domingo, 27 de setembro de 2020

A TEOLOGIA DO COMBATE (AQUELE QUE PROTEGE)

 


Filipe Levi 27/09/20

A TEOLOGIA DO COMBATE (AQUELE QUE PROTEGE)

 

 




INTRODUÇÃO: 





"A minha maior ambição na vida é estar na lista dos mais procurados do Diabo". (Leonard Ravenhill) 





A depressão e a ansiedade estão quase me destruindo, me matando aos poucos, mas eu ainda preciso viver, eu escolho lutar. Mesmo, que eu não consiga mudar o que precisa ser mudado, pelo menos, eu morrerei tentando. Tentarei fazer a diferença, mesmo que eu não veja os meus frutos. Se eu não tentar, nunca haverá resultados. Não tenho nada a perder, mas, mesmo, assim, tentarei fazer o bem. Eu escolho morrer lutando. 





NÃO TENHO FÉ PARA SER ATEU (ACREDITO EM DEUS MESMO): 





Várias mitologias antigas contam sobre o primeiro homem "Adam" ou "Adão". Em várias mitologias antigas se conta sobre um Dilúvio Universal que devastou a Terra. Em várias séries, seriados, desenhos, animes, jogos digitais e filmes se conta sobre um cara muito mal que se rebela contra alguém que é maior e mais poderoso do que ele, porque quer ocupar o seu lugar (em várias mitologias se conta uma história parecida). Diante de tudo isso, eu, Filipe Levi, Graduado em História e teólogo autodidata, não tenho fé para ser ateu. 





ANENCEFALIA EVANGÉLICA (A BURRICE DOS EVANGÉLICOS): 





Segundo as Escrituras, a obrigação dos pais é cuidar de seus filhos e protegê-los, e não espancá-los, humilhá-los e estuprá-los!!! Segundo as Escrituras, o dever do marido é honrar e respeitar a sua esposa. O marido deve proteger e amar a sua esposa, assim, como Cristo amou a Igreja se entregando por ela como sacrifício para salvá-la, e não descer o cassete nela, humilhá-la e traí-la. Segundo as Escrituras, a obrigação do pastor é cuidar e proteger suas ovelhas, porque o bom pastor está disposto a dar a sua vida pelas ovelhas, e não extorquir, explorar e fazer terrorismo gospel pra cima dos membros. Os evangélicos estão precisando ler mais a Bíblia. 





O FALSO MORALISMO DA SOCIEDADE E DA IGREJA (A LEGITIMAÇÃO DA OPRESSÃO): 





Os evangélicos sempre gostaram de legitimar a opressão. Não só eles, mas a sociedade em geral. Para essa sociedade hipócrita e Igreja falsa moralista, os mais velhos tem todo o direito de oprimir os mais jovens, porque eles detêm esse direito vitalício pelo simples fato de terem mais idade. Esse tipo de legitimação chega ao ponto de legitimar a violência física e sexual, sem contar com o assédio moral e com a agressão e humilhação verbais mesmo. Não é a toa que os fariseus do Sinédrio eram um bando de velhos safados. Que o Clero da Igreja Católica era formado por uma corja de gente velha também. Os mais novos somente devem respeitar os mais velhos, quando os mais velhos se dão ao respeito. Por que será que os pedófilos que abusam de criancinhas geralmente são velhos safados? Por que será que os políticos mais corruptos são os mais velhos? Por que será que os fariseus que xingavam Jesus e o acusavam de ter o "Diabo no corpo" (fazem essa mesma acusação contra mim), eram um bando de velhos safados? Velho não é quem tem muitos anos de idade, velho é quem para de aprender e usa a idade como escudo para poder pisar, oprimir e humilhar os outros. 





A SÍNDROME DE LÚCIFER (A SOBERBA E A ARROGÂNCIA DOS EVANGÉLICOS): 



Muitos evangélicos sofrem da famosa "Síndrome de Lúcifer". Eles são soberbos, arrogantes, mentirosos, caluniadores, difamadores, semeadores de contendas, se fazem de "anjos de luz" dentro da Igreja, e ainda querem ocupar o lugar de Deus. Esses são os malditos fariseus! Raça de víboras e filhos do Diabo! Serpentes venenosas que espalham o seu veneno pelas igrejas. Cães e porcos que só pensam em puxar o tapete do próximo em Nome de Deus. Eles oprimem os fracos e indefesos em Nome de Deus, e estufam o peito arrotando santidade. Se acham superiores e melhores do que os outros. Esses crentes pisam e humilham pessoas inocentes que não têm como se defender deles. Eles usam o Nome de Deus para extorquir e explorar e ainda posam de santos nas igrejas. No domingo, na Igreja, são santos, mas durante a semana, fora da Igreja, são uns verdadeiros animais. Se esquecem de Deus com uma facilidade que é incrível! Só se lembram de Deus quando é para usar o seu Santo Nome para oprimir os outros, botando o dedo na cara das pessoas para acusá-las, muitas vezes, de coisas que elas não são e nem sequer fizeram. Eles são corruptos e traiçoeiros. São opressores e extremamente covardes. Só são valentes para oprimir os mais fracos e só respeitam a força que é maior do que a deles. Esses são os malditos religiosos tapados e legalistas que têm todas as características do Diabo, e nenhuma de Jesus. Cristo está mais próximo das prostitutas que sabem que são pecadoras do que desses religiosos que pensam que são santos. Esses são os evangélicos que sofrem da Síndrome de Lúcifer. 





A SÍNDROME DE ADÃO (A MANIA DE SEMPRE CULPAR OS OUTROS): 





A Síndrome de Adão é quando as pessoas costumam jogar a culpa nos outros e em seres inanimados para não ter que assumir a própria responsabilidade. Como, por exemplo, os desarmamentistas que jogam a culpa nas armas, os "ex-satanistas" que jogam a culpa nas artes marciais, os religiosos tapados que jogam a culpa em animes e videogames, os bandidos e psicopatas que jogam a culpa no Diabo ou na sua psicose ou situação social, o fornicário e o adúltero que jogam a culpa nos seus órgãos genitais, o bêbado que joga a culpa na cachaça, o drogado que joga a culpa nas drogas, e o religioso fanático que sempre joga a culpa no Diabo ou nos "pecadores". Essa é a Síndrome de Adão, a mania de sempre jogar a culpa nas outras pessoas ou em seres inanimados, porque não se tem coragem e nem dignidade para assumir os próprios erros e arcar com a própria responsabilidade. 






O LIVRO SAGRADO (O PODER DA PALAVRA DE DEUS): 





Eu cresci com esse Livro. Conheço seu poder. Eu acredito piamente na inerrância das Escrituras. Para mim, a Bíblia é realmente de fato a Palavra de Deus. Muitos reinos e povos tentaram destruir esse Livro, mas não conseguiram. Deus sempre preservou e protegeu a sua Palavra. A Bíblia não é antiga e nem atual, a Bíblia é eterna. A Bíblia é a única arma que atira no morto e o ressuscita. As Escrituras são muito poderosas. O Espírito Santo fala por meio da Bíblia nos dias de hoje. Eu conheço o poder desse Livro. Esse Livro, assim, como o sangue de Jesus, tem muito poder. 





ESQUERDA VERSUS DIREITA (A MINHA OPINIÃO): 





Falarei a minha opinião sobre as vertentes políticas, Direita e Esquerda. O lado bom da Direita é a sua preocupação com a liberdade do individuo, como liberdade de expressão e liberdade religiosa, e menos controle do Estado sobre os cidadãos, mas o lado ruim (extrema Direita) é que uma grande parte dos conservadores (não todos) são xenofóbicos, racistas, machistas e odeiam os pobres. O lado bom da Esquerda é a sua preocupação com o social e com os "excluídos", mas o lado ruim é a sua falta de princípios e valores, ou seja, a sua ausência de conduta ética, defendendo ideologias demoníacas como aborto, liberação das drogas, Militância Gay, Feminismo e ódio generalizado pela Bíblia e pela família tradicional. 





AS MANDINGAS DOS EVANGÉLICOS (OS CRENTES MÍSTICOS): 





Um grande erro dos "crentes místicos" (eu estou falando de evangélicos mesmo, e não de pessoas do mundo), é que eles acham que com feitiçaria, mandingas e misticismo podem enfrentar o Diabo. Sal grosso, fazer o sinal da cruz, usar amuleto contra mau-olhado, rosa ungida, sessão do descarrego, as mandingas da Neuza Itioka, do Daniel Mastral e da Rebecca Brown, e deixar a Bíblia aberta no Salmo 91 ou no Salmo 23 não representam nenhuma ameaça para Satanás, o Diabo. Lúcifer está rindo da cara de vocês, seus idiotas! Seus patéticos! Seus ridículos! Querem saber o que deixa o "Cramulhão" com o "ânus na mão"? Obedeçam o que a Bíblia ensina. Não se preocupem com tradições humanas e nem com liturgia religiosa, mas se importem em ter um relacionamento com Deus. Se vocês obedecerem os Mandamentos de Deus e fizerem o que a Bíblia ensina, vocês sairão vitoriosos contra o Diabo e seus anjos. Do contrário, Satanás continuará rindo da cara de vocês, seus otários!!! 





SEJA HOMEM DE VERDADE (HONRE A SUA MASCULINIDADE): 





Falar grosso, bater em mulher, bater em criança e bater em adolescente não te faz ser homem. O que te faz ser homem é ser fiel e honrar a sua mulher. O que te faz ser homem é não dever para ninguém e pagar as suas contas em dia. O que te faz ser homem é proteger a sua família e defender os fracos e indefesos. O que te faz ser homem é ser honesto e ser íntegro quando todos são maus e corruptos. O que te faz ser homem é respeitar as mulheres, mesmo quando elas não se dão ao respeito. O que te faz ser homem é ensinar as crianças e os adolescentes com amor e "disciplina bíblica" do Novo Testamento, e não na base da porrada, da humilhação e do estupro. O que te faz ser homem é ter atitudes e hombridade de homem e não ter o "pau grande". O que te faz ser homem é não se omitir diante do mal e não folgar com a injustiça, mesmo quando todos são opressores e covardes. É isso o que te faz ser homem, ô "machão patriarcal opressor", que só sabe pegar as partes da Bíblia que lhe convém para poder legitimar a covardia e a opressão. Conheço homossexuais que tem mais atitudes de macho do que esses "machões" que só sabem ser "corajosos", "valentes" e "destemidos" com os mais fracos e com aqueles que não podem se defender. 





TENHO AVERSÃO AO MACHISMO (ABOMINO HOMENS COVARDES): 





Assim, como eu tenho aversão ao Feminismo, eu ainda tenho mais aversão ao Machismo. O interessante do "machão patriarcal opressor" é que ele é muito "macho" para oprimir as mulheres, as crianças e os adolescentes. O "machão patriarcal opressor" é muito "homem" para bater nos mais fracos e para humilhar quem não pode se defender, mas na hora que é para o cara ser "macho", "homem", "pau grande", "corajoso", "valente" e "destemido" com o Diabo ou com um bandido de verdade, o cara é uma "BARBIE". Quando é para o cara ser "homem" e ser "macho" com um opressor que tem a força maior do que a dele, o cara é uma "BONECA". Depois não sabem porque eu tenho aversão ao "MACHISMO". 





