferença na sociedade (homens dos quais o mundo não era digno). Grandes guerreiros que lutavam tanto com as armas e as lutas quanto com o conhecimento e a sabedoria. Jovens e velhos valentes que não temiam os homens e nem os deuses (somente ao Deus de Israel, o Deus Único). Homens que desafiavam a morte e o perigo. Nem os bandidos e os terroristas eram páreos para eles, porque Deus estava com eles. Os monstros os temiam, e as máquinas não compreendiam como que simples humanos ousavam desafiá-las e ainda as derrotavam. Esses homens eram os servos do Deus Vivo, o Deus Altíssimo que fez os céus e a Terra. Adonai, o Grande Criador. O Grande “Eu Sou o Que Sou”. Yahweh, o Eterno, mais conhecido como o Deus judaico-cristão, o Deus dos hebreus e dos cristãos. O Senhor dos Exércitos que reinava sobre o mundo e que toda a Terra estava cheia da sua glória. O Verdadeiro Rei das Nações. O Deus que mantinha o Diabo preso como um Cão a sua coleira. Até Satanás não fazia nada sem a autorização de Deus. Os poderosos agiam bem ou mal de acordo com os propósitos grandiosos de Deus. Os homens eram responsáveis por seus atos, mas fazendo o certo ou o errado, eles faziam tudo conforme os propósitos de Deus. O Todo-Poderoso pode tornar o mal em benção; e trazer à existência aquilo que não existe.
Depois do cataclisma global, os homens se tornaram mais bárbaros do que já eram. Com o colapso mundial, os homens passaram a se matar e a se massacrar como nunca aconteceu antes. Eles se devoravam literamente entre si. A fome e a miséria assolavam a Terra. A sociedade estava totalmente desestruturada.
Os homens se esqueceram de Deus e dos seus Santos Mandamentos. A corrupção, a maldade, o sadismo, a crueldade, a vilania, a prostituição, o homossexualismo, a perversão, a depravação, a ganância, a avareza, a idolatria, a feitiçaria, o assassinato criminoso, a covardia, a opressão, a violência sexual, a tortura, o egoísmo e o individualismo das pessoas. O pecado tomou conta de tudo. 
No Brasil, a apostasia também tomava conta das igrejas evangélicas, mas aos poucos, os verdadeiros cristãos se posicionavam e o avivamento (de volta as Escrituras) começou a aflorar. Existiam jovens crentes em Jesus que eram profetas de Deus na sua geração. Rapazes que faziam a diferença, porque amavam a Deus e não se contaminavam com a corrupção desse mundo. Existia um grupo de jovens cristãos, praticantes de artes marciais e com treinamento militar que combatiam todos os homens maus que ameaçavam os indefesos e as pessoas que eles amavam. Roberto, Natan, Thiago (Phill), Arthur, Victor, Lucas, Willy, Carlos, Rian, William, Oseias e Augusto.
Roberto era graduado em História e praticava defesa pessoal. Ele tinha treinamento na segurança privada e também militar, pois fez vários cursos de manuseio de armas de fogo. O Herói era um historiador e professor de História que acreditava piamente na inerrância das Escrituras, pois para ele, a Bíblia era realmente a Palavra de Deus. Para Roberto, os 66 Livros da Bíblia foram realmente de fato inspirados pelo Espírito Santo de Deus. Roberto aprendeu a falar com dois anos de idade, e desde essa época, ele tinha o costume de conversar com Deus. Com dez anos de idade, começou a ler as Escrituras Sagradas com afinco, e se apaixonou ardentemente pela Palavra de Deus. As suas maiores paixões eram a Bíblia, as artes marciais, as armas de fogo, animes e videogames. Com o seu interesse obsessivo pela Bíblia, Roberto adquiriu uma boa base teológica, e não era tão facilmente enganado como a maioria dos cristãos era enganada pelos falsos profetas. Deus usou a sua paixão pelas artes marciais para que Roberto adquirisse aversão ao Movimento Batalha Espiritual (o maldito movimento herético e diabólico liderado por “ex-satanistas” que mesmo após as suas supostas “conversões” continuavam ensinando os ensinamentos satânicos que eles aprenderam no Satanismo). Deus conversava com Roberto por meio dos desenhos animados, séries e filmes. Deus usava esse método (Alegorismo) para se comunicar com o Herói. O Altíssimo entrava no mundo de Roberto para conversar com ele. O Herói, apesar de sua irreverência (ele era irônico e sarcástico), ele no fundo do seu coração, tinha um profundo respeito e grande admiração pelo Deus de Israel. Roberto se importava mais com os outros do que consigo mesmo. Ele era um homem que estava disposto a morrer pelos seus amigos. Roberto vivia para a justiça, e não para si mesmo. O Herói queria ser a voz daqueles que não podiam falar. A sua maior ambição na vida era estar na lista dos mais procurados do Diabo.