NUNCA IMPLORE (LUTE ATÉ O FIM): 





Um grande guerreiro nunca deveria implorar ao seu inimigo pela sua vida. Se a morte sorri para você, você deve sorrir de volta para a morte. Todos nós iremos morrer um dia. Então, por que temer algo que é inevitável? Homens de verdade não temem a morte. Homens de verdade são Aqueles Que Enfrentam a Morte. Há uma maneira de nos imortalizarmos. Os nossos feitos podem nos tornar imortais. Feitos de amor e de justiça. Feitos de coragem e de paz. "Os escritos são a descendência da alma, assim como as crianças o são do corpo". (Tito Flávio Clemente, o Clemente de Alexandria). As nossas obras de bondade e de justiça, de coragem e de valentia, e também as escritas, podem nos imortalizar. Essa é uma das maneiras de vencer a morte, nos tornando imortais na memória e no coração das pessoas. 





A IDOLATRIA NO EXÉRCITO ROMANO (OS PRIMEIROS CRISTÃOS E O SERVIÇO MILITAR): 





O culto imperial e os sacrifícios aos deuses, assim, como os rituais idolátricos praticados nas cerimônias cívicas e religiosas, dificultavam os primeiros cristãos de se alistarem no Exército e de ocuparem cargos públicos, porque os militares e políticos que se recusassem a cultuar o imperador e a sacrificar aos deuses, eram condenados à morte por traição ao Império. Muitos cristãos, que ocupavam cargos de autoridade no governo, foram martirizados, porque se recusaram a negar a Jesus. No século I, os cônsules, Acilius Glabrio e Flávio Clemente, foram martirizados por se recusarem a negar a sua fé em Cristo. Nos séculos II, III, e IV, inúmeros militares e políticos que se converteram ao Cristianismo foram exonerados de seus cargos, torturados, e assassinados por causa de sua fé. Foi um verdadeiro banho de sangue. Oficiais romanos, como, por exemplo, Sebastião (capitão da Guarda Pretoriana), Jorge (tribuno militar), e Expedito (comandante de uma legião), foram torturados, e brutalmente assassinados por amor a Jesus Cristo. Pessoas simples e importantes socialmente enfrentaram o martírio por amarem a Deus acima de tudo. 





A SATANIZAÇÃO DA SEXUALIDADE (DEUS NUNCA CONDENOU O SEXO): 





Infelizmente, a Igreja de Cristo carrega uma carga negativa vinda desde a Igreja Primitiva quando o assunto é a sexualidade e o sexo dentro do casamento. Devido à má influência de filosofias pagãs como, por exemplo, o Estoicismo (Zenão) e o Platonismo (Platão), os cristãos passaram a ter uma visão distorcida da sexualidade dentro da vontade de Deus. A Bíblia, a Palavra de Deus, sempre falou bem do sexo, dentro do contexto do casamento. Praticamente quase todos os Pais da Igreja satanizaram a sexualidade e a Igreja Católica enfatizou essa satanização ainda mais durante a Idade Média. Hoje, muitas igrejas evangélicas ainda afirmam que o prazer sexual é demoníaco e deve ser combatido. O Livro de Cantares, o Livro de Provérbios, e os apóstolos, Pedro e Paulo, e até o próprio Jesus Cristo sempre defenderam a sexualidade. Não importa o que os Pais da Igreja ensinaram ou deixaram de ensinar, se os seus ensinamentos são contrários a Bíblia, a Palavra de Deus. 





JUBAL, JABAL E TUBALCAIM (TODOS OS TALENTOS SÃO DADOS POR DEUS): 





A Bíblia conta sobre três descendentes de Caim que eram muito talentosos; Jubal, que criou a harpa e a flauta; Jabal, que domesticou o gado e criou as tendas; e Tubalcaim, que criou os primeiros instrumentos de bronze e de ferro. Quem conhece as Sagradas Escrituras sabe que a descendência de Caim foi amaldiçoada, então, se formos radicalizar, teremos que afirmar que os músicos, os fazendeiros e os guerreiros são amaldiçoados (somente os imbecis pensariam assim). Todos os talentos são concedidos por Deus, e se tudo o que Satanás usa é dele, então, a Bíblia pertence a ele também, porque essa é sua maior arma para destruir as vidas dos outros semeando heresias. 





COMBATENDO O SUICÍDIO (EU ESCOLHO MORRER LUTANDO): 





Pensamentos suicidas me assombram todos os dias. Pensamentos de morte e destruição. Dores intensas corroem o meu coração. Essas dores dilaceram a minha alma, fazendo toda a minha vida se esvaziar. Mas, para a sua surpresa, eu não vou me matar. Eu escolho lutar até o fim. Mesmo, sem alma e sem coração, continuarei lutando. Mesmo, que eu perca os meus cinco sentidos, enquanto a chama da minha vida permanecer acesa, eu lutarei. Mesmo, desejando a morte e querendo morrer, lutarei. Não me entregarei, assim, tão facilmente. Se quiser me matar, venha pessoalmente fazer o serviço. Eu estarei aqui te esperando. Eu não tenho medo de você. Posso viver “caindo da cama”, mas não desistirei. Eu escolho morrer lutando. 





SOZINHO NO ESCURO (CERCADO PELAS TREVAS): 





Quem me dera saber o que Deus quer da minha vida? Há muitos anos venho me deteriorando aos poucos, sem forças, sem perspectiva e sem esperança. Estou seco por dentro, sem vida alguma. Os meus olhos e ossos se secaram devido à tristeza imensa que domina meu ser. As picadas nos meus rins me causam dores agudas e intensas. Estou dentro de uma caverna escura e dominada pelas trevas. Eu estou sozinho no escuro. Quase sem vida e totalmente sem esperança. Ainda acredito em Deus e tenho um profundo respeito pela Bíblia, mas estou com a minha fé abalada, bem próximo da sepultura. Não vejo a hora de morrer. Desejo demais a morte. Não aguento mais viver neste mundo sombrio dominado por hordas infernais e pelas trevas. 





AS MAIORES MENTIRAS DO CRISTIANISMO (PACIFISMO E REPRESSÃO SEXUAL): 





Durante séculos, Satanás construiu algumas construções ideológicas para oprimir a Igreja de Cristo e desviá-la do verdadeiro foco dos verdadeiros ensinamentos bíblicos. O Pacifismo foi à primeira construção ideológica criada por Satanás, para poder pregar a omissão diante do mal. Mesmo, com os apóstolos, Pedro e Paulo, terem ensinado claramente nas Escrituras que a função das autoridades governamentais é castigar os malfeitores e louvar os homens bons (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17). Mesmo, com João Batista tendo batizado alguns soldados e lhes terem incentivado a permanecerem em sua profissão (Lucas 3:14). Mesmo, com Pais da Igreja como Ireneu de Lyon, Clemente de Alexandria e Eusébio de Cesaréia terem defendido a Guerra Justa e o serviço militar abertamente. Mesmo, com os Pais Apostólicos, Clemente de Roma e Policarpo de Esmirna, terem reconhecido que as autoridades governamentais são legítimas e necessárias para a ordem estabelecida por Deus. A Igreja Cristã, desde o Cristianismo Primitivo, continua satanizando o Estado e pregando o ensinamento diabólico do Pacifismo. A anti-sexualização dos cristãos também é um ensinamento satânico, porque a Bíblia, tanto no Livro de Cantares, quanto no Livro de Provérbios, deixa bem claro, que a sexualidade e o sexo são de Deus. Essas são construções ideológicas que devem ser quebradas em Nome de Jesus, porque Deus nunca ensinou esses ensinamentos demoníacos sem embasamento bíblico nenhum. 





A HIPOCRISIA EVANGÉLICA (A FALSIDADE DE MUITOS CRENTES): 





Sinto a tristeza me matando aos poucos. Diante de tanta dor e de tanto sofrimento que aparentemente nunca será apagado de minha memória. Não busco a Deus por interesse. Não busco a Deus para ganhar alguma vantagem em troca. Eu prefiro ser infeliz com a verdade do que ser feliz com a mentira. Prefiro ser rejeitado por ser sincero e verdadeiro do que ser aceito sendo falso e hipócrita. Dentro das igrejas todos são santos, mas a maior marca do hipócrita, é que ele é crente em toda parte, menos em casa. Muitos são ativistas e bons perante os olhos da sociedade e dentro dos cultos de domingo, mas durante a semana esquecem que Deus existe sem se importar com os seus Mandamentos. Oprimem os fracos e indefesos em Nome de Deus, como se Deus apoiasse essa imundice. Esses cães e porcos podem enganar a sociedade e a todos na Igreja, mas a Deus e ao Diabo, esses malditos não podem enganar. Se o Diabo não pegá-los, Deus pega. Um dia a máscara cai. Se a máscara demorar para cair, Deus arranca. Tudo o que é oculto será revelado. Nenhuma mentira dura para sempre. Deus é justo, e jamais inocenta o culpado. A justiça prevalecerá. 





A OMISSÃO DIANTE DO MAL (O PACIFISMO DESAGRADA A DEUS): 





Às vezes para se chegar à paz, é preciso passar pela guerra; e desistir de lutar não impedirá os malfeitores de praticarem as suas maldades.
A impunidade gera a violência, porque se os bandidos souberem que ficarão impunes de seus crimes, eles se sentirão mais a vontade para continuarem a praticá-los. 





Os seres humanos são homicidas por natureza, pois desde o princípio dos tempos, os homens derramam o seu próprio sangue. A humanidade procura a sua própria destruição e ainda chamam isso de civilização. 





Os pacifistas podem querer a paz, mas os bandidos não a querem; e se omitir diante da maldade não acabará com a violência, porque os malfeitores continuarão propagando o mal.
Se alguma mulher estiver sendo violentada na minha frente, tenho a obrigação de defendê-la; e se alguma criança estiver sendo espancada na minha frente, tenho a obrigação de protegê-la. 





A própria Palavra de Deus nos ensina que não devemos nos omitir perante o mal, porque é nossa obrigação ajudar as pessoas quando elas precisam. Se eu posso defender um inocente de um malfeitor, eu devo fazer isso, senão, eu estarei pecando. Esse papo furado do Diabo de que não devemos resistir ao mal (os fariseus usam versículos bíblicos fora de contexto para pregarem essa asneira) não é bíblico, pois o que Satanás gosta é que os cristãos se omitam diante das coisas erradas mesmo. 





AS MENTIRAS CRISTÃS SOBRE O SERVIÇO MILITAR (A HIPOCRISIA DOS CRISTÃOS PACIFISTAS): 





O impressionante das Testemunhas de Jeová e de muitos evangélicos é que eles mentem descaradamente quando o assunto é o serviço militar e a guerra. É porque mentir e omitir a verdade em nome da paz e do amor pode, não é mesmo? Eles pegam Tertuliano de Cartago, Hipólito de Roma, Orígenes de Alexandria, Cipriano de Cartago e Lactâncio como exemplos e falam que a Igreja Primitiva inteira pensava como esses hereges. O interessante é que o Ireneu de Lyon, o Clemente de Alexandria e o Eusébio de Cesaréia defendiam abertamente a Guerra Justa e o serviço militar (bem antes de Agostinho de Hipona sonhar em existir). Clemente de Roma (elogiava a disciplina e a coragem dos soldados e ensinou que devemos orar pelos governantes) e Policarpo de Esmirna (ensinou a pagar os impostos e a se submeter aos governantes, porque eles são estabelecidos por Deus) reconheciam que as autoridades governamentais são legítimas e necessárias na ordem estabelecida por Deus. Mas, como mentir por uma "boa causa" não é pecado, então, não tem problema nenhum. Ignoremos o fato de Satanás, o Diabo, ser o Pai da Mentira, porque mentir, caluniar, difamar e acusar em nome da paz e do amor não tem problema. 





A FARSA DO DESARMAMENTO (AS MENTIRAS PREGADAS PELA MÍDIA): 





A violência e a criminalidade têm aumentado a cada ano (pensei que o Estatuto do Desarmamento tivesse resolvido esse problema), mas a mídia e as ONGs desarmamentistas continuam culpando as armas dos cidadãos de bem por causa da criminalidade (como se os bandidos comprassem armas legalmente para poderem praticar os seus crimes). Deve ser das casas dos cidadãos que os marginais conseguem roubar suas armas de guerra de grosso calibre também (todos sabem que os delinquentes compram armas como, fuzis e submetralhadoras, de forma ilegal ou as roubam dos quartéis). Tem cidadãos de bem que praticam tiro esportivo sempre e atiram melhor que os militares (que só atiram no treinamento). O Estatuto do Desarmamento não diminuiu a violência e nunca o fará. 





VIDA TÁTICA (COMBATENDO O BOM COMBATE): 





Além de ser Graduado em História (professor e historiador), também sou formado na Segurança Privada (Vigilante Patrimonial). Aprendi a manusear algumas armas de fogo, como, por exemplo, o revólver calibre 38, a pistola calibre 380 e a espingarda calibre 12. Sei também manusear, em teoria (YouTube), o FAL (Fuzil Automático Leve) calibre 762. Já pratiquei algumas artes marciais e também Boxe (Pugilismo). Estudo profundamente a Bíblia (a Escritura) e costumo me dedicar à oração. Ainda não sou o homem e nem o guerreiro que sempre sonhei ser, mas espero algum dia alcançar esse objetivo. Desejo lutar em prol da justiça. Desejo proteger os fracos. Desejo lutar em prol dos outros. Quem me dera um dia conseguir de fato fazer a diferença. 





OSEIAS E GÔMER (JESUS E A IGREJA): 



O Livro de Oseias retrata de maneira eloquente e digna o amor de Oseias (Jesus) por sua esposa Gômer (Igreja), mesmo quando esta saiu de casa para se envolver com a prostituição. 



O amor de Oseias foi incondicional e perseverante (sem interesse mesquinho querendo receber alguma vantagem em troca). O propósito dessa experiência foi nos mostrar o amor e a compaixão de Deus e o preço que Deus pagou para reconciliar o seu povo, a sua Igreja com Ele. Isso é Graça. 



Yahweh, o Eterno, nos ama não por quem nós somos (Graça é um favor imerecido), mas apesar do que somos. Oseias (Jesus) comprou a sua mulher (Igreja) quando ela estava sendo vendida como escrava. Oseias a comprou, não para explorá-la e oprimi-la, mas para amá-la, protegê-la e cuidar dela. Deus te comprou, Jesus te comprou, com o seu precioso sangue. Satanás (Adversário), o Diabo (Caluniador), não passa de um usurpador. O Diabo é o verdadeiro culpado (Guilty). Jesus Cristo, o Grande Libertador, veio te libertar dessas correntes que te aprisionam. O ambiente é pesado e tem cheiro de morte. Estou diante dos Portões do Submundo, as Portas do Inferno estão abertas. Perdi o medo de morrer e do Inferno já há muito tempo. Jesus é a nossa verdadeira Esperança. O pecado separou as pessoas de Deus. Por isso, o Messias veio, sofreu e morreu, mas ressuscitou, para que você e eu fossemos salvos pelo seu sacrifício. Jesus Cristo é o Único Caminho para se chegar até Deus. Jesus é o Caminho de volta para Deus. 



O USURPADOR (DESTRUIDOR): 





"A minha maior ambição na vida é estar na lista dos mais procurados do Diabo". (Leonard Ravenhill) 





Tudo o que é casto, puro e consagrado a Deus, o Diabo (Caluniador) quer usurpar para ele. Satanás (Adversário) é um usurpador (um ladrão, um salteador, um mercenário e um destruidor que só sabe destruir os sonhos e as vidas das pessoas). O Príncipe das Trevas é um oportunista, covarde e traiçoeiro. Só sabe atacar pela traição (só sabe golpear e atirar pelas costas), ele não tem honra e a sua alma é totalmente corrompida pela maldade. O Pérfido trata perfidamente e o Destruidor anda destruindo. Não queria ter nascido. Não sei qual foi o propósito do meu nascimento, mas quero fazer a minha vida, a minha existência valer à pena. Deus é o maior inocente dessa História. Satanás, o Diabo, é o verdadeiro culpado (Guilty), e não Deus. O bom pastor entrega a própria vida pelas suas ovelhas. O Libertador se entrega para salvar a sua Igreja. O Messias (Jesus) veio resgatar o seu povo. O Grande Libertador (Cristo) veio libertar os acorrentados das correntes que os aprisionam. Jesus Cristo (AQUELE QUE VENCEU A MORTE), também é AQUELE QUE PROTEGE, o seu povo, a sua Igreja. Jesus, com o seu precioso sangue, pagou a dívida para salvar a sua Igreja das garras de Satanás, o Diabo. O Rei do Mal (Rei do Submundo) é um usurpador, porque nem a chave de sua própria casa ele tem (Cristo tem as chaves da morte e do Inferno). 





NUNCA SE OMITA DIANTE DO MAL (A OMISSÃO TAMBÉM É PECADO): 





“A única coisa necessária para que o mal triunfe é os homens de bem não fazerem absolutamente nada”. (Edmund Burke) 





O opressor só respeita a força que é maior do que a dele. A violência é a única linguajem que os violentos conhecem. Se omitir diante do mal é tão pecaminoso como praticar o próprio mal. Nós devemos lutar por aqueles que não podem lutar por si mesmos. A nossa obrigação é defender os fracos e oprimidos. Devemos amparar os órfãos e as viúvas. É nosso dever proteger os indefesos. 





A PUNIÇÃO ETERNA (O CASTIGO ETERNO): 





O homem mau pode até parecer que está vivendo na impunidade, mas se a justiça dos homens não castigá-lo por seus crimes (Romanos 13:1-7), a justiça de Deus o alcançará. Se as autoridades estabelecidas por Deus não punir o malfeitor, Deus vai. Quando as portas do Inferno se fecharem, os seus privilégios irão acabar. Todos os crimes e maldades que você praticou cairão sobre você, seu maldito! Você que mata inocentes só por diversão. Você que estupra mulheres indefesas, porque se acha o "machão". Você que abusa de criancinhas às escondidas. Você que oprime e humilha a sua mulher. Você que espanca e humilha os seus filhos. Você que rouba o órfão e a viúva e todos os necessitados. Você que explora os pobres e desamparados e que subjuga quem não tem chance contra você. Quando as portas do Inferno se fecharem, os seus privilégios irão acabar. As chamas do Inferno te aguardam, seu maldito! O Diabo e seus anjos te esperam para você sofrer junto com eles por toda a eternidade. Você que pensava que ficaria na impunidade, que o seu dinheiro e seu poder seriam o seu escudo, terá toda a eternidade para se arrepender, sofrendo e agonizando amargamente, em tormento e dor, por tudo o que você fez os inocentes e indefesos passarem. Você pode continuar se divertindo roubando os pobres, oprimindo, humilhando e violentando os fracos e indefesos, só não se esqueça, que quando você morrer, o Inferno te aguarda. 





O MEU TESTAMENTO (EU SÓ ENSINEI A FAZER O BEM): 





Quero deixar um Testamento antes que muitos lunáticos comecem a estuprar, a torturar, a assassinar e a cometer várias atrocidades em meu nome e depois vão dizer que foi o Filipe Levi quem mandou. Na Idade Média queimaram pessoas inocentes acusadas de Bruxaria e depois disseram que foi Jesus quem mandou. Os extremistas islâmicos (que são um bando de homossexuais enrustidos), praticam atrocidades e barbáries e depois dizem que foi Maomé quem mandou. Os esquerdistas alienados estupram, torturam e assassinam e depois dizem que foi Karl Marx quem mandou. Esses homens nunca disseram para ninguém fazer nada disso, mas são eles que levam toda a culpa, não é verdade? Então, antes que os seguidores fanáticos de "Filipe Levi" façam coisas parecidas em meu nome, saibam que não fui eu quem mandei. Eu não tenho nada a ver com essa merda! 





O DIABO É O CULPADO (GUILTY): 





A Maria não tem culpa da idolatria da Igreja Católica. O Kwan Kun não tem culpa da idolatria por parte de muitos mestres de Kung Fu. O samurai Shiro Tokisada Masuda não tem culpa do jogo Samurai Shodown. Cosme e Damião não têm culpa de denegrirem a imagem deles. O bispo Nicolau não tem culpa pelo Papai Noel. O tribuno Jorge que foi torturado e morto por recusar a negar a Jesus não tem culpa pela idolatria e a feitiçaria em nome de São Jorge. O Tolkien não tem culpa pelo RPG. Satanás, o Diabo, é o culpado por ter deturpado tudo. Satã denegriu a imagem deles. Essas pessoas não são culpadas por terem acabado com a sua reputação. O Diabo é o culpado, e não essas pessoas. 





A AGONIA DO PLANETA (A GRANDE TORMENTA): 





As guerras civis nos países africanos, a fome na África, os ataques terroristas na Europa e nos Estados Unidos da America, catástrofes naturais nos países do Oriente, o aumento assustador da criminalidade no Brasil, a corrupção, famílias destruídas, casamentos destruídos, vidas destruídas e igrejas dominadas e tomadas pela apostasia e pelas heresias. Essa é a grande tormenta, a agonia do planeta. 





A GUERRA SANTA ENTRE O BEM E O MAL (A GUERRA FÍSICA E A GUERRA ESPIRITUAL): 





"O sentimento de luta não deve ser medido pela probabilidade de vitória, mas, sim, pelos valores em defesa dos quais a luta foi feita". 