Natan, o Pugilista, era um dos melhores amigos de Roberto. Natan era um grande boxeador formado na área da informática. Ele era íntegro e corajoso. Combatia o mal e amava os seus semelhantes. Natan era cunhado de Alexandre, outro grande amigo de Roberto, que também era um homem íntegro que lutava em prol da justiça.
Carlos era mestre de Jiu-Jitsu e também praticou Kung Fu. Ele era um grande guerreiro que sempre perseverava nas batalhas. Carlos e Roberto não se davam bem quando eram crianças, mas quando cresceram se tornaram grandes amigos. Carlos também era amigo de infância do missionário Arthur, outro homem honrado que era amigo de Roberto.
Arthur era missionário da JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e chegou a pregar o Evangelho em alguns países da Europa, na África e na China (onde o Evangelho era proibido de ser pregado). Arthur era um profeta na sua geração, um jovem que realmente fazia a diferença. Ele também era amigo de infância de Roberto.
Alexandre era cunhado de Natan e filho de um pastor íntegro que vivia o Evangelho e que não se aproveitava da boa fé das pessoas leigas. Alexandre era lutador de Krav Magá (a arte marcial dos hebreus) e usava os seus punhos para lutar em nome da verdade e em nome da justiça.
William, o oficial Paixão, era tenente da Marinha do Brasil. Durante a sua mocidade, William se revoltou contra Deus, mas com o passar do tempo, ele reconheceu a Soberania de Deus e voltou a trilhar o Verdadeiro Caminho. William também gostava de animes e videogames, assim, como Roberto. O Herói e William eram grandes amigos e lutaram um ao lado do outro até o fim dos seus dias.
Oseias, o delegado Ribeiro, era amigo de Roberto e de William desde a adolescência. Maciel, o Miau, também convivia com eles e era um grande amigo de Oseias e de Roberto, mas acabou se envolvendo com a criminalidade e foi assassinado por bandidos rivais. Oseias era um policial honesto que através de sua integridade impactava a vida das pessoas.
Augusto, o oficial Marques, era tenente do Exército Brasileiro e conheceu Roberto no ENA 2013 (Encontro Nacional de Adolescentes) do ministério JOCUM na base de Pitangui em Minas Gerais. Augusto era um idealista e sonhador que sonhava em mudar o mundo. O oficial Marques pelejava por causas nobres e por motivos justos. Ele estava disposto a morrer por isso. O militar estava disposto a se sacrificar por uma causa maior.
Thiago (Phill) era um grande gênio e intelectual que sempre ajudava Roberto quando o Herói precisava de ajuda. Phill era um amigo leal e verdadeiro, e um homem extremamente íntegro e correto em seus caminhos. Ele tinha um espírito reto e um coração puro. Phill praticava Muay Thai (Boxe Tailandês), ele era um grande lutador.
Lucas praticava defesa pessoal e também tinha treinamento militar. Assim, como Roberto, ele também não teve boas experiências amorosas durante a sua existência. Tanto Roberto quanto Lucas não tinham sorte na área sentimental, pois ambos sempre foram desprezados e rejeitados pelas mulheres. Apesar de Roberto e Lucas serem jovens íntegros e corretos em seus caminhos, tanto as garotas do mundo como as garotas da Igreja os desprezavam e os rejeitavam. Mas, esses heróis tinham um objetivo em comum, um propósito, uma missão, que era mudar o mundo, proteger os fracos e fazer a diferença.
Rian era também amigo de infância de Roberto, que também praticava artes marciais e servia na Força Aérea Brasileira (FAB). Ele também era um homem íntegro e correto em seus caminhos. Tinha um espírito reto e era um homem honesto.
Willy era um jovem inteligente, muito amigo de Roberto. Ele era temente a Deus e puro em seus caminhos. Willy lutava pelo que acreditava e também queria mudar as coisas erradas. Ele também se indignava com tudo o que estava errado, e também queria fazer a diferença. Willy praticava Kung Fu (Shaolin do Sul) e usava os seus punhos em prol da justiça, combatendo o mal e protegendo os fracos e indefesos.
Victor era irmão de Lucas, e era um oficial da Marinha, assim, como William. Victor era um grande lutador de Karatê e um grande e corajoso guerreiro. A honra e a integridade faziam parte de seu caráter. O seu coração era cheio de compaixão e de bondade. Victor era um homem digno e honrado.