A luta da Igreja é a Guerra Espiritual (Efésios 6) e a luta do Estado é a Guerra Física (Romanos 13). Os ministros da Igreja devem se dedicar a Batalha Espiritual e os agentes do Estado devem se dedicar a Batalha Física. Cada ministro de Deus deve exercer a sua função, tanto como guerreiro espiritual quanto como soldado, magistrado ou policial. Todos nós, cristãos, somos soldados, com armas nas mãos ou não. A Bíblia, a Palavra de Deus, convoca todos os cristãos a serem heróis, seja como um guerreiro bélico ou como um guerreiro de oração. Cada um tem a sua batalha para travar, seja a física ou a espiritual. 





O SENTIDO BÍBLICO DE LIDERANÇA (SERVIR E PROTEGER): 





"Uma pessoa se torna muito forte quando seu objetivo é proteger algo ou alguém." 





O guerreiro que não respeita a sua espada não é digno de sua espada. O policial que não respeita o seu distintivo não é digno de seu distintivo. O oficial que não respeita a sua patente não é digno de sua patente. O marido que não respeita a sua esposa não é digno de sua esposa. Os pais que não respeitam os seus filhos não são dignos de seus filhos. O governante que não respeita o seu povo não é digno de seu povo. O pastor que não respeita as suas ovelhas não é digno de suas ovelhas. A obrigação daqueles que tem poder é salvar aqueles que não tem poder. O sentido bíblico de liderança é servir e proteger. 





SEJA UM HOMEM DE VERDADE (SEJA ÍNTEGRO): 





Quem é forte se defende sozinho, mas o mais forte defende os outros. A obrigação do forte é proteger o fraco. A obrigação daqueles que tem poder é salvar aqueles que não tem poder. Se quiser testar o caráter de alguém, dê a ele poder. Diante das provações o nosso caráter é forjado e revelado. Como uma manada de animais selvagens, o dever dos adultos (dos mais velhos e mais fortes) é sempre proteger os mais novos e mais fracos. O dever do líder é servir. O dever do governante é servir o seu povo. O verdadeiro sentido bíblico de liderança é servir. O dever do pastor é servir e proteger as suas ovelhas. O dever do marido é honrar e proteger a sua esposa. O dever dos pais é cuidar de sua prole e proteger os seus filhos. O dever de um soldado é salvar vidas. O dever de um cavaleiro é proteger os fracos. O dever de um guerreiro é defender os indefesos. As mulheres são tesouros que nós, homens, devemos honrar e proteger, mesmo que isso comprometa a nossa integridade física ou corramos risco de vida. Isso é ser homem de verdade. Satanás, o Diabo, tenta desfigurar a imagem do homem nas famílias, pois com uma péssima referência masculina (paterna), as pessoas crescem traumatizadas e, muitas vezes, revoltadas com o próprio Deus. O Reino de Deus precisa de homens de verdade (homens corajosos e ousados) que tenham peito e coragem para proteger os fracos, combater o mal e fazer a diferença na sociedade. 





A JUSTIÇA E A VINGANÇA: 





Há séculos, um samurai foi incumbido de vingar a morte de seu mestre, pelejou contra o assassino e o derrotou. Quando o samurai estava prestes a executá-lo, o assassino ficou desesperado e cuspiu em seu rosto. O Guerreiro Sagrado guardou a sua espada (Katana) e foi embora, pois era desonroso para um samurai matar por motivos pessoais. Há diferença entre vingança e justiça e muitos leigos acabam confundindo uma com a outra. A própria Bíblia é a favor da justiça, mas não da vingança. A justiça é necessária para a punição e castigo dos malfeitores (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17). A vingança é apenas uma resposta emocional baseada no ódio e no rancor, mas a justiça é baseada na coragem e na honra.




DIFERENÇA ENTRE PACIFICAÇÃO (PACIFICADOR) E PACIFISMO (PACIFISTA): 





Há diferença entre Pacificação e Pacifismo. Há diferença entre ser pacificador e ser pacifista. Há diferença entre ser da paz e ser covarde. Há diferença entre ser "paz e amor" e ter compaixão. Há diferença entre amor e omissão. Se omitir diante do mal é ser covarde e conivente com a maldade mesmo, e não ser "paz e amor". Paulo em (Romanos 13:1-7) e Pedro em (1 Pedro 2:13-17) deixam bem claro isso na BÍBLIA (A PALAVRA DE DEUS). João Batista, o precursor do MESSIAS em (Lucas 3:14) deixa bem claro a opinião dele sobre o serviço militar também. Se você quer ser covarde e omisso, ou seja, pacifista, o problema é seu, mas, por favor, não invente coisas na Bíblia que a Bíblia nunca ensinou, e nem coloque palavras na boca de Deus, que Deus nunca disse. 





A TENTATIVA DE EXTERMÍNIO DAS GERAÇÕES FUTURAS (A ESTRATÉGIA DE SATANÁS): 





"Que o seu nome seja conhecido no Céu e temido no Inferno". (Leonard Ravenhill) 





Uma tática suja muito usada por ditadores, conquistadores e genocidas é matar as crianças e os jovens, para que não haja resistência no futuro. Assim, eliminando as gerações futuras, não haverá resistência. É exatamente isso o que Satanás, o Diabo (Mestre dos Pesadelos) faz. O maior alvo de Satanás são as crianças e os jovens, pois assim, ele impedirá que existam os Guerreiros dos Sonhos, os Guerreiros do Futuro. O Diabo (Guilty) costuma desviar a atenção, o foco das pessoas (todos os bandidos e terroristas espertos fazem isso) para que as pessoas não foquem no que realmente importa. Satanás, o Diabo, quer destruir as vidas dos jovens, os usando em seus planos maléficos, para depois descartá-los. A Igreja precisa de homens de verdade (só tem frouxo na Igreja), de Guerreiros dos Sonhos, Cavaleiros da Esperança, para fazerem a diferença, porque alguém tem que lutar por esses jovens. Alguém tem que proteger as crianças. Alguém tem que salvá-los e livrá-los das garras de Satanás. Alguém tem que ter a coragem e a ousadia de libertá-los das correntes infernais do Diabo. 





AS FILHAS DA ESPERANÇA (A INDIGNAÇÃO E A CORAGEM): 





"Cada época é salva por um pequeno punhado de homens que têm a coragem de não serem atuais". 

— G. K. Chesterton. 





Segundo, Agostinho de Hipona (Santo Agostinho), a esperança tem duas filhas, a indignação e a coragem. A esperança é esperar aquilo que não podemos ver, mas que acreditamos que está lá. A indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão, e a coragem nos dá força e ousadia para mudá-las. Nunca se cale diante da injustiça! Jamais se omita diante da opressão. Sempre defenda a causa dos oprimidos. Não fique do lado do opressor. Faça a diferença! Proteja os fracos! Faça o bem sem esperar alguma recompensa em troca. Faça o certo, porque é o certo a se fazer. Faça a coisa certa. Lute por aqueles que não podem lutar por si mesmos. Seja a esperança dos perdidos. Seja a voz daqueles que não podem falar. Seja a mudança que deseja ver no mundo. Não se conforme com o que está errado. Concerte as coisas que estão erradas. Mude tudo aquilo que precisa ser mudado. Se não tem quem faça, faça você mesmo. Se todos são covardes, seja valente! Se todos se omitem, não se omita! Se todos são corruptos, seja honesto! Se todos são maus, seja bom! Se todos temem a morte, encare a morte! Se todos tem medo do Diabo, enfrente o Diabo! Faça o que ninguém mais quer fazer! Se ninguém quiser fazer o "trabalho sujo" faça você mesmo. Se omitir é a pior coisa que podemos fazer. Seja corajoso e indignado com as coisas erradas. Seja diferente, faça a diferença. 





A GUERRA DO CRISTÃO (A TEOLOGIA E A ORAÇÃO): 





"A única preocupação do Diabo é impedir os cristãos de alcançarem o território da oração. Satanás não teme estudos bíblicos separados da oração, labor cristão sem oração e vida religiosa distante da oração. Ele até ri da nossa labuta, zomba da nossa sabedoria, mas treme quando oramos." (Leonard Ravenhill) 





A oração e o estudo bíblico (Teologia) são as coisas mais importantes para o cristão. A oração é o seu relacionamento com Deus, e a sua maior arma de guerra, ou melhor, dizendo, a oração é a sua própria guerra. Orar e interceder pelas pessoas. Lutar em prol dos outros. Buscar ter um verdadeiro e sincero relacionamento com Deus. Essa é a importância da oração. O estudo das Escrituras é importantíssimo para o cristão, pois a Bíblia, a Palavra de Deus, é a Espada que o cristão empunha e maneja para poder combater as forças satânicas deste mundo. O Diabo teme e se sente ameaçado com aquele crente que ora e estuda a Bíblia. Portanto, o cristão, o crente em Jesus, deve se dedicar a oração e ao estudo da Palavra. 





A ESPADA DO ESPÍRITO: 





"Os guerreiros também são feridos e chegam até ser derrotados, mas jamais largam a espada". 

(Sid Aguiar) 





“A frase "Espada do Espírito" é encontrada apenas uma vez nas Escrituras, em (Efésios 6:17). A espada é parte da armadura espiritual que Paulo diz aos cristãos para colocar a fim de poderem lutar eficazmente contra o mal (Efésios 6:13). A espada é uma arma tanto ofensiva quanto defensiva usada para se proteger do mal ou para atacar o inimigo e vencê-lo. Era necessário que um soldado tivesse um treinamento rígido sobre o uso correto de sua espada para obter dela o máximo benefício. Todos os soldados cristãos precisam do mesmo treinamento rígido para saberem como lidar corretamente com a Espada do Espírito, "que é a Palavra de Deus". Já que cada cristão encontra-se em uma batalha espiritual contra as forças satânicas deste mundo, precisamos saber como manusear a Palavra corretamente. Só, então, ela será uma defesa eficaz contra o mal e uma ofensa valiosa para "destruir fortalezas" do erro e da mentira (2 Coríntios 10:4-5). A Palavra também é chamada de espada em (Hebreus 4:12). Aqui, a Palavra é descrita como viva e eficaz e mais penetrante que uma espada de dois gumes. A espada romana era comumente de dois gumes, tornando-a melhor para perfurar e cortar em ambos os sentidos. A ideia das Escrituras penetrando significa que a Palavra de Deus atinge o "coração", o centro de ação, e traz à tona os motivos e sentimentos daqueles em quem ela toca. O propósito da Espada do Espírito -- a Bíblia -- é nos fortificar e capacitar a suportar os ataques de Satanás (Salmo 119:11; 119:33-40; 119:99-105). O Espírito Santo usa o poder da Palavra para salvar almas e dar-lhes força espiritual para serem soldados maduros para o Senhor. Quanto melhor conhecermos e compreendermos a Palavra de Deus, mais úteis seremos em fazer a vontade de Deus e mais eficazes em enfrentar o inimigo de nossas almas”. 








OS PUNHOS E AS ARMAS EM PROL DA JUSTIÇA (LUTAR EM PROL DOS OUTROS): 





"Covarde não é aquele que evita um combate, covarde é aquele que mesmo sabendo que é superior luta e fere o mais fraco". (Bruce Lee) 





Os punhos e as armas do cristão só devem ser usados em nome da justiça; não justiça para si mesmo, mas justiça para aqueles a quem o cristão jurou proteger. Devemos lutar com o coração em paz, para poder combater o mal em nome da justiça. Proteja os fracos! Lute por aqueles que não podem lutar por si mesmos. Os meus punhos são para serem usados para me proteger e defender os outros. Isso é ser um verdadeiro guerreiro. É isso o que um herói faz. Lute em prol da justiça. Lute em prol dos outros. 





NUNCA PERCA A SUA INTEGRIDADE (FAÇA A DIFERENÇA, SEJA A DIFERENÇA): 





“Quando os jovens tentarem ser como você. Quando os preguiçosos se incomodarem com você. Quando os poderosos olharem por cima dos ombros para você. Quando os covardes tramarem nas suas costas. Quando os corruptos desejarem que você desapareça e os bandidos desejarem você morto; somente aí, você terá feito a sua parte”. (Phil Messina) 





O verdadeiro contexto de (Romanos 13:1-7) é justamente esse, o trabalho da Polícia no combate ao crime. Deus nunca foi e nem será pacifista. Os “cristãos” banalizaram e vulgarizaram “a paz, o amor e o perdão”. No primeiro século, no Império Romano, quem fazia o trabalho da Polícia atual, era o Exército (a Polícia é uma instituição do Estado Moderno). Hoje, a Segurança Privada é uma extensão da Segurança Pública. Os apóstolos, Pedro e Paulo, legitimaram o uso da força bruta e de armas letais para se combater o crime e para castigar os malfeitores (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17). O grande profeta, João Batista, que segundo o próprio Cristo, foi o maior profeta que já existiu, quando batizou alguns soldados, ele incentivou os militares a continuarem sendo combatentes, portanto, que esses guerreiros fossem honestos e justos (Lucas 3:14). O amor não folga com a injustiça, mas defende a verdade. O marido tem o dever e a obrigação de honrar e proteger a sua esposa. Os pais têm a obrigação e o dever de cuidar e de proteger os seus filhos. A obrigação daqueles que tem poder é salvar aqueles que não tem poder. O Estado (Romanos 13:1-7) tem a autorização de Deus para usar a espada (Machaira) para combater os malfeitores e corruptos, porque o dever do governo é louvar e proteger os bons, ou seja, os cidadãos de bem. 





O JESUS EQUILIBRADO (O JESUS DA ESCRITURA): 





O Jesus “pacifista” dos cristãos não é o mesmo Jesus da Escritura. Porém, o Jesus de Reza Aslan (Zelota) também não é o Jesus da Bíblia. O Jesus da Palavra de Deus nunca foi “Hippie” (paz e amor), mas também nunca foi um guerreiro revolucionário. Realmente, Jesus usou um Azorrague (chicote) para expulsar os cambistas do Templo de Jerusalém e ordenou aos seus discípulos para que eles comprassem espadas. Mas, Cristo nunca se envolveu em movimentos revolucionários armados para libertar Israel do domínio romano. Jesus nunca pregou o fim de Roma e nem liderou movimento armado nenhum para derrubar o Império Romano. Assim, como Ele nunca pregou o Pacifismo, ou seja, a omissão, a apatia e o conformismo diante do mal. 





O JESUS DA “FÉ” E O JESUS DA ESCRITURA (A GRANDE DIFERENÇA): 





A "visão" que o mundo e a Igreja têm de Jesus é totalmente distorcida do Jesus verdadeiro revelado nas Escrituras. As pessoas enxergam Jesus como um tipo de "Hippie" (paz e amor), um "grande pacifista" (que não tem senso de justiça e que pregou a omissão e a apatia diante do mal), ou o "Bob Marley" (o que importa é que as pessoas sejam felizes e não o que a Bíblia ensina), menos o Messias relatado na Bíblia. O Jesus da Bíblia era desbocado (Ele era boca suja mesmo). O Jesus da Bíblia se indignava com as coisas erradas e criticava as injustiças que o povo sofria. O Jesus da Bíblia xingava, insultava e ofendia os fariseus e os saduceus (os religiosos hipócritas e falsos moralistas da época). O Jesus da Bíblia tinha compaixão pelos "pecadores" e amava os desamparados e os oprimidos. O Jesus da Bíblia elogiou a fé e a integridade de um militar, mas desprezou a religiosidade hipócrita e o falso moralismo dos fariseus. O Jesus da Bíblia era conhecido como o "AMIGO DAS PROSTITUTAS" (o amigo das "putas" mesmo). O Jesus da Bíblia comia e bebia com os "pecadores", porque Ele era o "AMIGO DOS PECADORES". O Jesus da Bíblia (segundo os fariseus) tinha o Diabo no corpo, porque Ele expulsava os demônios em nome de Belzebu. O Jesus da Bíblia pegou um chicote (Azorrague) nas mãos e desceu a chicotada nos cambistas e saiu virando as mesas lá no Templo de Jerusalém. Viram como o Jesus da Bíblia é um "Hippie e grande pacifista"? Quando uma mentira é repetida mil vezes (como se fosse um mantra), ela se torna numa "verdade". Assim, se constrói uma construção ideológica. 





MUITO ALÉM DO CIDADÃO KANE (A VERDADE SOBRE A REDE GLOBO): 





A maldita da TV Globo apoiou a Ditadura Militar ativamente; sempre foi manipuladora e atrasou o Brasil. O nosso país seria muito melhor se a Rede Globo não existisse. Assim, como ela apoiou Fernando Collor descaradamente, essa maldita emissora apoia o Desarmamento de maneira desonesta, apelando para sofismas, mentiras e meias verdades; omitindo fatos, manipulando dados e distorcendo a verdade (como sempre fez). As suas novelas, cheias de adultério e promiscuidade, contaminam as famílias brasileiras com suas perversões. A Rede Globo nunca foi empata ou altruísta (não se enganem). A TV Globo sempre foi manipuladora e maquiavélica e sempre será. Vejam o documentário “Muito Além do Cidadão Kane”. A Rede Globo sempre atrasou o Brasil. 





O SERVIÇO MILITAR E OS CRISTÃOS PRIMITIVOS (OS PRIMEIROS CRISTÃOS E AS AUTORIDADES): 





Os Pais Apostólicos Inácio de Antioquia, Policarpo de Esmirna e Clemente de Roma enxergavam as autoridades com muita naturalidade. Inácio de Antioquia usava termos militares e de combate para se referir à vida cristã. Policarpo de Esmirna reconheceu que as autoridades governamentais são estabelecidas por Deus e que é lícito pagar os impostos aos governantes. Clemente de Roma ensinou que devemos orar pelos governantes e elogiou o trabalho e a disciplina dos soldados. Clemente de Alexandria, muito antes de Agostinho de Hipona, já defendia o serviço militar e o combate, ou seja, Clemente de Alexandria defendia a Guerra Justa e a Resistência ao Tirano. Na Igreja Primitiva existiram bispos que defenderam o serviço militar. 





O PROFETA DE DEUS (UM HOMEM À FRENTE DO SEU TEMPO): 





"Um profeta não pode ser compreendido por um povo que não compreende Deus." 





Sempre fui mal compreendido pelas pessoas (principalmente, pelos crentes). Sempre fui odiado por pregar a Verdade que as Escrituras ensinam. Sempre fui desprezado por amar as coisas do Reino de Deus. Sempre fui rejeitado pelas mulheres (principalmente, pelas evangélicas) por me manter íntegro e puro. Sempre fui perseguido e detestado pela grande maioria dos religiosos por eu pregar contra o fundamentalismo e legalismo religioso. Sempre tentaram me matar desde criança por eu ter o chamado de profeta e de intercessor. Sempre fui um incompreendido da minha geração por estar à frente do meu tempo. 





CLEMENTE DE ALEXANDRIA (UM HOMEM À FRENTE DO SEU TEMPO): 





"Os escritos são a descendência da alma, assim como as crianças o são do corpo". (Tito Flávio Clemente, o Clemente de Alexandria). 





Tito Flávio Clemente, conhecido como o Clemente de Alexandria, é considerado o maior dos Pais da Igreja do Cristianismo Primitivo. Clemente era um grande revolucionário para a sua época (um homem à frente do seu tempo). Quando todos satanizavam o serviço militar e a prática de esportes, Clemente de Alexandria ousou defender a Guerra Justa, a prática esportiva e até o direito que os povos têm de se rebelarem contra governantes tiranos e corruptos que tentem escravizá-los. Tito Flávio Clemente criticava o racismo e pregava contra a Escravidão. Ele pregava a igualdade entre as pessoas e que os cristãos devem lutar em prol da justiça. Clemente de Alexandria estudava mitologias e lendas pagãs e pregava que até nas filosofias seculares e pagãs se encontrava a Glória de Deus. Apesar de ter cometido o erro de criticar a sexualidade (algo muito comum entre os Pais da Igreja, devido à má influência de ideologias baseadas no Estoicismo e no Ascetismo), na cabeça dele (em uma sociedade patriarcal, escravocrata e extremamente machista), quando ele ensinou que o marido não deve olhar e nem desejar a sua mulher de maneira desrespeitosa, ele quis dizer que os homens devem respeitar e valorizar as suas mulheres. Tito Flávio Clemente não era perfeito e também cometeu erros (como eu e todos vocês cometem), mas, assim, como Agostinho de Hipona, Clemente de Alexandria foi um grande teólogo e filósofo, e, com certeza, um dos maiores Pais da Igreja. 





O CÂNCER DA IGREJA (ENTRETENIMENTO E LEGALISMO): 





O Legalismo (fanatismo e radicalismo) e o Entretenimento (Pão e Circo) são as maiores ameaças do Cristianismo. Não há nenhum lugar sequer na Bíblia que ensine que é a obrigação da Igreja entreter e divertir as pessoas. O Legalismo era o principal alicerce do Sinédrio (fariseus e saduceus). O Diabo se encontra nos extremos. Os cristãos costumam cometer dois erros fatais; eles vêem o Diabo em todo lugar ou não vêem Satanás em lugar nenhum. O Legalismo é um câncer que corrói os alicerces da Igreja de Cristo, mas o Entretenimento (Pão e Circo) também é outro câncer maldito que deve ser extirpado da Igreja. 