Satanás, o Diabo, convocou vários deuses pagãos que serviam no seu exército infernal, e os enviou a Terra para executar os seus desafetos. Os alvos desses falsos deuses eram os Guerreiros de Yahweh, ou seja, Roberto e seus amigos.
Baphomet, o Bode de Mendes, conhecido como o deus das bruxas, era um homem caucasiano com uma cabeça de bode preto. Ele tinha os poderes sobre o fogo e o gelo e a telecinese. Ele foi um deus de várias religiões pagãs que costumavam usar a sua imagem para representar o Satanismo e para zombar do sacrifício de Cristo (o Cordeiro de Deus).
Sobek era um homem com cabeça de crocodilo que tinha o poder sobre as águas e era extremamente habilidoso em combate. Ele era forte e poderoso. Todos os seus inimigos o temiam, com exceção dos servos do Deus Altíssimo, que ousaram desafiar o seu poder e o seu domínio.
Hórus, o Senhor dos Céus, filho de Osíris e Ísis, irmão de Anúbis, que derrotou Seth na mitologia egípcia, tinha o poder sobre as chamas. Ele era um homem com cabeça de falcão e era terrível em força e poder. Não seria fácil vencer esse deus pagão, temido na Antiguidade pelos egípcios.
Anúbis, o Guardião dos Mortos, irmão de Hórus, e também filho de Ísis e Osíris. Esse deus pagão era um homem com cabeça de chacal que carregava um cetro mágico consigo. Anúbis era um oponente terrível, e somente um grande guerreiro poderia derrotá-lo. Esse deus podia ficar invisível e conhecia várias magias.
Moloque, conhecido como Milcom, era um deus amonita temido pelos antigos que exigia o sacrifício de crianças para poder aplacar a sua fúria e a sua sede por sangue inocente. Ele amedrontava as nações do Antigo Testamento. O povo de Israel muitas vezes o adorou no lugar do Deus Único, o Deus Verdadeiro dos hebreus. Moloque era um homem com cabeça de touro que carregava um machado de combate consigo com o qual ele esquarteja as suas vítimas.
Dagom, o deus dos filisteus, era um homem-peixe muito temido e adorado na Antiguidade. Quando a Arca da Aliança foi capturada pelos filisteus e colocada no Templo de Dagom, a estátua desse falso deus caiu diante da Arca do Verdadeiro Deus, o Deus de Israel. Dagom cuspia bolhas de ácido em seus adversários e também tinha garras afiadas com as quais feria mortalmente os seus inimigos.
Baal, o deus fenício e cananeu, que tinha o poder de controlar as estações e a natureza, foi adorado em várias ocasiões pelo povo de Israel no Antigo Testamento. Baal foi derrotado pelo profeta Elias no passado, e jurou vingança contra o povo de Deus por essa derrota humilhante. O povo de Israel estava em dúvida em qual Deus servir, mas Elias e outros profetas exortaram o povo a escolher a qual Deus servir, o deus Baal, ou o Deus de Israel, o Único Deus digno de ser adorado e cultuado.
Mitra, o “Solis Invictus”, conhecido como o Sol Invencível, era um deus persa muito poderoso que tinha o poder de se movimentar na velocidade da luz, e de lançar cápsulas de energia e raios de luz para destruir os seus inimigos. Mitra era muito adorado na Antiguidade e até rivalizou com o Cristianismo entre os antigos. Mitra era o deus patrono do Exército romano, que era enraizado pela idolatria pagã, principalmente, pela idolatria greco-romana. Todos os soldados romanos que se convertiam ao Cristianismo se não prestassem culto ao imperador e não sacrificassem aos deuses pagãos eram condenados a morte por alta traição. O Sol Invencível era um adversário muito poderoso, e os heróis cristãos teriam grandes dificuldades para vencê-lo e mostrar para todos, que o Deus de Israel é Deus.
Nosferatu era um poderoso vampiro, parceiro de Vlad Tepes, conhecido como Drácula, ou Vlad, o Empalador. Nosferatu era de natureza sádica e se divertia mutilando e matando as pessoas. Esse vampiro era uma verdadeira desgraça sobre a Terra.
Vlad Tepes, o Drácula, era um mestre na Arte da Guerra, pois ele era um grande e habilidoso guerreiro. Com os seus milhares de anos de experiência lutando em incontáveis batalhas, ele se tornou num dos guerreiros mais brutais e sanguinários da História. Ele lutou ao lado de grandes guerreiros e em diversas pelejas. Drácula participou de diversas guerras e adquiriu técnicas de batalhas que somente poderiam ser aprendidas em várias vidas, se tornando num grande mestre na arte de lutar e de matar. Não seria fácil derrotar Drácula, porque ele nunca havia perdido uma batalha.
Ares, conhecido como Marte, era o deus da guerra. Ele era uma máquina de matar e um mestre na arte de tirar vidas. Ares era cruel e não tinha piedade de ninguém. Marte era terrível em força e grande em poder. Um mestre na arte de guerrear, um mestre da guerra, que já havia ceifado incontáveis vidas. O nome militar (marcial) derivava de Marte, o deus da guerra. Nem por isso, Deus deixava de estabelecer as autoridades bélicas (soldados e policiais), que eram ministros de Deus para punir os maus e louvar os bons (Romanos 13:1-7). O serviço militar também era estabelecido por Deus (Lucas 3:14).
Samhain era um demônio poderoso (conhecido como o demônio do Halloween). Ele tinha um exército de mortos-vivos sob seu comando e era cultuado por diversas bruxas (assim, como Azazel, o Baphomet). Samhain era sádico e impiedoso. Esse demônio era pura vilania e maldade. O banditismo e a crueldade tomavam conta de seu negro e perverso coração. Samhain era cruel mesmo.
Pã, o deus do pânico, era um terrível deus grego, que com sua flauta maldita encantava pessoas e animais. Ele era grotesco e cruel. Pã causava medo e terror nas pessoas por meio de sua “toxina do medo”, que fazia os homens serem tomados pelo horror e serem dominados pelos seus piores pesadelos.
Augusto caminhava em um vale escuro e sombrio e se deparou com Moloque, o deus amonita assassino de crianças. O homem com cabeça de touro tentou esquartejá-lo com seu machado de combate, mas o tenente Marques se esquivou das machadadas e desferiu um chute faca em seu estômago, e, em seguida, lhe desferiu um chute lateral e uma giratória na cara. Milcom tentou revidar, mas foi golpeado por um chute frontal no tórax e quase foi derrubado.
__Você é mesmo forte, garoto! Mas saiba que tenho a força de cem homens. A minha força é sobre-humana. Você não é páreo para mim.
Moloque revidou os ataques espancando brutalmente Augusto, o deixando todo estourado no chão. Milcom começou a pisoteá-lo impiedosamente. O jovem militar sacou uma pistola Beretta calibre 9mm e efetuou vários disparos no rosto do deus amonita, que ficou com a face toda esburacada, mas, logo, se regenerou.
__Eu vingarei todas as crianças e todos os jovens que você matou!
__Você será apenas mais um menino que irei matar!
O combatente se levantou e chutou os testículos de Milcom e saltou desferindo uma giratória na cara do deus amonita, o nocauteando.
Oseias corria procurando os deuses e de repente foi atingido por uma cápsula de energia no estômago e foi arremessado longe. Quando se levantou foi atingido no abdômen e no rosto por vários golpes desferidos na velocidade da luz.
__Você deve ser o delegado Ribeiro, não é mesmo?
__Sou sim. E você dever ser Mitra, o “Solis Invictus”?
__Isso mesmo.
__Lute no meu nível, seu covarde!
__Por que eu deveria? Não darei a menor chance de você me derrotar, agente federal! Saiba, que eu posso me movimentar na velocidade da luz, ou seja, é impossível você ao menos tocar em mim.
Nesse momento, Oseias desferiu um soco cruzado na cara de Mitra.
__Pelo visto, eu consegui te acertar, seu vacilão!
__Pagará caro por sua ousadia, Oseias!
Mitra, o Sol Invencível, avançou se movimentando na velocidade da luz. O delegado Ribeiro sacou uma pistola Glock calibre ponto 40 e efetuou diversos disparos na direção do deus persa, mas Mitra se desviou da trajetória das balas e desferiu um potente soco uke no estômago de Oseias, o fazendo cair de joelhos, sem fôlego.
__Seu tolo! Pensa mesmo que pode vencer o invencível? Eu sou o Todo-Poderoso! Ninguém pode comigo! Ninguém!
Mitra estava revestido por uma armadura de ouro e trajava vestimentas brancas, e uma capa também branca. O Sol Invencível o segurou pelo colarinho e o levantou, o suspendendo no ar, e, falou, dizendo:
__Você vai morrer!
__Não, vou, não!
Oseias, usando as suas duas pernas, chutou os dois lados do rosto de Mitra, o deixando atordoado, e aproveitou a situação para desferir vários socos diretos e cruzados na cara do deus persa, e, em seguida, lhe desferiu um potente soco gancho no queixo e o derrotou.