OS “CHAVÕES” EVANGÉLICOS (CONSTRUÇÕES IDEOLÓGICAS): 





Existem duas construções ideológicas construídas por Satanás que tem dominado as igrejas evangélicas (principalmente, as pentecostais e neopentecostais). As construções ideológicas do "Não julgueis" e a do "Não toqueis no ungido do Senhor". Qualquer pessoa que tenha um pouco de interesse em estudar a Bíblia seriamente (e que não seja desprovida de inteligência), perceberá que esses dois ensinamentos são diabólicos, satânicos, demoníacos e luciferianos, porque não tem base bíblica nenhuma. Interessante é que o próprio Jesus Cristo, os profetas e os apóstolos julgavam. Mas, aí, as bestas dos evangélicos afirmam que Jesus podia, porque Ele era Jesus. Interessante é que eu posso seguir Jesus em tudo e tenho que ser igual a Jesus, menos nisso. E os profetas e os apóstolos? Eram só eles que podiam também? Os Pais da Igreja e os Reformadores podiam também, e, só nós, cristãos da atualidade, é que não podemos? Eles pegam essa frase de Jesus fora de contexto (não se dão nem ao trabalho de pegar o versículo inteiro para deturpar o que Jesus ensinou) para pregar essa asneira do "Não julgueis" para poderem legitimar a impunidade e a omissão diante da opressão. Sobre a heresia diabólica do "Não toqueis no ungido do Senhor", eles usam versículos fora de seu verdadeiro contexto e o único exemplo de personagem bíblico que eles usam para defender essa asneira é o rei Saul (que grande exemplo!). Um cara que consultou os mortos, que assassinou profetas de Deus, que vivia desrespeitando a Deus e aos seus Mandamentos constantemente e que ainda se suicidou no final. Por favor, vão ler a Bíblia e estudar Teologia, seus tolos. 





O PACIFISMO É ANTIBÍBLICO (DIABÓLICO E DEMONÍACO): 





Durante a História do Cristianismo, os maiores teólogos (Pais da Igreja, pregadores e Reformadores) sempre condenaram o Pacifismo. Clemente de Roma, Clemente de Alexandria, Ireneu de Lyon, Eusébio de Cesaréia, Agostinho de Hipona, Ambrósio de Milão, Jerônimo de Strídon, Martinho Lutero, João Calvino, Ulrico Zuínglio, Richard Baxter, John Owen, William Wilberforce, Charles Spurgeon, Chesterton, C. S. Lewis e muitos outros não eram pacifistas. Os apóstolos, Pedro e Paulo, deixam bem claro a sua opinião sobre as autoridades governamentais em (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17). João Batista também deixou bem claro o seu pensamento sobre o serviço militar em (Lucas 3:14). Essa historinha de que Jesus era um “Hippie” (paz e amor) não tem embasamento bíblico, ou seja, o Pacifismo é antibíblico mesmo. 





OS “MONSTROS” CRIADOS PELA PRÓPRIA IGREJA (FEMINISMO E MILITÂNCIA): 





O Feminismo e a Militância Gay são "monstros" criados pela própria Igreja. Geralmente, as feministas sofreram violência e abusos por parte de homens "machões" que só sabem ser "homens e machos" com os mais fracos. Geralmente, os gays sofreram abandono, violência, opressão e exclusão por parte da sociedade (principalmente, por parte da própria Igreja). Agora, esses “monstros” querem nos engolir, por culpa do desprezo e do ódio que vocês, "cristãos" sempre pregaram contra essas "minorias". Jesus ensinou que devemos ter compaixão pelos "pecadores" e não persegui-los em nome da "paz e do amor". A Igreja deveria amparar esses "grandes pecadores" e não desprezá-los e rejeitá-los. Esses "monstros" foram criados por vocês, agora, vocês terão que resolver esse problema. Deus é "amor e misericórdia" só quando é conveniente para vocês. Não se esqueçam que Deus também é IRA, SANTIDADE E JUSTIÇA!!! Jesus sempre abominou e teve aversão a religiosos legalistas, hipócritas, falsos e fanáticos como vocês, que vivem arrotando "santidade" se achando melhores e superiores do que os "pecadores". Vocês não passam de sepulcros caiados! Vocês são belos por fora, mas são podres e fedem a carniça por dentro. Vocês já estão mortos e não tem alma, só que ainda não sabem disso. 





O ARGUMENTO DA OPRESSÃO (ASSÉDIO MORAL, VIOLÊNCIA FÍSICA E ABUSOS SEXUAIS): 





Usar o argumento de que os filhos devem se submeter a humilhações, assédio moral e violência física por parte dos pais pelo simples fato de que os pais pagam as contas e sustentam a casa, é a mesma coisa que alegar que a mulher que apanha do marido e é traída por ele, deve se submeter a esse opressor, porque ele paga as contas e sustenta a casa. É o mesmo que dizer que as comunidades periféricas devem respeitar e defender os traficantes, porque esses bandidos ajudam o povo com cesta básica. É o mesmo que afirmar que devemos respeitar o doutor Paulo Maluf e os políticos corruptos do PT (Partido dos Trabalhadores) que porque eles fazem o "trabalho deles" não tem problema eles roubarem, porque eles roubam, mas fazem. 





A PERSEGUIÇÃO FORJA VERDADEIROS CRENTES EM JESUS (OS MÁRTIRES DA FÉ): 





"A perseguição forma os verdadeiros cristãos e a suprema liberdade permite que falsos cristãos e o falso evangelho se propaguem". 





Durante a História do Cristianismo, os cristãos sempre tiveram as mesmas atitudes perante a liberdade suprema, atitudes de apostasia e de mediocridade. Infelizmente, a perseguição sempre foi a maior motivação para os cristãos viverem de acordo com a vontade de Deus. Quando a Igreja não é perseguida, os cristãos vivem na hipocrisia e na falsidade, mas quando tem perseguição, os verdadeiros cristãos se posicionam. A Igreja Evangélica brasileira carece de perseguição. A apostasia já alcançou um nível insuportável de legalismo e religiosidade. 





FAÇA A DIFERENÇA (SEJA UM HERÓI): 





Quando todos se omitem diante do mal. Quando todos se conformam com as coisas erradas. Quando todos folgam com a injustiça. Quando todos te perseguem, porque você ousa questionar o que está errado. Os heróis são aqueles que fazem o que ninguém mais quer fazer. Se não tem quem faça, se não tem ninguém para fazer, o herói tem que tomar a iniciativa e fazer. Muitas vezes, os heróis são desprezados, rejeitados, abandonados e excluídos. Mesmo, você sabendo que levará a pior e que se dará mal por fazer o bem, mas, mesmo, assim, você ousa fazer o que é correto, você é corajoso de verdade. Quando você ousar desafiar os malfeitores. Quando não temer o perigo e nem a morte. Quando você se importar mais com os outros do que consigo mesmo. Quando você estiver disposto a morrer lutando pelo que você acredita. Quando você amar tanto os seus amigos que você estaria disposto a morrer no lugar deles para salvá-los. Quando você encarar uma batalha impossível em prol dos outros. Quando você estiver na lista dos mais procurados do Diabo. Sinta-se honrado, pois é isso o que te faz ser um herói. 





LIBERTE OS ACORRENTADOS PELO DIABO (QUEBRE AS CORRENTES DA OPRESSÃO): 





"Se Deus impor as mãos sobre você todo o mundo saberá. E você não será conhecido aqui, você será conhecido no Inferno". (Leonard Ravenhill) 





É muita ingenuidade acreditar que quando você invadir o território do seu inimigo, travando batalhas contra os seus soldados, resgatando os perdidos das trevas, libertando os acorrentados das correntes infernais, libertando os oprimidos da opressão, causando o caos e a desordem em seu reino, e ainda querer sair com os reféns resgatados e não querer ser notado. Quando você prega o Evangelho e busca fazer a vontade de Deus, isso chamará a atenção do Diabo e seus anjos (de todos os malfeitores em geral, tanto criminosos comuns quanto religiosos maus). Se você ousar se opor ao Diabo e seus seguidores, eles virão para cima de você. Se Deus impor as suas mãos sobre você, e as pessoas ao seu redor verem a Glória de Deus em sua vida, por meio de suas atitudes e gestos de compaixão, de bondade e de justiça você não será conhecido somente aqui na Terra, mas também será conhecido no Inferno. Faço das palavras de Leonard Ravenhill minhas palavras também: “A minha maior ambição na vida é estar na lista dos mais procurados do Diabo”. Eu estou preparado para morrer, mas eu escolho morrer lutando. 





A VERDADE SOBRE OS PRIMEIROS CRISTÃOS (CRISTIANISMO PRIMITIVO): 





Os primeiros cristãos acreditavam na volta iminente de Jesus, portanto, muitos deles abandonavam os seus empregos e vendiam as suas propriedades, e muitos até não casavam, porque acreditavam piamente que a vinda do Reino de Deus estava próxima. Além do culto imperial (prestação de culto ao imperador) e dos sacrifícios aos deuses pagãos (práticas idolátricas obrigatórias entre os soldados romanos), os cristãos do século I eram um grupo muito pequeno (minoritário). Além das perseguições estatais de Nero e de Domiciano que dificultavam os primeiros cristãos de ocuparem cargos públicos ou até se alistarem no Exército. A partir do século II (muito antes do ano 170, como muitos religiosos ignorantes e tapados afirmam) os cristãos passaram a se alistar no Exército e a ocupar cargos políticos. No segundo século já existiam muitos senadores e soldados cristãos. Paulo (Romanos 13:1-7) e Pedro (1 Pedro 2:13-17) reconheciam a legitimidade das autoridades governamentais. 





A LENDA DO CRISTIANISMO PACIFISTA: 





"No primeiro século, este último não fosse motivo de preocupação. Naquele tempo, os cidadãos raramente serviam o Exército; soldados eram mercenários, geralmente vindos de províncias limítrofes..." (Explorando o Mundo do Novo Testamento, Editora Atos, p. 114) Assim, de fato havia poucos cristãos no 1º século. 