William empunhava um FAL (Fuzil Automático Leve) calibre 7.62 e carregava na sua cintura uma pistola Colt calibre 45. Quando o marinheiro encontrou o seu adversário, foi logo golpeado por uma voadora no rosto e caiu.
__Mas é o oficial Paixão em pessoa! Hahahahahahahahahaha.
__E você é Sobek, suponho?
__Eu vou esmigalhar todos os seus ossos. Você desejará nunca ter nascido, servo do Deus Vivo!
O militar efetuou vários disparos com seu fuzil contra o homem com cabeça de crocodilo, e o deus egípcio socou o chão, abrindo uma cratera, onde caiu William. O deus pagão começou a vomitar correntes de águas dentro do buraco, afogando o herói. Sobek pulou dentro do buraco onde estava William.
__Eu estou em meu território, tenente Paixão! Você não tem a menor chance de sobreviver. Esse é o seu fim. Você morrerá.
William se atracou com Sobek, e ambos trocaram socos e chutes. O herói golpeou muito o homem com cabeça de crocodilo, e apesar de apanhar bastante, conseguiu derrotá-lo.
Alexandre estava bem atento contra qualquer ameaça e de repente foi atacado por várias bolhas de ácido. O lutador se esquivou de todas com eficiência, e disse:
__Dagom! Era de se esperar! Só podia ser um covarde como você mesmo!
__Todos no Antigo Testamento me temiam, e muitos me adoravam, até o seu Deus estragar tudo. Eu me vingarei do Deus dos hebreus matando você, que é servo d’Ele. Prepare-se, porque você irá morrer!
__Durante muito tempo fiquei afastado dos Caminhos de Deus, mas graças às orações dos meus amigos, eu voltei a buscar a Deus. Para honrar o Nome do Deus de Israel, eu derrotarei você, Dagom, deus dos filisteus.
Alexandre foi ferido diversas vezes pelas garras afiadas de Dagom por todo o seu corpo, mas com poderosos chutes e socos que ele aprendeu no Krav Magá, ele conseguiu derrotar o homem-peixe de cor acinzentada e de olhos amarelos.
Lucas e Willy caminhavam juntos e foram cercados por Hórus e Anúbis. Um círculo de fogo os cercou. O homem com cabeça de falcão usou as suas chamas para cercá-los. Anúbis apontou o seu cetro para os irmãos na fé e lançou vários tipos de magias na sua direção e os feriu gravemente. Hórus também os feriu com suas chamas ardentes. Lucas os encarou, e, falou, dizendo:
__Quem são vocês?
__Eu sou Hórus, o Senhor dos Céus!
__E eu sou Anúbis, o Guardião dos Mortos!
Os dois deuses egípcios começaram a gargalhar sadicamente. Willy avançou neles, mas os falsos deuses se esquivaram e se desviaram de todos os seus ataques. O lutador de Kung Fu olhou friamente em seus olhos, e disse:
__Nós não nos renderemos. Mesmo, que morramos, levaremos vocês juntos conosco. Lutaremos até o fim!
Lucas e Willy saltaram por cima do círculo de fogo e pelejaram contra os filhos de Ísis e Osíris. Lucas desferiu várias joelhadas e cotoveladas no estômago e no rosto de Hórus, o Senhor dos Céus. Willy chutou e socou diversas vezes todo o corpo de Anúbis, o Guardião dos Mortos. Assim, os dois irmãos na fé derrotaram os filhos de Osíris e Ísis.
Thiago (Phill), empunhando uma Shotgun (espingarda calibre 12), foi surpreendido por Baal, o deus dos cananeus e dos fenícios.
__Você demorou, Phill! Eu estava esperando por você.
__Baal!
__Os profetas de Deus me envergonharam no passado. Deus pagará por isso!
__Você perderá, Baal, assim, como perdeu no passado. Assim, como os seus profetas foram envergonhados pelo profeta Elias, eu envergonharei você, para que Deus seja louvado.
__É muita ousadia de sua parte pensar que pode me derrotar, não é mesmo, Phill? Hahahahahahahahahaha. Pensa que pode vencer um deus?
__Com a ajuda do Verdadeiro Deus, eu posso vencê-lo sim.
Phill efetuou um disparo com sua espingarda calibre 12 na direção de Baal, mas o deus cananeu e fenício pegou a bala com uma das mãos e a esmigalhou como se não fosse nada. O grande lutador efetuou mais alguns disparos que esburacaram o corpo de Baal, mas o falso deus se regenerou dos ferimentos. O jovem guerreiro avançou e trocou socos e chutes com seu inimigo o golpeando algumas vezes, mas foi surrado até ficar estirado no chão. Baal começou a pisoteá-lo sem piedade, lhe quebrando algumas costelas. O combatente rolou para o lado, escapando dos pés mortais de Baal, e se levantou cambaleante. Quando o deus falso ia agredi-lo mais, Phill lhe aplicou uma chave de braço, o imobilizando, e socou o seu abdômen e sua cara diversas vezes até derrotá-lo.
Victor empunhava a sua pistola Colt calibre 45 e foi barrado por Pã, o deus do pânico, que lançou a sua toxina do medo contra o militar. O herói foi tomado pelo horror, tendo terríveis alucinações. Pã aproveitou a situação deplorável em que Victor se encontrava e começou a espancá-lo.
__Você já era, cristão! Ninguém consegue escapar da minha toxina do medo. Esse é o seu fim! Hahahahahahahahahaha.
O oficial da Marinha lutou contra os seus maiores medos e temores e conseguiu vencer a toxina do medo, e saltou desferindo um chute frontal na cara de Pã.
__Mas como? Como você conseguiu se livrar da minha toxina do medo? Não importa! Você não escapará da melodia maldita da minha flauta! Hahahahahahahahahaha.
Victor ficou paralisado por causa da melodia, e Pã aproveitou para continuar a espancá-lo, mas o herói também conseguiu quebrar o encanto da melodia da flauta de Pã, e revidou toda a surra que recebeu do deus grego. Pã apanhou tanto que caiu de joelhos. Victor saltou rodopiando e desferiu um potente chute lateral no rosto do deus do pânico, o derrotando com maestria.
Carlos, o mestre de Jiu-Jitsu, foi surpreendido por Baphomet, o Bode de Mendes. O guerreiro cristão saltou por cima do deus das bruxas dando uma cambalhota no ar para continuar a sua jornada, mas Baphomet usou a sua telecinese e o paralisou.
__Venha aqui!
Carlos se contorceu de dor, mas conseguiu quebrar o poder da telecinese e avançou em Baphomet o golpeando diversas vezes com socos e chutes em todo o seu corpo. O deus das bruxas se enfureceu e desferiu um potente soco direto na cara de Carlos e o arremessou contra um pilar, que se partiu.
__Pagará caro por sua arrogância e ousadia!
O Bode de Mendes lançou várias bolas de fogo e várias rajadas de gelo contra Carlos. O mestre de artes marciais se esquivou das magias, mas foi ferido de raspão por várias delas, ficando parcialmente ferido. O deus pagão bateu as suas duas grandes asas e voou até o herói o golpeando. O lutador começou a ser brutalmente espancado pelo deus das bruxas.
__Tolo! Pensa mesmo que pode vencer um deus? Hahahahahahahahahaha.
__Eu posso sim. Eu posso vencer você.
Baphomet tentou socar Carlos, mas o lutador cristão lhe aplicou uma chave de braço lhe quebrando o braço direito. O herói socou diversas vezes o seu abdômen e rosto, o deixando atordoado e cambaleante por causa do impacto dos golpes. Carlos deu um giro de 360 graus chutando a cara de Baphomet (Azazel) e o derrotou.
Rian estava próximo do local onde Alexandre combateu Dagom, e foi golpeado por um potente chute lateral na cara e voou longe. Nosferatu o tinha golpeado usando a sua velocidade vampírica. O vampiro, usando a sua velocidade especial, desferia diversos tipos de socos e chutes no abdômen e no rosto do militar.
__Você jamais conseguirá! Jamais!
__Saia do meu caminho, chupador de sangue! Não tenho tempo para perder com um lixo como você! 
__Prepare-se para morrer, Rian! Esse é o seu fim! Hahahahahahahahahaha. Não tem como você me vencer! Você sabe que morrerá, então, por que ainda continua lutando? De que adianta lutar, se você sabe que perderá?
__Eu não perderei para alguém como você, Nosferatu!
__Acha mesmo que vocês, cristãos, tem alguma chance contra nós? Pensam mesmo que podem nos vencer? Aceitem a sua derrota que é melhor. Por que vocês continuam lutando, sabendo que vão perder?
__Nós lutamos por uma causa maior. Maior até do que você e eu. Mesmo, que eu morra, eu sei que não morrerei em vão. Se eu morrer, morrerei lutando em uma batalha com propósito. Eu morrerei lutando por algo que vale à pena.
O jovem oficial da Força Aérea Brasileira desferiu cotoveladas, joelhadas e caneladas em todo o corpo de Nosferatu e o venceu. 