As Testemunhas de Jeová e muitos evangélicos usam e abusam da “especulação tendenciosa” de que possivelmente os primeiros cristãos eram contra as autoridades romanas, porque no primeiro século, e até mesmo no segundo século (segundo eles), os cristãos primitivos não se alistavam no Exército, portanto, as autoridades governamentais são estabelecidas pelo “satanais”. Em primeiro lugar, os cristãos eram um grupo muito pequeno (minoritário), pois de fato existiam poucos cristãos no século I. Além do culto imperial e dos sacrifícios aos deuses (práticas idolátricas obrigatórias entre os soldados romanos) houve duas perseguições estatais muito brutais contra os primeiros cristãos, como as perseguições de Nero e Domiciano. Acredito, que isso já explica o porquê que os cristãos primitivos (pelo menos, a sua maioria) não se alistava no Exército e nem ocupava cargos públicos. Sobre o segundo século, alegar que antes do ano 170 não existiam cristãos no Exército não passa de “especulação tendenciosa de religiosos tapados e ignorantes”, porque não existem provas concretas históricas que possam afirmar que os cristãos do começo do segundo século não se alistavam no Exército e nem ocupavam cargos políticos. Na época do governo do imperador Marco Aurélio começou as invasões bárbaras (principalmente, dos bárbaros germânicos), portanto, isso explica o porquê da grande quantidade de cristãos no Exército no final do segundo século. Também no século II havia uma grande quantidade de senadores cristãos. Esses religiosos ignorantes e tapados afirmam que todos os Pais da Igreja Primitiva eram pacifistas, mas isso não é verdade. Tertuliano de Cartago, Hipólito de Roma, Orígenes de Alexandria e Cipriano de Cartago não representam o Cristianismo Primitivo inteiro. Clemente de Alexandria (o precursor da Teologia da Guerra Justa, até, mesmo, antes de Agostinho de Hipona), Ireneu de Lyon, Eusébio de Cesaréia, Melitão de Sardes, Clemente de Roma e Policarpo de Esmirna reconheciam que as autoridades legalmente constituídas (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17) são legítimas e necessárias na ordem estabelecida por Deus. Paulo e Pedro, também João Batista (Lucas 3:14), nunca proibiram o serviço militar para os cristãos, segundo as Escrituras. Assim, como a tradição de que Constantino manipulou o Concílio de Nicéia para criar a Bíblia (Cânon Bíblico), sendo, que não existem provas históricas concretas de que os 27 Livros do Novo Testamento foram reunidos neste Concílio, essa “lenda” de que todos os cristãos primitivos eram pacifistas também não passa de especulação. 





DEUS VINGADOR (O JUSTO JUIZ): 





“Quem é este, que vem de Edom, de Bozra, com vestes de vivas cores, que é glorioso em sua vestidura, que marcha na plenitude da sua força? Sou eu que falo em justiça, poderoso para salvar. Por que está vermelho o traje e as tuas vestes como as daquele que pisa no lagar? O lagar eu o pisei sozinho, e dos povos nenhum homem se achava comigo; pisei as uvas na minha ira; no meu furor as esmaguei, e o seu sangue me salpicou as vestes e me manchou o traje todo. Porque o dia da vingança me estava no coração, e o ano dos meus redimidos é chegado. Olhei, e não havia quem me ajudasse, e admirei-me de não haver quem me sustivesse; pelo que o meu próprio braço me trouxe a salvação, e o meu furor me susteve. Pisei os povos na minha ira, embriaguei-os no meu furor, derramando por terra o seu sangue”. (Isaías 63:1-6) 





Desde o Antigo Testamento, Deus castiga os povos que se rebelam contra os seus Mandamentos e oprimem o seu povo. Deus levanta uma nação para castigar outra nação. O Altíssimo, que domina os reinos dos homens, estabelece no poder a quem Ele quer. Deus é soberano e faz o que quer com os povos da Terra. Deus é justo e implacável com os pecadores que não se arrependem de seus pecados. O Altíssimo levanta nações para promover a justiça. O Estado, que é ministro de Deus, é estabelecido pelo Altíssimo para punir os culpados. O Todo-Poderoso salva e vinga o seu povo. Deus é o Vingador do sangue inocente. Durante anos, eu duvidei da justiça divina, mas, hoje, eu confio no meu Deus, e sei que Ele vingará todos os inocentes. 





“Atendei, ó estúpidos dentre o povo; e vós insensatos, quando sereis prudentes? O que fez o ouvido, acaso não ouvirá? E o que formou os olhos, será que não enxerga? Porventura quem repreende as nações, não há de punir? Aquele que aos homens dá conhecimento? O Senhor conhece os pensamentos do homem, que são pensamentos vãos”. (Salmo 94:8-11) 





Deus não é surdo, cego e nem burro. Ele sonda as mentes e os corações, ou seja, Ele sabe de todas as coisas. Deus está em todos os lugares, isto é, Ele está nos extremos do céu e nas profundezas do mar. Não há como fugir de sua presença. Deus é amoroso e misericordioso com os pecadores arrependidos. Entretanto, quando os pecadores não se arrependem e não se desviam de seus maus caminhos, Deus pesa as suas mãos sobre eles. Na verdade, até quando o pecador se arrepende, ele arca com as conseqüências de seus pecados, no entanto, ele é perdoado e justificado. 





OS AGENTES DO ESTADO (MINISTROS DE DEUS): 





“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho. Dêem a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra”. (Romanos 13:1-7) 





No Novo Testamento (Nova Aliança), na Bíblia, o apóstolo Paulo ensinou, claramente, que as autoridades governamentais (Estado - Governo) são estabelecidas por Deus e não apenas permitidas por Ele. Segundo, Paulo, foi Deus quem estabeleceu as autoridades e não Satanás. Segundo, as Escrituras, os agentes do Estado (magistrados, governantes e soldados) são ministros de Deus e não do Diabo. A Bíblia nunca pregou contra o serviço militar, tampouco ensinou o Pacifismo. O dever das autoridades legalmente constituídas é punir os maus e louvar os bons. Deus, o Altíssimo, estabeleceu os soldados e policiais para combater o mal e promover a justiça. Assim, como o Estado deve reprimir o mal e louvar o bem em sua jurisdição, as Forças Armadas tem o dever de proteger a sua nação de invasores maus também que tentem cruzar as suas fronteiras e conquistar o seu país. Deus é amor, mas também é justiça. Deus instituiu as autoridades governamentais para manter a lei e a ordem no mundo, punindo os maus e louvando os bons. A palavra grega usada para espada é “Machaira” que é um símbolo da pena capital (pena de morte), pois essa espada era usada para executar criminosos perigosos, autores de crimes hediondos e bárbaros, e para se combater os inimigos nas guerras. 





“Por causa do Senhor, sujeitem-se a toda autoridade constituída entre os homens; seja ao rei, como autoridade suprema, seja aos governantes, como por ele enviados para punir os que praticam o mal e honrar os que praticam o bem. Pois é da vontade de Deus que, praticando o bem, vocês silenciem a ignorância dos insensatos. Vivam como pessoas livres, mas não usem a liberdade como desculpa para fazer o mal; vivam como servos de Deus. Tratem a todos com o devido respeito: amem os irmãos, temam a Deus e honrem o rei”. (1 Pedro 2:13-17) 





No Novo Testamento, na Bíblia, nunca foi ensinado que os bandidos e malfeitores devem fazer o que quiserem e ninguém pode se opor a eles, porque Deus é “amor”. Tanto Paulo quanto Pedro (apóstolos) sempre ensinaram que os cristãos devem obedecer as autoridades legalmente constituídas e que o dever dos agentes do Estado (soldados, governantes e magistrados) é castigar os malfeitores e louvar os cidadãos de bem. Os apóstolos, Pedro e Paulo, legitimam o uso da força por parte do Estado para se reprimir o mal e louvar o bem. Paulo e Pedro nunca foram pacifistas, mas, sim, sempre foram a favor da lei e da ordem. Para esses apóstolos, os soldados são instituídos por Deus para usar a violência mesmo para se combater o mal. 





“Então, alguns soldados lhe perguntaram: E nós, o que devemos fazer? Ele respondeu: Não pratiquem extorsão, nem acusem ninguém falsamente, e contentem-se com o seu salário”. (Lucas 3:14) 





João Batista, primo de Jesus e o precursor do Messias, não era pacifista; pois quando ele batizou alguns soldados, não os condenou por serem combatentes, pelo contrário, lhes ensinou que eles deveriam ser soldados honestos e justos. Tanto Paulo quanto Pedro, e também, João Batista, nunca ensinaram o Pacifismo, mas sempre defenderam a lei e a ordem. No Novo Testamento nunca foi ensinado que o serviço militar é coisa do Diabo, pelo contrário, o próprio João Batista batizou soldados e se recusou a batizar os fariseus (os religiosos legalistas e fundamentalistas da época). 





REFUTANDO O PACIFISMO (HERESIA DIABÓLICA): 





“No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do Diabo; porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes”. (Efésios 6:10-13) 





A luta da Igreja é a Guerra Espiritual (Efésios 6) e a luta do Estado é a Guerra Física (Romanos 13). O Estado não pode ter uma igreja; e a Igreja não pode ter uma milícia. Paulo não era pacifista, pois ele é o autor de ambas as Cartas. Paulo defendia tanto o combate físico quanto o combate espiritual. O autor de Efésios 6 é também o autor de Romanos 13. Seria muito incoerente Paulo pregar o Pacifismo em Efésios 6 e depois pregar a Guerra Justa e a punição de criminosos em Romanos 13. Existem duas guerras que os cristãos devem lutar, a Guerra Física e a Guerra Espiritual. O Estado, que tem o poder da espada (Machaira), só deve se engajar na luta física. A Igreja (instituição religiosa) só deve se engajar na luta espiritual. Satanás, o Diabo, também atua usando os bandidos e os terroristas para fazer o mal. Paulo nunca pregou o Pacifismo, ou seja, a omissão diante do mal, mas apenas ensinou que a luta da Igreja é a Batalha Espiritual (Efésios 6), mas isso não invalida a luta do Estado, a Batalha Física (Romanos 13). Tanto os guerreiros da Igreja quanto os guerreiros do Estado são ministros de Deus. 





“Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas;”. (2 Coríntios 10:3-4) 





Esse trecho da Bíblia é muito deturpado pelos “cristãos” pacifistas, pois o verdadeiro contexto não se refere às armas bélicas (serviço militar), mas, sim, a capacidade humana e as vãs filosofias (conhecimento humano). Os cristãos, servos de Deus, para poderem combater os Anjos do Inferno e as heresias dos falsos profetas precisam das armas espirituais dadas por Deus, pois eles são incapazes de vencer Satanás e os seus demônios sozinhos. Para se combater os falsos ensinos e as heresias, os cristãos, precisam da sabedoria vinda de Deus e do poder de sua Palavra (a Bíblia). Em nenhum momento, Paulo, está pregando a omissão diante do mal. O Estado tem o poder da espada (Machaira) para reprimir os bandidos, terroristas e malfeitores. Assim, como a Igreja não pode ter uma milícia, o Estado não pode ter uma igreja. Cada ministro de Deus deve exercer a sua função, seja como guerreiro físico ou como guerreiro espiritual. 





“Ouvistes que foi dito: Olho por olho e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;”. (Mateus 5:38-39) 





Sobre se te baterem na "face direita" ter que oferecer a outra, isso é simbólico. Tanto arrancar o "olho direito" quanto cortar a "mão direita" também é simbólico. É óbvio que tudo isso é uma simbologia (Alegorismo). Jesus não está mandando ninguém ser saco de pancadas, mas apenas ensinou que a vingança é errada, mas em nenhum momento Ele condenou a legítima defesa ou a defesa pessoal. Para se bater na “face direita” é preciso bater com as “costas da mão”, se o agressor for destro (que é o mais usual). Esse tipo de agressão é conhecido como “tapa cortês”, ou seja, está se referindo a humilhação moral e não a agressão física. Esse trecho da Bíblia é muito deturpado e distorcido pelos pacifistas para se pregar à apatia e a omissão diante do mal. A obrigação dos fortes é defender os fracos e proteger os indefesos. Não é pecado se defender de agressões injustas e nem proteger as pessoas que você ama. 