Natan, o Pugilista, se deparou com Ares, o deus da guerra, que o aguardava para o confronto. Marte estava ansioso para enfrentá-lo, pois a fama de Natan o precedia. Todos no Inferno o conheciam.
__Ora, ora. Você deve ser Natan, o Pugilista? Eu soube de sua grande fama, boxeador. Eu estava ansioso para conhecê-lo pessoalmente. Enfim, um homem que vale à pena matar.
__Saiba, que não tenho medo da morte. Eu estou preparado para morrer, mas eu escolho morrer lutando. Se for preciso, morrerei aqui, mas terei uma morte honrada. Eu lutarei até o fim!
__É de homens, assim, que eu gosto de enfrentar. Matar os covardes não tem graça. Eu gosto de matar os grandes guerreiros. Faço questão de sujar a lâmina de minha espada com o sangue dos heróis. Admiro esse seu olhar firme de determinação. É de homens, assim, que eu gosto. Homens, que valem à pena matar.
Natan e Ares lutaram com ferocidade, espancando um ao outro com muita selvageria. Ambos se feriam e se golpeavam com extrema violência. Era uma batalha épica, entre o deus da guerra e um dos maiores e grandes lutadores que existiam na face da Terra. Natan, mesmo tendo levado a maior surra de sua vida, pois ficou gravemente ferido na peleja, conseguiu derrotar Marte, o deus da guerra.
Samhain e Arthur se enfrentaram na maior batalha de suas vidas. O missionário nunca enfrentara alguém tão forte e poderoso como Samhain, e o deus do Halloween nunca havia enfrentado um jovem com tanta coragem, ousadia e determinação como Arthur.
__Admiro a sua coragem, garoto! Nunca enfrentei alguém como você antes. Em todos esses meus séculos de existência, nunca tinha conhecido alguém tão corajoso. Você é realmente ousado, menino. Matarei você com muito gosto. Você é um grande guerreiro. Você é um jovem muito divertido. Você é alguém que vale à pena matar.
__Lamento te informar, mas não tenho nenhuma intenção de morrer lutando aqui com você. Tenho um propósito, uma missão a cumprir. Não posso morrer aqui. Eu não posso perder. O fracasso não é uma opção.
Samhain tentou com a sua telecinese e grande força destruir Arthur, mas o missionário, com muita coragem e determinação, conseguiu vencer o demônio do Halloween.
Roberto corria a procura de mais inimigos para enfrentar e chegou até uma floresta conhecida como “Inferno Verde”, e viu uma mulher nua empalada em uma estaca de madeira.
De repente, gargalhadas sádicas tomaram conta do local. Drácula surgiu diante de Roberto, segurando a cabeça decepada de outra mulher pelos cabelos em uma de suas mãos.
__Ora, se não é o Senhor Gospel! Eu aguardava por você, Garoto da Bíblia!
__Você é doente, cara! Precisava fazer isso?
__Então, o que pretende fazer, Garoto da Bíblia? Lute comigo, Senhor Gospel! Mostre-me que você é um guerreiro de verdade.
Vlad, o Empalador, soltou a cabeça decepada que saiu rolando até os pés de Roberto. O Herói avançou com ímpeto e fúria para cima do vampiro, que usando a sua velocidade vampírica se esquivou e se defendeu de todos os golpes desferidos por Roberto.
__Eu conheci Huangi Di e Bodhidharma. Eu lutei ao lado de Gengis Khan. Eu combati os árabes durante as Cruzadas. Eu lutei ao lado de grandes guerreiros, como Júlio César e Alexandre Magno. Eu tenho, pelo menos, dez mil anos de prática. Acha mesmo que pode me vencer, menino? Eu cheguei a conhecer os samurais e os cavaleiros medievais que você tanto admira. Saiba, que você é não como eles, seu covarde! Eu te matarei aqui mesmo, e darei a sua carne e os seus ossos para as aves do céu e para as bestas do campo. Roberto, você vai morrer!
__Você pode vim contra mim com uma força sobre-humana e com poderes sobrenaturais, mas eu vou contra você, em Nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos Exércitos, que você tem afrontado. Deus salva, não com armas, nem com lutas. Porque do Senhor é a guerra. Hoje, mesmo, Ele te entregará em minhas mãos. E todos saberão, que de eternidade a eternidade, o Deus de Israel é Deus.
Vlad Tepes estava revestido por uma armadura negra e trajava vestimentas vermelhas e uma capa também vermelha. Ele empunhava em suas mãos uma grande lança feita de aço, com pequenas lâminas em sua ponta. Vlad, o Empalador, era um guerreiro muito experiente em batalhas. Muitos pereceram lutando contra ele. Incontáveis homens e mulheres sucumbiram diante da ponta de sua lança e perante a lâmina de sua espada. O jovem historiador viu uma espada ao lado de um esqueleto humano e a pegou para si, e duelou com Vlad Tepes. O vampiro, usando a sua velocidade especial, espancava com selvageria o Herói. Roberto chutou a lança, a jogando longe. Drácula desembainhou a sua espada e tentou esquartejar Roberto. O Herói foi cortado algumas vezes pela lâmina da espada de seu adversário, mas conseguiu desarmá-lo. O historiador desferiu dois socos ukes em seu estômago, vários socos cruzados em sua cara, e um soco gancho em seu queixo. Drácula desferiu um potente soco direto no coração do Herói, fazendo jorrar muito sangue. O jovem profeta pegou um punhal de prata e o encravou no coração de Drácula, triunfando sobre seu inimigo.
Roberto chegou até um campo aberto e viu um homem formoso, alto e forte, revestido por uma armadura negra e trajando vestimentas vermelhas e uma capa também vermelha. Era outro guerreiro também muito antigo. Era Satanás, o Diabo.
__Você deve ser Roberto, o jovem historiador? Devo lhe dar os parabéns por ter chegado até aqui. Eu o subestimei. Pelo jeito, eu mesmo terei que fazer o serviço pessoalmente. Eu te garanto que você nunca enfrentou alguém como eu antes. Pode ter certeza disso.
__Eu já derrotei inimigos muito mais poderosos do que eu. Já lutei contra os piores bandidos e terroristas e os derrotei. Você não será problema para mim.
__Todos os malfeitores e monstros que você combateu foram enviados por mim. Todos eles estavam sob o meu comando, obedecendo as minhas ordens.
__Como assim?
__Você sabe quem eu sou. Você só não quer acreditar. Tem certeza de que não sabe quem eu sou mesmo, Roberto?
__Quem é você, afinal? Quem é você de verdade?
__Eu subirei ao Céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. Hahahahahahahahahaha.
__Agora, já sei quem você é. Já desconfiava, mas, agora, eu tenho certeza.
Roberto avançou com ímpeto e fúria tentando golpear Satanás, mas o Príncipe das Trevas se defendeu e se esquivou de todos os seus golpes e se movendo na velocidade da luz, o espancou ferozmente, o deixando muito ferido.
__A sua sorte de estar vivo até hoje, é que eu não tinha autorização para matá-lo. Dessa vez, você não escapará de minhas mãos. Não consegui matá-lo por meio da depressão e da angústia. Quando te empurrei do beliche foi apenas um aviso, mas você continuou se metendo no meu caminho, ameaçando os meus planos. Você já trouxe problemas demais para o meu reino. Dessa vez, você vai mesmo morrer. Já era para você ter morrido há muito tempo, mas mesmo você não acreditando em si mesmo, Deus sempre acreditou em você. Sinceramente, eu não sei o que o Altíssimo viu em você. Fracassados como você, devem morrer. Hahahahahahahahahaha.
__ Você já tentou me matar antes e não teve êxito em seu intento. Se eu morrer, antes, irei te dar muito trabalho e dor de cabeça. Eu escolho morrer lutando.
Roberto, mesmo, muito ferido, conseguiu golpear várias vezes com alguns tipos de socos o abdômen e o rosto de Satanás, mas acabou sendo atingido por algumas magias, e ficou desfalecido no meio do campo de batalha.
Os amigos de Roberto chegaram e viram o seu companheiro ferido, estirado no chão. Os guerreiros de Yahweh avançaram e lutaram com bravura contra o Diabo. O Senhor das Sombras usou várias magias e feitiços para derrubá-los, mas eles caíam e se levantavam em seguida, para continuarem lutando. Os companheiros de Roberto conseguiram golpear algumas vezes o Príncipe das Trevas, que mesmo usando uma parte de seu poder, não conseguia vencer os guerreiros de Adonai.
__O que torna os guerreiros de Deus tão poderosos, que eles não se rendem? Eu não entendo! Como vocês depois de receberem as minhas magias e os meus golpes continuam de pé, ainda lutando? Por quê? Eu não compreendo tamanha determinação! Eu sou temido desde a Antiguidade. Os camponeses e os aldeões se amedrontavam só em ouvir o meu nome. Mas, vocês não me temem!
Satanás, o Diabo, sabendo que não conseguiria matar os heróis, decidiu fugir para poder lutar outro dia. Assim, os servos de Deus venceram Lúcifer e os falsos deuses.

AUTOR: Filipe Levi Viasoni da Silva, historiador e professor de História.