“Então, Jesus lhe disse: Embainha a tua espada; pois todos os que lançam mão da espada, à espada perecerão”. (Mateus 26:52) 





Quando Pedro cortou a "orelha direita" de Malco, Jesus não mandou Pedro jogar a espada fora, mas apenas para guardar a espada (Machaira). O próprio Jesus Cristo ordenou a Pedro comprar aquela espada (Lucas 22:35-38). Se alguém viver atacando os outros acabará sendo atacado. Viver pela espada é viver praticando a violência por ser violento, e não se defender de agressões injustas. O apóstolo tentou impedir que a profecia sobre Jesus se cumprisse, por isso, houve essa repreensão de Cristo sobre o mau uso da espada (Jesus nunca condenou a defesa legítima e a correta justiça). A profecia não era para que Pedro salva-se Jesus; não era essa a profecia. O apóstolo Paulo ensinou que Deus estabeleceu o governo e de que o Estado tem o poder da espada (Machaira) para punir os malfeitores (algo concedido e autorizado por Deus). 





“E saberá toda esta congregação que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do Senhor é a guerra, e ele vos entregará na nossa mão”. (Samuel 17:47) 





Quando Davi afirmou que do Senhor é a guerra, ou seja, de que a batalha pertence ao Senhor, ele quis dizer que nós, guerreiros de Deus, seguidores de Cristo, devemos confiar no Deus de Israel e não em nossa própria força ou em armas bélicas. Entretanto, em nenhum momento, Davi hesitou lutar contra Golias por causa disso, porque ele confiava no Senhor dos Exércitos. Na Bíblia é ensinado que nós, cristãos, devemos depositar a nossa confiança em Deus e não em nós mesmos, mas podemos combater em prol da justiça quando for necessário, portanto, que confiemos em Deus e não em nossa própria força. 





DEUS NUNCA CONDENOU JURAMENTOS MILITARES (O QUE A BÍBLIA ENSINA DE FATO SOBRE ISSO): 





Sobre os juramentos (como, por exemplo, o Juramento à Bandeira), Jesus Cristo não condenou totalmente os juramentos. O que Jesus condenou foi o juramento de homens e mulheres que não têm palavra (pessoas mentirosas e falsas), que precisam se garantir em juramentos para que os outros acreditem que eles estão dizendo a verdade. Esse é o verdadeiro contexto. Não há problema algum em fazer juramentos honrados em nome da paz, da justiça e do amor. Além dos militares, os médicos também fazem juramento. O casamento também é um juramento de lealdade ao seu cônjuge (ser fiel até que a morte os separe). 





O VERDADEIRO CONTEXTO DO SEXTO MANDAMENTO “NÃO MATARÁS” (NÃO ASSASSINARÁS): 





O Mandamento “Não Matarás” em sua tradução correta é “Não Assassinarás”. Isso não implica em matar para se defender (legítima defesa e Guerra Justa). O próprio contexto desse Mandamento na Lei de Moisés deixa bem claro isso (falta de interpretação de texto por parte dos ignorantes). O Sexto Mandamento sempre se referiu ao assassinato criminoso (homicídio doloso) e não a matar quando realmente há necessidade para se defender ou para proteger alguém. O verbo hebraico “ratsach” usado nesse Mandamento no Antigo Testamento, e o verbo grego “foneuo” usado nesse Mandamento no Novo Testamento, sempre são usados para se referir ao assassinato criminoso, e nunca a legítima defesa e a pena capital (Machaira). Tanto o verbo hebraico “ratsach” quanto o verbo grego “foneuo” se referem ao homicídio ilícito. Portanto, matar para se defender ou para proteger alguém não é pecado. O Sexto Mandamento “Lo Tirsah” em hebraico e “Ou Foneuseis” em grego se refere ao assassinato e não a matar por uma causa justa. A violência deve ser usada enquanto uma contingência (para defesa própria ou para proteger os outros) e não como objetivo. Seria uma grande incoerência Deus mandar os hebreus matarem nas guerras sendo que Ele mesmo disse “Não Matarás” (Não Assassinarás), se no Sexto Mandamento Deus não se referisse somente ao homicídio criminoso (Deus não é bipolar). O guerreiro que não respeita a lâmina de sua espada (lâmina cortante, arma de fogo ou Bíblia) não é digno de sua espada. As armas do cristão só devem ser disparadas em nome da justiça. Não justiça para si mesmo, mas justiça para aqueles a quem o cristão jurou proteger. O cristão não deve usar a sua arma (Machaira) por motivos ou razões pessoais, mas apenas para promover a justiça e a paz. Matar sem nenhum fundamento moral não é nada além de assassinato. Matar por uma causa justa é apenas justiça. Portanto, o cristão só deve usar os seus punhos e suas armas em prol da justiça (para defesa própria e proteção dos outros). 





A VERDADE SOBRE O ENSINAMENTO “OLHO POR OLHO E DENTE POR DENTE” (O QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA): 





As pessoas tem uma “visão” distorcida sobre o ensinamento “olho por olho e dente por dente”. Em primeiro lugar, esse ensinamento nunca foi sobre ódio e vingança. O verdadeiro ensinamento sobre “olho por olho e dente por dente” nunca foi um incentivo a vingança, ao ódio ou a retaliação, mas, pelo contrário, era justamente para que os criminosos (bandidos e malfeitores) fossem punidos de uma forma justa, e não de uma maneira exagerada. Em segundo lugar, o próprio Moisés ensinou que devemos amar os nossos inimigos e que a vingança pertence a Deus. Há diferença entre vingança e justiça. Em terceiro lugar, os criminosos, bandidos, corruptos e malfeitores devem mesmo ser punidos severamente, mas dentro da legalidade (dentro da lei). A vingança pertence a Deus e a justiça deve ser aplicada somente pelas autoridades legalmente constituídas (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17). A moral do Novo Testamento é a mesma moral do Antigo Testamento (Yahweh, o Eterno, ainda é o mesmo Deus). 





JESUS E O PORTE DE ARMA (AS DUAS ESPADAS): 





“E disse-lhes: Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos porventura alguma coisa? Eles responderam: Nada.
Disse-lhes, pois: Mas agora, aquele que tiver bolsa, tome-a, como também o alforje; e, o que não tem espada, venda a sua capa e compre-a; Porquanto vos digo que importa que em mim se cumpra aquilo que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Porque o que está escrito de mim terá cumprimento.
E eles disseram: Senhor, eis aqui duas espadas. E ele lhes disse: Basta”. (Lucas 22:35-38





Seria muito incoerente a Bíblia ensinar em (Romanos 13:1-7) e (1 Pedro 2:13-17) que as autoridades legalmente constituídas tem o dever e a obrigação de castigar os malfeitores (bandidos e corruptos), se o próprio Jesus fosse um “grande pacifista”. Muitos alegam que Jesus usou uma figura de linguagem e que os discípulos não entenderam que quando Cristo mandou comprar espadas, Ele se referia a Palavra de Deus. A palavra grega “Hikanon” usada na Bíblia original para “basta” significa bastante ou suficiente, ou seja, quando Jesus disse “basta”, eles quis dizer que duas espadas eram o suficiente. A palavra grega “Hikanon” é sempre usada para se referir a uma quantia suficiente ou bastante. Esse trecho da Bíblia deixa bem claro que Cristo realmente ordenou aos seus discípulos para que eles comprassem armas (espadas). Quando Pedro cortou a orelha direita de Malco, Jesus repreendeu o mau uso da espada, e não o seu porte em si. Cristo mandou Pedro guardar a espada, e não jogá-la fora. A espada mencionada em Romanos 13 é escrita em grego “Machaira”, que era uma espada usada para executar criminosos perigosos e para se combater nas guerras. O Pacifismo é antibíblico, pois a Bíblia nunca ensinou tal ideologia. 





ORAÇÃO E INTERCESSÃO PELAS AUTORIDADES GOVERNAMENTAIS: 





“Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graça, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranqüila e mansa, com toda piedade e respeito. Isto é bom e aceitável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”. (1 Timóteo 2:1-4) 





O apóstolo Paulo ensinou, claramente, que todos os cristãos têm o dever cívico de intercederem em favor das autoridades governamentais, ou seja, os cristãos devem orar pelos seus governantes. Tanto Pedro quanto Paulo, não endiabravam as autoridades legalmente constituídas, pelo contrário, eles reconheciam a sua legitimidade. Essa “historinha” de que os cristãos primitivos demonizavam o Estado é mentira do Diabo, porque Jesus Cristo, os apóstolos, e os Pais Apostólicos, não demonizavam as autoridades governamentais. Hoje, não existem mais práticas idolátricas no Estado (Cristianismo Primitivo), portanto, nada impede os cristãos de se relacionarem com o governo, ocupando cargos públicos ou militares. 





CONCLUSÃO: 





"A coragem é contagiosa. Quando um homem valente permanece firme, os outros também endurecem.” (Billy Graham) 





Diante das adversidades e do terror da morte temos duas opções, duas escolhas. Nós escolhemos fugir ou lutar. Eu prefiro lutar. A ansiedade tem corroído tanto a minha saúde física como emocional. A depressão tem ressecado os meus ossos e secado os meus olhos (não tenho mais lágrimas para chorar). Como sendo jogado numa arena diante das feras, eu prefiro morrer lutando arrancando tufos da juba do leão do que me ajoelhar e rezar. Eu prefiro lutar até o fim. Eu escolho morrer lutando. Se quiserem me matar, que venham pessoalmente fazer o serviço. Eu estarei aqui esperando para lutar (para morrer lutando se for preciso). Eu não tenho nada a perder, mas, mesmo, assim, eu farei o bem. Eu quero fazer o que é certo. Eu quero fazer a coisa certa. Eu quero fazer o que é correto. Eu quero fazer o bem. Eu não sacrifico pessoas. A minha compaixão me torna diferente deles. Eu sou diferente. Continuarei a orar e a interceder pelas vidas das pessoas. Continuarei pregando o Evangelho, falando de Jesus. Se eu sair "trepando", me drogando e cometendo crimes e infrações por aí, não é assim que eu farei a diferença. Eu quero fazer a diferença. Eu quero salvar vidas. Eu quero proteger as pessoas. Como já falei, se quiserem me matar, podem vim, eu estarei aqui esperando. Mas, se eu sobreviver, vai ter represália, porque eu falarei de Jesus para todo mundo. Orando e pedindo oração pelos outros e pregando o Evangelho, falando de Jesus, eu chamarei a atenção de quem eu quero chamar. Assim, eu atinjo quem eu quero atingir. Eu não irei me suicidar. Se quiser me matar, venha pessoalmente fazer o serviço. Eu posso viver "caindo da cama", mas eu continuarei te enfrentando. Eu vou morrer lutando. 





AUTOR: Filipe Levi Viasoni da Silva, historiador e professor de História.